Início » Vida » Ciência » A criatura mais mortal da Terra
Exterminador de populações

A criatura mais mortal da Terra

Toda a moderna tecnologia à disposição da ciência ainda não nos livrou da maior ameaça animal: os mosquitos

A criatura mais mortal da Terra
Os mosquitos matam 725 mil pessoas por ano (Reprodução/The Washington Post)

Você ia dizer seres humanos, certo? Com todas essas armas, bombas, produtos químicos e tudo aquilo que é usado para o extermino das populações, a aposta parece fazer sentido. Ledo engano.

Estamos em segundo lugar; responsáveis por 475 mil mortes por ano. Enquanto isso, cerca de 250 mil mortes nos separaram de um assassino aparentemente frágil e inofensivo, mas capaz de dizimar 725 mil pessoas anualmente. O mosquito, vetor de doenças letais.

De acordo com Bill Gates (e seu blog), do total de vidas perdidas para mosquitos, 600.000 foram vítimas da malária. Outros 200 milhões de cidadãos no mundo adquirem alguma incapacidade física ou mental todos os anos pela doença.

Nesta semana, Gates mobilizou uma campanha em sua página para conscientizar as pessoas a respeito dos riscos do inimigo silencioso. A “Semana do Mosquito” foi inspirada na conhecida “Semana do Tubarão” criada pelo Discovery Channel,  em referência ao maior assassino dos mares. Por mais incrível que possa parecer os animais menos mortíferos são os tubarões e os lobos.

 

Fontes:
The Washington Post-The most deadly creature on earth

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Adalberto Nogueira disse:

    Apesar disso a população humana cresce de maneira desenfreada. Isso sim é uma epidemia.

  2. Vitafer disse:

    Por isso os mosquitos estão aí, Sr. Adalberto, para manter o equilíbrio populacional.

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    enquanto isso os EUA gata milhões para os homens ir a marte, se é que vão assim como foram (eles dizem) a Lua e para que serviu. Todo este dinheiro gasto não poderia ser investido para erradicar o mosquito da Malária e da Dengue.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *