article image
Tendências e Debates

Violência: o que podemos fazer?

fonte | A A A

A violência no Brasil cresce de forma acelerada e sem controle, com cerca de 50 mil brasileiros assassinados todos os anos. Esse número supera o de mortes em países que enfrentam guerras, como o Iraque. Mas o que podemos fazer para mudar isso? O país assiste atônito à escalada do poder e à ousadia do crime organizado, ao mesmo tempo em que se tornam cada vez mais corriqueiros os crimes com motivações pessoais ou sem sentido.

A assustadora explosão da violência no Brasil é justificada pelas autoridades por inúmeros problemas, mas estas mesmas autoridades a tratam com descaso. É frágil a segurança pública, com policiais despreparados e, em muitos casos, corruptos.

Nosso sistema carcerário é ineficiente e temos ainda a conhecida impunidade que, apoiada por leis inadequadas à realidade, permite a assassinos como Champinha desfrutarem da liberdade como cidadãos comuns. No passado, a opinião pública tinha o tempo necessário entre um crime e outro para elevá-lo ao nível de atrocidade.

Foi assim há 30 anos, quando Doca Street assassinou a namorada Ângela Diniz, chocando o país. Agora, tudo é corriqueiro. A foto da mãe enfurecida com a cabeça do filho morto no colo em pleno centro do Rio de Janeiro impressionou, mas teve que ceder espaço para a imagem do assassino que cerrou ao meio uma empresária simplesmente por terem discutido por uma vaga de estacionamento.

A impressão que nos dá é que tudo virou motivo para matar. E o pior é que nada mais parece chocar. Secretário de Transportes de Macaé que coibiu vans é assassinado. Fernando Magalhães foi o responsável pelo combate à máfia das vans na cidade, reduzindo de 640 para 54 o número de veículos que fazem o transporte coletivo em Macaé. Ele foi assassinado em uma emboscada na noite de quinta-feira. Seu carro foi interceptado por bandidos e atingido por 19 tiros. Destes, nove acertaram o secretário. Segundo a polícia, trata-se de uma execução feita por profissionais. O Globo – Secretário que combateu vans é executado – Página 37.

Por que se mata tanto? Por que os governantes permanecem anestesiados e não reagem tornando a segurança uma prioridade? O que a sociedade civil pode fazer para mudar este quadro? Dê a sua opinião.

De volta ao topo comentários: (413)

Sua Opinião

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Estado

Cidade

  1. miceval dias quinteiro disse:

    primeiro, temos que limpar o governo, depois colocar alguem limpo, para que este alguem tenha vergonha na cara para mudadr o código penal para 14 anos, só assim vamos ter um pais digno do povo brasileiro.

  2. Rony Sandoval disse:

    Deveríamos sair as ruas novamente como nas diretas já
    Cortar os recursos do governo como imposto e depositar em conta privada com ação judicial
    Demandar o nosso pais de volta e mandar todos ou a maioria dos políticos corruptos de volta a suas próprias ignorância
    Talvez voltarmos a monarquia e mais barata e eficiente
    Emfelismente temos uma cultura de políticos ignorantes dominando nosso pais ,quando vemos os juízes do supremo tribunal federal comprados para defender políticos sujos e um presidente do senado igualmente imundo que podemos esperar do nosso sistema
    Devemos nos reunir novamente em uma só voz , coisa que o brasil ainda não se deu conta nos somos o pais e o dever de mudança e a nossa obrigação
    Então o que esperamos para semos mais unidos ???????????????
    Obrigado
    Rony

  3. Allan disse:

    Excelente texto. Na minha opinião, o Brasil tem capacidade de resolver essa questão da segurança pública, detalhe: Não resolvem porque não querem. Se houvesse interesse de fato, várias medidas poderiam ser adotadas para coibir o aumento da criminalidade.

    Em primeiro plano, o Brasil poderia adotar como modelo o padrão de segurança pública que deu certo em algum país onde a criminalidade foi reduzida drasticamente.

    Em segundo plano capacitar, preparar, e habilitar policias civis, militares, federais, e guarda – municipal, para em conjunto criarem ações efetivas de enfrentamento ao crime respeitado o cidadão de bem.

    Em terceiro plano, ao menos no estado de São Paulo, aumentar consideravelmente o contigente policial. São poucos policiais para atender uma demanda enorme. Deveria haver só no Estado de São Paulo uns 300 mil policiais.

    Em quarto lugar, a elaboração de leis que de fato combatam a violência. Exemplo: Prisão perpétua para PEDOFILIA, ESTUPRO, E OUTROS CRIMES AQUI NÃO DELINEADOS. Pena de morte para quem comete homicídio, latrocínio, e outros.

    Em quinto lugar, Uma remuneração digna, para o policial que prima de fato pela lei e a ordem.

    Em sexto lugar, elaborar um plano de expansão a nível nacional de presídios que de fato funcionem não como uma escola onde se forma criminosos, mas onde se reabilita pessoas.

    Existem outros fatores não listados aqui que poderiam ser aplicados, e que certamente funcionariam.

    Essa é minha opinião.

  4. camila silva disse:

    Excelente a redação…..mais na verdade os principais ladrões e bandidos são os nossos governantes que roubam da gente todos os dias e não fazemos nada ficamos com a boca tapada só vendo eles roubarem quando vão preso ficam em selas especias com tv comida boa e outras mordomias enquanto cidadãos de bem trabalham todos os dias para ganhar uma miséria se arriscando correndo riscos de morte sem proteção nenhuma porque hoje não devemos confiar em mais nada apenas em DEUS que é o único que nos protege todos os dias….

  5. Ermírio Leitte Filho disse:

    Em primeiro lugar nós nos deparamos com total apatia, despreparo e falta de motivação da polícia no combate à baderna. Em segundo lugar a incompetência e a demagogia dos políticos que estão no comando da Nação e dos Estados Em terceiro lugar a hipocrisia da sociedade que discorda de tudo que está acontecendo e nada cobra dos nossos dirigentes e elege os mesmos que estão no poder, dando um aval a incompetência.
    Dos três poderes o maior responsável pelas reformas é o legislativo, devíamos cobrar leis mais realistas de acordo com a realidade que estamos vivendo. O Brasil vive um estado de guerra urbana, com os bandidos soltos praticando crimes diariamente e o cidadão preso em casa sem direito à defesa. Há os que discordam da diminuição da maioridade penal e, pasmem, a maioria alega a falta de prisão adequada para o jovem bandido. Pela incompetência do Governo é a sociedade quem paga. Na democracia a imprensa tem um papel fundamental na cobrança da defesa da sociedade. Não cobra nada, dá-nos a impressão de que tudo está correto. Ou o povo brasileiro acorda ou, mais uma geração, seremos uma verganha para a humanidade. Ermírio. (ermirioleitte@hotmail.com).

  6. alice disse:

    noss a isso vai ajudar muito no meu trabalho da escola

  7. Jeferson Felipe disse:

    Olá, perfeito seu texto, não só me ajudou na pesquisa do trabalho escolar como ampliou minhas visões
    e analise em meia a sociedade em que vivemos, seu conhecimento é gratificante e objetivo. Parabéns.

  8. Gabriela Borges disse:

    Tenho 15 anos e vou fazer uma prova de artigo de opinião sobre a violencia , esse foi o melhor site ate agora , gostei da opinião de todos mais a que mais me chamou atenção foi a do Humberto Assunção , ele conseguil fezer o que eu tenho que fazer amanhã , colocar sua opinião não em um txto grande mais sim em um pequeno que voce consegue entender oque ocoprro no brasil . Muito obrigado

  9. Roberto disse:

    Boa tarde, Humberto Assunção,

    Eu compartilho completamente de sua ideia, e do que disse, eu a um tempo atras iria escrever exatamente o que você disse e muito mais, mas hoje, e sabe porque não? Desisti dessa droga de país.
    Vejo pessoas ainda se preocupando com seleção brasileira como se uma vitória dessa porcaria mudasse o Brasil se cada gol mudasse o Brasil, seriamos um país de primeiro mundo.
    Eu desisti, estou vivendo com medo e implorando para não se morto a qualquer dia. O meu protesto é não voto mais em mentiroso nenhum, a policia?? esta para mim nem existe, são piores que os bandidos.

    DESISTO.

    ODEIO A CIDADE EM UE VIVO E ODEIO ESTE MALDITO PAÍS, VIOLENTO.

  10. karolina taliele da silva disse:

    adorei foi muito bom manda mais coisas para o meu emeil

  11. Iandra disse:

    Caramba a violência está crescendo muito rapido. Temos que dar um basta nisso doido isso é muito serio. acho interessante o agressor gosta de agredir mais num quer ser agredido. Como diz certas pessoas são um bando de RECALCADO, mas eu nãovou descreveolos por que eles não merece meu tempo por que daria muito tempo para descrevelos. Isso é muito chato cara, e o problema é que tem gente que sabe de casos de violência e não denuncia vamos denunciar para a policia(190)…

  12. Humberto Assunção disse:

    Enquanto se discute os números da violência em nosso país, nada efetivamente é apresentado como atenuante ao problema. Políticos permanecem anestesiados, envoltos em covarde hipocrisia jamais vista. Dizem que o Estatuto da Criança e do Adolescente visa preservar tal faixa etária, no entanto só vemos os defensores desse pensamento lutando por aqueles que cometem crimes. Quem já viu uma comissão dos direitos humanos procurarem as famílias das vítimas de violência? Com relação à pena de morte ela já existe no Brasil, bandidos decidem quem vive ou morre, quem deve ser torturado ou violentado antes de morrer. Não dá mais pra dizer que política social vai resolver, estamos no estado democrático de direito mas o estado de natureza esta se sobrepondo. Falta muito pouco para vivermos uma Gotham City onde o caos na segurança engole a tudo e a todos. Por que guardar criminosos irrecuperáveis? Como podemos aceitar que se gaste mais com um presidiário que com uma criança na escola? Fingimos que as crianças tem educação e estão protegidas enquanto verdadeiros monstros aguardam para novas vítimas fazer. Em Fortaleza abrigos para crianças em situação de risco ameaçam fechar as portas após cinco seis meses sem dinheiro para alimentação. Já quando os presidiários fazem seus motins queimando todos os colchões, no outro dia o estado providencia outros novinhos, pra isso há verba. é uma droga esse modelo sínico de fazer política…