Início » Brasil » Postalis: começa a assar a batata de Renan Calheiros
OPERAÇÃO PAUSARE

Postalis: começa a assar a batata de Renan Calheiros

Operação Pausare busca investimentos fraudulentos do Postalis, o Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos, e atinge em cheio Renan

Postalis: começa a assar a batata de Renan Calheiros
Milton Lyra, foco da operação, é apontado como operador financeiro de Renan Calheiros (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira, 1, a Operação Pausare – uma ação de esforço concentrado, com 48 horas de duração – de busca e apreensão sobre investimentos fraudulentos do Postalis, o Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos. A investida – nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Alagoas – tem como foco o empresário Milton Lyra, e atinge em cheio o senador Renan Calheiros. Afinal, Lyra é apontado como operador financeiro do político alagoano e os dois são investigados por suposta atuação em investimentos fraudulentos do fundo de previdência – o maior do país em número de participantes (140 mil) e responsável por administrar um patrimônio de R$ 8,77 bilhões.

Ex-gestores da empresa também foram procurados pelos federais. No total, 62 equipes policiais cumpriram aproximadamente 100 mandados. O Ministério Público Federal (MPF) aponta que Lyra recebeu R$ 13,8 milhões de fundos de investimentos em que o Postalis é cotista – R$ 3,5 milhões do Atlântica Real Sovereign e R$ 10,3 do Brasil Sovereign II. Uma movimentação financeira de fazer inveja e que chamou a atenção do então procurador-geral da República Rodrigo Janot.

A quebra do sigilo telemático de Lyra confere a ele uma exagerada intimidade com o ex-presidente do Postalis Alex Predtechensky, denunciado por desvios no fundo e afilhado político de Renan e do senador Edison Lobão (MA). São vários contatos em seis diferentes números de telefone, além de e-mails comprometedores.

Investigado nega repasse a políticos

O desconforto de Calheiros começou em novembro do ano passado quando, investigado na Operação Custo Brasil, num desdobramento da Lava Jato, o empresário Paulo Roberto Gazani Júnior afirmou, em acordo de colaboração premiada, que Predtechensky pediu propina de 3% na negociação de uma operação de debêntures, num total de R$ 75 milhões, envolvendo a empresa JHSF Participações. Gazani Júnior também afirmou na delação que até uma igreja foi utilizada para mascarar suposto pagamento de propina para o ex-presidente do Postalis.

Em outubro do mesmo ano, a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) decretou a intervenção na Postalis que, já em 2015, acumulava rombo de R$ 7,2 bilhões – consequência de maus investimentos, como papéis atrelados à dívida da Argentina e da Venezuela, aplicações em títulos de bancos liquidados (Cruzeiro do Sul e BVA) e ações de empresas falidas de Eike Batista.

Em suas delações, que não foram poucas, o ex-líder do governo Dilma Rousseff no Senado, o senador cassado Delcídio do Amaral, afirmou aos investigadores que Milton Lyra era o operador de diferentes políticos do PMDB e que tinha influência no Postalis. Lyra declarou aos policiais que nunca foi intermediário do repasse de qualquer quantia a congressistas.

O nome da operação faz referência ao infinitivo presente do verbo latino pauso – pausare -, declinação que significa “aposentadoria”.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

8 Opiniões

  1. Almanakut Brasil disse:

    Herança maldita do Fernando Collor, o 1º presidente do “País da Putaria” a sofrer impeachment, mas que voltou aos cofres públicos 8 anos depois!

    Renan Calheiros grava vídeo em apoio a Lula

    CadaMinuto Alagoas – 12/07/2017

    https://www.youtube.com/watch?v=UT-Y6ryzRJU

  2. Almanakut Brasil disse:

    “Clã dos Calheiros” prospera com entrada na vida política – 07/02/2005

    Vivendo da atividade política, dos anos 1980 para cá, consolidou um confortável patrimônio financeiro e eleitoral. À sua órbita, a família Calheiros construiu um império.

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u67069.shtml

  3. Jorge Cardillo disse:

    Ainda bem estão investigando os fundo de previdência das estatais. Verdadeiro foco de desvio de dinheiro sobretudo em aplicações financeiras fraudulentas e que causam distúrbios nas cotações dos ativos da bolsa de valores lesando aplicadores. Parabéns à Policia Federal, que esta operação se estenda a todos os fundos.

  4. Aureo Ramos de Souza disse:

    Eita paísão, todos os dias tem uma noticia sobre roubo e quem rouba são justamente os presidente de repartições públicas e funcionários acolhido por algum politico.

  5. Aureo Ramos de Souza disse:

    Lamentável é eu não poder enviar noticias para o facebook. Fiquei um mês de cama e . Como fazer.

  6. Laércio disse:

    A batata do povo está assando!
    Renan e a corja política que rouba o Brasil está absolutamente tranquila, cárceres “macios”, quando comparado as cadeias nacionais e outras regalias…
    … Mais o final é que eles adoram, sairão milionários da cadeia…

  7. Ester disse:

    A hora tarda mas chega, vide o caso de Maluf…

  8. Beraldo disse:

    Renan Calheiros peitou o PCB – Primeiro Comando do Brasil, liderado por Michel Temer, porque sabe que não sofrerá nenhuma “represália”, sob pena de todos eles, dos três poderes da república, cavarem a própria sepultura.

    Ele é apenas um ladrão dissidente, e mais poderoso do que a maioria dos integrantes PCB, alojados no Presídio Domiciliar de Segurança Máxima do Planalto.

    Eles borram de medo dele, nos três poderes.

    Se fosse no PCC ele já teria sido morto.

    O autor do artigo só tem currículo, mas não sabe nada, coitado!!!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *