Início » Opinião » Tendências e Debates » Você usaria a ‘mochila-coleira’ no seu filho?
Tendências e Debates

Você usaria a ‘mochila-coleira’ no seu filho?

A 'coleira infantil' ganhou uma nova versão, mas continua levantando debate. Por Carla Delecrode

Você usaria a ‘mochila-coleira’ no seu filho?
A mochila-coleira é uma nova versão da 'coleira infantil'

Nos shoppings, praças e supermercados, está virando moda encontrar mães e filhos com uma companheira inseparável: a ‘mochila-coleira’. De acordo com os vendedores, ela é a solução para frear as crianças fujonas e levadas. É um acessório que garante a tranquilidade das mães e o limite dos filhos que, ao menor movimento brusco, podem ter os passos freados por uma alça fixa na mochila e presa à mão do responsável. A novidade é uma nova versão da ‘coleira infantil’ que está há anos no mercado, mas continua trazendo polêmica.

Isso por causa da semelhança do produto com a coleira de cachorro. Um motivo suficiente para gerar olhares tortos e críticas aos responsáveis que usam o acessório. Mas em países como EUA, Austrália e Japão, o produto  é comumente usado pelos pais para a segurança dos filhos e não há qualquer constrangimento.

Um exemplo de caso é o da “mãe coruja” Christiane Medeiros que comprou a “coleirinha” em Portugal por medo de perder os filhos. Ela tinha a missão quase impossível de controlar Marcela e Luiz Felippe, que na época eram bem pequenos. Em locais públicos, para garantir a tranquilidade da mãe e a liberdade dos pequenos a saída foi a “coleirinha”.

“Na Europa, usei um modelo de pulso que não era nada agressivo. Todo mundo usava, tinha muitas cores e modelos. Com a coleirinha, as crianças podiam brincar livremente e já estavam acostumadas. Sempre que saíamos, cada um já trazia a sua e eu sempre explicava para elas por que tínhamos que usar aquilo. Eles não achavam ruim”, conta a mãe.

Para a dentista Carolina Lopes, 29, a “coleira infantil” também foi a solução para os “sumiços” repentinos da pequena Juliana, sua prima, que teve de usar a “coleira” aos 4 anos. Ela conta que era comum a prima se perder em locais públicos — um dilema que só chegou ao fim quando a menina passou a usar a “coleirinha”.

“Eu tinha uns 9 anos e ficava muito atenta do lado dos meus pais. Eles ‘encoleiravam’ a Juliana em mim para não perdê-la. A coleira era um cinto amarrado nela e que tinha a outra ponta amarrada no meu pulso. Depois de usar a coleira, ela nunca mais se perdeu e não foi nada traumatizante. Hoje, quando lembramos damos boas risadas.” Com a boa experiência, Carolina apoia o uso da “coleira infantil”. “Se tivesse filho usaria com certeza. Prefiro a opção de andar ‘encoleirada’ do que perder a criança.”

A pedagoga Cristina Carvalho, que coordena o curso de especialização em Educação Infantil da PUC-Rio, discorda da eficácia do acessório como uma forma de dar limites às crianças e tranquilidade aos pais. “A opção é cômoda para os pais, mas não para as crianças. Nada substitui o afeto, o contato e o diálogo. O cuidado caminha com a educação. É preciso olhar e saber se pode soltar o filho sem que haja perigo. As crianças têm que aprender com o contato.”

Na opinião da especialista, a “coleira” representa uma ausência do adulto e a criança precisa da presença efetiva do responsável. “Educar é estar junto, é pegar na mão, é explicar por que não pode. Os filhos precisam entender os perigos. Puxar a criança não gera aprendizado, é um comando que não gera compreensão. A ideia não é adestrar, é educar.”

Caro leitor,

Você usaria a “mochila-coleira” ou a “coleira infantil” nos seus filhos?

Você acredita na eficácia do produto?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

36 Opiniões

  1. Amadeu Pereira dos Santos disse:

    Na verdade, também acredito que o diálogo firme com o filho, ou filha seja mais eficaz não para manter a criança por perto, mas para educar os pimpolhos. Embora sejam poucas as mães que saibam fazer com êxito esse trabalho educativo. Para evitar que eles se percam ao meio de uma aglomeração, por exemplo, compreendo que o recurso de atrelá-los ao corpo dos pais, ou de irmãos mais velhos seja melhor opção. Por outro lado, os pais que não quiserem passar por esse constrangimento devem fugir dos lugares onde existam multidões. Não esqueço nunca quando olhamos para os lados e não vimos nossa filha de três anos que caminhava conosco no meio do povo. Foi um momento de muita angústia até encontrarmos a criança. Acho que esse fato marcou para sempre nossa menina, pois ela ficou muito assustada. Depois de grande, não tem coragem de aprender dirigir, por exemplo. E uma pessoa de poucas iniciativas e não sabe responder quando agredida verbalmente.

  2. OLBE disse:

    EU APROVO TOTALMENTE. AS CRIANÇAS FICAM LIVRES PRA BRINCAR SEM TER QUE FICAR SEGURANDO A MÃO DA MÃE TENTANDO FUGIR E A MÃE CORRENDO O TEMPO TODO ATRAS DAS CRIANÇAS…UMA VEZ EU VI NA ALEMANHA UMA AVÓ NA PRAÇA COM TRI GEMEOS. ELA FICAVA SENTADA AO SOL, LENDO UM LIVRO E AS CRIANÇAS BRINCANDO LIVREMENTEE, CADA UMA POR SEU LADO. ELAS DEVIAM TER UNS 3 ANOS E A FITA QUE A AVÓ SEGURAVA TINHA UNS 3 METROS DANDO ÀS CRIANÇAS BASTANTE LIBERDADE COM SEGURANÇA.

  3. joaquim pereira da silva disse:

    Isso pode se tornar legal. O que faz o produto ser bom é as pessoas gostarem dele.

  4. Aline Ribeiro Thomas disse:

    Claro que daria!
    Segurança em primeiro lugar! A criança fica livre para comer pipoca, tomar seu sorvete etc.
    No Canadá, na Europa, nos Estados Unidos da América, já existe há muitos e muitos anos.
    Meus filhos, usaram, quando morei no Canadá durante alguns anos.

  5. Helio disse:

    A pedagoga tem razão. O uso só excepcional, numa grande aglomeração, boa até para adultos. Os pais cada vez mais desviam o olhar dos filhos. Para não terem o desgaste de conversar sobre limites, a coleira fala. O mesmo acontece em aniversários barulhentos em que recreadores cuidam das crianças exaustas em meio a um grande barulho, enquanto pais tomam cerveja. O celular é para uma criança maior, a menor deve ter um programa com menos risco e sem coleira. Au au

  6. kão disse:

    Caraca, daqui a pouco tem lei também prá isso, querem apostar?
    Educar uma criança em casa é impossível.
    Educar está sendo confundido com maltratar, humilhar.
    A saída, me parece, é usar a coleira-mochila (embora eu conheça algumas pestinhas que deveriam andar algemadas, mesmo) e esperar que o pequeno demonio não aprenda a se desvencilhar dela rapidamente.

    Não prá tranquiliade dos pais.
    Para segurança da criança.
    Abraço

  7. frambell disse:

    EDUCAÇÃO ULTRAMODERNA

    Primeiro veio à creche, uma necessidade justificável, nenhuma mãe pode ir para o trabalho levando o filho pequeno. Depois veio a Babá que, infelizmente, tem trazido mais preocupação que benefício. Finalmente, chega à coleira, a mais moderna e revolucionária invenção pedagógica. Educa, automaticamente, sem exigir esforço dos pais, principalmente. Nem o educador nem o educando terão que se estressar. Eu não sou educador nem pedagogo nem psicólogo, porém, para mim a coleira não educa. Além disso, deve ser usada, apenas, por crianças bem pequenas, já que os mais maduros não vão se submeter. Os que usarem, ao se verem livres poderão partir para os excessos compensatórios, o que pode levar a adolescência a ser mais “movimentada” do que devia. A educação, o meio clássico e insubstituível de disciplinar freando as crianças mais afoitas, está aposentada por ter sido superada. Encontrando-se totalmente fora das paradas de sucesso. Quem vai ensinar as crianças a ter medo, o que devem temer, o que podem e o que não podem fazer. Até que apareça algo mais civilizado, a próxima aventura contra a desobediência infantil deverá ser mesmo a coleira. Entretanto, para agravar, ainda mais, vem à segunda baixa no sistema milenar de educação. Acusada de maus tratos, a clássica e disciplinadora palmada deixou de ser útil. Uma coleira poderá ser o instrumento ideal para substituir um sistema que durante séculos forjou tantas celebridades, homens e mulheres geniais. Nem todos ficaram traumatizados por causa da palmada. Apesar de ser um método de disciplinar que deu tanta dignidade será substituído por uma coleira. O que pode ter produzido uma coleira em termos de formação de caráter em toda a sua existência? Quem vai transmitir segurança para os filhos? Em quem confiarão sem os pais para protegê-los? Quem lhes transmitirá confiança? Na hora de decidir a quem irão imitar? A coleira? Comprarão a solução no shopping?
    Todavia, o que sobram em toda parte do mundo são os “gênios”, de olhos arregalados em cima de nós. Principalmente, levando em conta que somos uma nação emergente. Não demora muito um espertalhão inventa uma gaiola equipada com rodinhas e vídeo game para acalmar criança arteira e correr para o Brasil. Com a vantagem adicional de custar, apenas, alguns milhares de dólares. Mas, o que representa tão ínfima quantia face ao benefício que proporcionará aos nossos filhos? Em se tratando de obter sossego e educação nada é caro.
    Ainda tem gente que acha que os pais modernos não se preocupam muito com a educação dos filhos. Lamentável.

    Frambell Carvalho

  8. Samuel disse:

    Eu e minha esposa educamos sete filhos e nunca nos passou pela cabeça que teríamos de “encoleirá-los”. Partilhamos nossa vida com eles e hoje, com idades entre 44 e 29 anos, têm um grande amor pelos pais. E, evidentemente, nós ainda mais por eles.

  9. Ivaniza O. de souza disse:

    Concordo plenamente, uma vez quando criança me perdi em uma multidão, foi muito traumático, nem percebi, só quando olkhei em volta não vi meus pais, que a esta altura já estavam me procurando. Eu era muito pequena, apenas conhecia meu pai e minha mae como Pai e Mãe. Foi uma grande choradeira. Basta um piscar de olhos para uma criança desaparecer. Eu teria usado coleira e muito mais para não ter me perdido. Não tenho filhos, mas usaria sem constrangimento. Cães, que nem são crianças e em geral voltam para seus donos sozinhos, e nós os amamos muito, por que não proteger assim nossos próprios filhos, a quem, provavelmente amamos mais do que aos animais de estimação???

  10. André Luiz de Jesus Silva disse:

    Bom é uma ótima ideia para fazer com que crianças saiam para passear, realizarem as suas necessidades na pracinha… Será que tem saquinho higiênico para recolher os dejetos?

  11. elenice nascimento disse:

    Não usaria em lugares públicos, porque nestes lugares eu sempre preferi trazê-los junto de mim, ao colo ou de mãos dadas. Não usava nem o carrinho. Mas em muitas viagens que fiz de ônibus, senti necessidade de ter algum elemento de contato com eles, porque tinha medo de adormecer e não encocntrá-los ao meu lado, então nestas circunstâncias eu teria usado, não por questão de limites, mas de segurança.

  12. Antonio Donizete disse:

    Acho a idéia ideal para alguns momentos.
    Cabe aos pais decidirem quando realmente acham necessário o uso da mochila. Um ótimo lugar serio no supermercado, os pais poderiam prender a ponta da tira no carrinho próximo onde seguramos, e a criança ganharia uma certa liberdade enquanto os pais olham atentamente os produtos e preços das prateleiras. Lugares tumultuados onde você precisa estar com um olha no “peixe” e outro no “gato” também seria muito viável.
    Sou de São Paulo e moro a 5 anos em Belém do Pará, outro lugar que seria bem adequada a utilização da mochila seria nos passeios de barco pela região.

  13. Carolina disse:

    Achei a idéia ótima, o objetivo não é educar e sim deixar que a criança tenha liberdade de andar sem se perder estando próximo do responsável, as crianças nessa idade não tem noção de perigo e apenas um instante pode ser catastrófico.

  14. Nequinho disse:

    Na minha opinião, este é um ítem de segurança e não de educação. Tentar criar teorias sobre “efeitos psicológicos” do seu uso, afirmando que afasta os pais dos filhos, francamente, é o mesmo que dizer que criança pequena deva andar no banco da frente do carro para ficar mais perto do pai/mãe e não se sentir abandonado em um bebe-conforto no banco traseiro!!! Quais são os estudos em que estes psicólogos se baseiam para tirar estas conclusões? Afinal, no Brasil não temos tempo suficiente de uso para podermos chegar a estas conclusões!!!. Penso que são apenas preconceitos de quem em tudo enxerga “traumas psicológicos”, não esquecendo que o número de crianças desaparecidas neste País certamente seria menor se este ÍTEM DE SEGURANÇA fizesse parte do nosso cotidiano.

  15. bninha disse:

    usaria e usei,só q foi adaptado,minha mãe amarrava fraldas de pano na minha calça,então uma coleirinha fofinha não tem problema né?

  16. Carolia Lopes disse:

    A questão maior, não é explicar a criança oq é certo ou errado, é a distração delas com as coisas novas e diferentes do mundo a sua volta. A pequena Juliana da história acima sempre foi uma menina muito educada e comportada mas se distraía olhando o mundo e acabava ficando pra tras ou dando uns passos pro lado e sendo encoberta por alguma coisa maior que ela. E na expectativa de encontrar a familia, se distanciava mais e mais do ponto onde se perdeu… Por esse único motivo ela usava coleira quando ia ao shopping.

  17. elisa disse:

    todo mundo tá falando que a coleirinha, não educa. MAIS NÃO É PARA EDUCAR, MAIS UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA. HÁ UNS CINCO ANOS ATRÁS VI ISSO AQUI EM BELÉM/PA E ACHEI MUITO LEGAL, PELO MENOS ELES NÃO SE PERDEM, E NÃO TEMOS QUE SAIR FEITO LOUCOS PROCURANDO OS PEQUENOS.

  18. PRISCILA disse:

    USARIA SIM,OS ESPECIALISTAS FALAM QUE É CONSTRANGEDOR,QUE NÃO ENSINA PARA CRIANÇA O QUE É CERTO ETC ETC ETC,DIGAM ISSO PARA QUEM JÁ PERDEU O FILHO OU TEVE O FILHO SEQUESTRADO EM LOCAIS PUBLICOS OU NÃO,POR UM PEQENISSIMOS DISCUIDO.MINHA IRMA NUNCA SOLTOU A MÃO DE MEUS PAI,UM BELO DIA VIAJAMOS E ELA TINHA UNS 4 ANOS,MEU PAI DISSE NÃO SOLTEMINHA MÃO,IAMOS A TRAVESSAR A RUA EM UM LOCAL BEM MOVIMENTADO E ELA SIMPLESMENTE SOLTOU E FOI ATROPELADA POR UMA AMBULANCIA,GRAÇAS A DEUS NAO AOCNTECEU NADA.SE USAR A COLEIRA É CONSTRANGIMENTO,PREIFOR QUE SEJA DO QUE TER MINHA FILHA SEQUESTRADA OU SUMIDA POR AI E NUNCA MAIS VE-LA O BENEFICIO É MUITO MAIOR DO QUE O CONSTRANGIMENTO,DUVIDO,MAS DUVIDO MUITO QUE SE UM DESTES ESPECIALISTAS TIVESSEM SEUS FILHOS CARREGADOS OU SUMIDOS DE SEUS BRAÇOS SE ELS NÃO USARIAM A COLEIRA MOCHILA.DUVIDO.EU JA COMPREI PARA MINHA FILHA E AI DE QUEM FALAR MAL DELA,JA TENHO A RESPOSTA NA PONTA DA LINGUA!!!1

  19. Edna da Penha de Freitas disse:

    não podemos viver buscando solucionar problemas fechando as portas para a vida, posso entender quem já passou por percas… aquele tal do minuto de bobeira realmente transforma nossas vidas e quase sempre para pior, mas, tratando-se de uma vida comparada não só a um cachorro mas, a um ser irracional; e se educarmos ou seja ensinar ou esclarecer as dúvidas de uma criança faremos dela um ser humano capacitado de viver em sociedade, a partir do momento que temos filhos, seja desejado ou vindo de surpresa devemos nos preparar não só com enxovais , mas a mudança radical que passamos em nossas vidas, ou mesmo em nosso relacionamento conjugal; até porque crianças precisam brincar, mas, também precisam de ter regras de comportamento dentro e fora de casa, e, dentro de uma coleira para que possamos distrair em outros assuntos, realmente seria melhor ficar em casa envolvido com sua família, que após uma semana de trabalho, curtir meus filhos em casa… é maravilhoso, lógico que precisamos de viver em sociedade ,mas, o lugar deverá ser adequado a elas até que tenham condições de conviver e ter um pouco de maldade diante de um perigo.

    Hoje em dia as mulheres estão sendo mães muito cedo , acredito que por isso é que aparecem ideias meio extravagantes como esta da coleira, se elas tivessem filhos um pouco mais no princípio da maturidade seria mais fácil renunciar às curtições e vivenciar melhor uma vida familiar.
    Ter filhos é muito bom, mas, o difícil é educar, pois na juventude a gente aprende e enquanto estamos aprendendo a liberdade se torna um pouco de mistura de irresponsabilidade e na maturidade renunciamos muito e não reclamamos, aprendemos a compreender; e amar é compreender, no entanto aprender é querer amar sem está preparado…

    Quer ter filhos… devemos amá-los com intensidade e fazer renuncias, pois a vida te dará em dobro.
    Já basta quem prefere ter cachorro ao invés de uma criança.

  20. LOURDES disse:

    uSARIA SIM NO MEU NETO, POIS ELE É MUITO LEVADO E CORRE PRA TODOS OS LADOS, ASSIM TERIA MAIS CONTROLE EM SAIR COM ELE, GOSTARIA DE SABER ONDE COMPRAR.

  21. Akemi disse:

    Estou pensando sériamente em comprar uma mochila-coleira, se for de ursinho parecer ser menos agressiva p/ quem vê. Talvez as pessoas enxerguem como “tadinho ele parece um cãozinho preso”, mas seria uma tranquilidade ter o controle do me bebê de 1 ano e 10 meses que não consegue andar ao nosso lado de mãos dadas, ele sai correndo na frente e a gente não consegue seguir este ritmo.

  22. Nina Pimenta disse:

    Eu tive uma experiência horrorosa quando viajei com meus 2 filhos de ônibus pela primeira vez. Viajava muito com a mais velha, hoje com 7 anos, e sempre foi muito tranquilo. Porém, meu mais novo, com 2 anos é muito agitado. Descemos em uma rodoviária para fazer baldeação e a de 7 estava passando mal, e quis vomitar. Enquanto ela passava mal, o menor saiu correndo pela rodoviária, pois ela estava decorada com motivo natalino e chamava muita atenção. Tive de deixar minha filha passando mal sozinha e correr atras do pequeno na rodoviária lotada. O uso de uma mochila dessas teria evitado esta situação. Vou viajar novamente com os dois e já estou procurando uma mochila dessas para comprar. Não seria para uso comum, andando na rua ou num parque, e sim para situações de tumulto como rodoviárias, aeroportos, na minha opinião. Pretendo usar e tenho certeza que isto não traz trauma nenhum. O afeto e limite dos pais e importante independente do uso da mochila.

  23. Camila disse:

    Ai gente, esses “especialistas” com certeza não devem ter filhos, e se tiveram, tinham babás. Quanto absurdo! Como é que é?? “a “coleira” representa uma ausência do adulto e a criança precisa da presença efetiva do responsável”. Ai que piada!! Minha filha fica comigo o tempo todo! Nunca fui ausente nem por um segundo!!! Só não tenho coragem de correr o risco de perdê-la em um lugar movimentado ou atropelada. Deus me livre! Essa coleira é uma proteção a mais, e ela adorou! Uso e recomendo!

  24. VICTÓRIA disse:

    MUITOS CRÍTICAS E MUITAS CONCORDÂNCIAS. ACHO QUE O QUE VALE É O BOM SENSO. QUEM CRITICA PROVAVELMENTE NÃO TEM FILHOS, OU SE OS TEM, DEVE GRITAR HORRORES NOS LUGARES PARA QUE A CRIANÇA OBEDEÇA. COISA QUE NEM SEMPRE FAZEM. VEJO CRIANÇAS EM SHOOPINGS POR EXEMPLO, CHORANDO A MORRER, SÓ PQ OS PAIS PEGAM A MÃO E NÃO LARGAM POR NADA, NÃO DANDO ESPAÇO PARA ELAS ANDAREM ” SOZINHAS “. PORQUE CRIANÇA QUER MESMO É ESPAÇO. USAREI COM CERTEZA, POIS NÃO QUERO PASSAR PELA AFLIÇÃO DE PERDER UM FILHO NO MEIO DE UMA AGLOMERAÇÃO. JÁ VI CRIANÇAS PERDIDAS EM SHOPPINGS, NAS RUAS, EM PARQUES E ISTO SIM, DEVE SEM BEM TRAUMÁTICO. A MEDIDA QUE A CRIANÇA CRESCE E PASSA A TER MATURIDADE PARA ENTENDER OS RISCOS, REALMENTE NÃO ACHO NECESSÁRIO. E OLHE, QUE FICAR PERDIDA NOS DIAS DE HOJE É O MENOR DOS PROBLEMAS. NA VIDA QUE LEVAMOS, NA SOCIEDADE EM QUE VIVEMOS, IMAGINE SEU FILHO SER RAPTADO, SEU FILHO SER MOLESTADO. TENHO MUITO APREÇO POR OPINIÕES PRINCIPALMENTE DE PROFISSIONAIS DA ARÉA PSICOLÓGICA, MAS O MEU DIREITO DE MÃE, EM MEU ENTENDIMENTO COM MEU FILHO, NÃO ADMITIREI JAMAIS QUALQUER TIPO DE INTROMISSÃO, SEJA DO ESTADO, SEJA DE OPINIÕES VINDAS DE PESSOAS NAS RUAS QUE NADA TENHAM A VER COM A MINHA VIDA.

  25. claudia disse:

    com certeza, sim usaria, porque é para o proprio bem da criança e como meu neto é muito fujão, varias vezes o perdemos de vista no shoping e supermercado porque o guri tem a mania de sair correndo e as vezes o perdemos de vista, fazer compras em lojas então nem pensar, porque, ou tu escolhe as roupas ou fica de olho nele, né? Abraço

  26. Julio Mauro disse:

    Ja vi isso algumas vezes no shopping e jamais usaria isso na minha filha. Enseu vontade de espancar o pai que colocou isso na criança.

    Cachorro agora?

  27. Juliana Rocha disse:

    Eu quero uma dessa p meu filho. Ele tem 1 ano e meio. Quando passeio com ele tipo no shopping tadinho ele fica no carrinho ou de maos dadas comigo e meu marido sem autonomia nenhuma. Preso sabe. Ele é mto ativo ama correr andar ver as coisas e essa mochila permitirá ele se movimentar sem o perigo de se perder.
    Segurado na coleira não pode. Agora no carrinho preso pode? Quem tem filho sabe que umbobjeto desses pode proporcionar passeios mais agradáveis.

    Igual uma mãe disse, q tem q fice apertando a mão da criança, e meu fikho pequeno nao entende q no shopping nao dá p correr livre e que no parque pode? Ele é bebê nao entende, qdo maiorzinho vai segurar na minha mão.

  28. chaieny disse:

    Eu usaria sim acho uma boa ideia de não perder meu filho nos lugares de grande movimentação estou atras de achar uma para comprar ,acho besta de quem não usar

  29. kellen Prado disse:

    Estou chocada, essa história de coleira infantil, isso é a coisa mais ridícula que já vi na minha vida. Tenho uma filha de 3 anos que como toda criança saudável é terrível, mais eu jamais a submeteria a isso, acho degradante. Nunca perdi minha filha em lugar nenhum, usando uma técnica infalível, kkkkk segurando na mão dela.

  30. Gabriella disse:

    Eu não só usaria como estou comprando uma pois faremos uma viagem pra Disney, e não consigo nem cogitar levar minha filha sem essa coleira pois já a perdi no supermercado e não existe nada mais desesperador…
    As pessoas que não concordam é porque não tem filhos peraltas… A minha bobeou ela some…
    Eu sinceramente não arrisco

  31. Roselaine Germano disse:

    Sim eu usaria e minha cunhada usava com meus sobrinhos gêmeos. Não vejo problema algum, vejo uma forma de dar liberdade sem que os pais os percam ou tenham que ficar segurando-os pelos braços que pode até dar uma fratura ou no colo, que dependendo do peso cansa muito. Hoje meus sobrinhos tem 25 anos e estão lindos, sem traumas mas com muita saúde. Isso que importa.

  32. Patricia Souza disse:

    Quando eu era pequena me perdi dentro do supermercado.. Não me lembro com oq me distraí mas eu me lembro bem de olhar ora trás e não ver minha mãe, lembro do desespero.. Isso sim foi traumático! Perdi minha mãe dentro de um mercado ao ponto de não encontra la em lugar nenhum! Preferiria muito mais ter usado a mochila coleira do que passar por aquela situação! Vou usar sim com meu filho! Quer o povo goste ou não!

  33. Patrícia disse:

    Respeito quem queira usar, mas não uso nem pretendo usar com nenhum de meus filhos. A coleira é cômoda para os pais, não para as crianças. Como podem dizer que dá liberdade às crianças, se na verdade estão amarradas? Isso não faz sentido algum!! Liberdade tem minha filha que anda ao nosso lado e sabe dos limites de segurança. O que a criança precisa é saber quais os limites e respeitá-los porque precisa respeitá-los, e não porque uma corda a impede. E para o caso de uma criança que vive fugindo, nada mais simples do que uma conversa sobre a necessidade de se obedecer aos pais por esses saberem o que é melhor para elas. Caso não respeitem os limites, sentirão as consequências: nesse caso, serão privados de sair. Assim aconteceu com todos de nossa geração (tenho 34 anos) e deu muito certo. Dessa forma, continuo aplicando em minha filha (4 anos) que é bastante ativa e aplicarei no meu filho que logo nascerá. E se disserem que precisam levar as crianças ao supermercado, por exemplo, aí comprovamos tão somente a conveniência dos pais. Eu não levo criança ao supermercado. Não é programa para criança! Se não tem com quem deixar, existem outras formas de suprir, ainda mais nos tempos de hoje. ex: alguns supermercados fornecem o sistema de compras pela internet e entregam em casa.

  34. Juliana disse:

    Claro que vou usar ! Estou atrás de uma pra cada filho pq não consigo sair sozinha com eles, minha mais velha tem autismo e foge mesmo e meu caçula tem 1 ano e 7 meses ou seja essa vai ser minha solução , nunca perdi nenhum deles e sou neurótica com segurança ainda minha filha que tem ainda muito o que aprender sobre segurança e não entende as coisas como uma criança típica ela precisa de mais tempo e limite , e depois de pesquisar encontrei esse maravilhoso acessório , estou providenciando dois .

  35. Weverton disse:

    Tenho três filhos e vou usar sim
    Meus filhos gêmeos são curiosos igual a toda criança e prefiro me assegurar
    A respeito aos que acham que as crianças estão sendo comparadas a animais não concordo com suas críticas pois vcs colocam eles em chiqueirinhos vamos comparar com jaula também?
    Cada uma que vejo é da i se eu segurar meu filho por uma mochila coleira se acho melhor que outra forma
    Amo eles e dou minha vida por eles

  36. Elizaltina disse:

    Sempre usei na minha filha desde quando começou a andar e hj com 3 anos ainda uso, e nunca tive problemas com isso aqui na minha cidade pelo contrário as pessoas sempre me perguntam onde comprei!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *