Início » Pelo Mundo » O Egito em perigo

O Egito em perigo

Caos do país esconde uma complexa disputa de poder entre generais e islamitas

O Egito em perigo
Exército egípcio parece disposto a retardar o processo de transição para a democracia (The Economist/Alamy)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um ano e meio após o otimismo da Primavera Árabe, o Oriente Médio está numa crise assustadora. A Síria está perto de ser palco de uma guerra civil em grande escala civil, cujo resultado é desconhecido, embora tudo indique que seu presidente, Bashar Assad, deva cair mais cedo ou mais tarde. A Líbia, misericordiosamente livre de seu tirano louco, está sendo periodicamente abalada pelas milícias que o derrubaram, sua eleição geral, prevista para este mês, foi adiada até julho. O Iêmen, tendo se livrado de Ali Abdullah Saleh, que comandou o país por 33 anos, tornou-se o ponto favorito da Al-Qaeda. A Tunísia, que tinha realizado a transição mais suave do despotismo para a democracia, tem visto tumultos causados por extremistas religiosos. Os governos do Sudão e do Omã também têm sido abalados por protestos. E na Arábia Saudita uma longa e persistente crise de sucessão voltou a ser o centro das atenções com a morte de seu príncipe herdeiro.

No entanto, os desenvolvimentos mais preocupantes estão no Egito, o país mais populoso do mundo árabe. Após 18 meses de progresso confuso para a democracia, o exército parece determinado a inverter a marcha para a liberdade, ou pelo menos colocar um freio pesado sobre ela. Se o Egito está errado, então o progresso da democracia em outras partes do mundo árabe será muito mais lento.

O Egito não está, no entanto, condenado a voltar à ditadura. A Turquia, onde o exército chegou a um acordo com os islamitas moderados, aponta para uma saída pacífica. E o Ocidente pode ajudar a tornar claro que os políticos democraticamente eleitos, mesmo os islamitas, estão acima dos generais.

Quem é realmente responsável?

A notícia de que Hosni Mubarak, deposto no ano passado após 30 anos como déspota, estava perto da morte depois de um derrame na prisão pode ser irrelevante para o resultado da atual luta pelo poder. Mas é um lembrete do quão politicamente moribundo o Egito costumava ser.

No lado mais esperançoso, parece que Muhammad Morsi, um membro da Irmandade Muçulmana, ainda vai provavelmente ser declarado o vencedor do segundo turno, derrotando Ahmed Shafiq, um general e último primeiro-ministro do regime de Mubarak, assumindo o cargo no dia 1º de julho. Este seria um acontecimento importantíssimo, marcando a primeira vez no Egito em que uma eleição presidencial razoavelmente livre produz um chefe de Estado legitimado pela vontade popular, ainda que em uma sociedade polarizada. Também seria a primeira vez no mundo árabe que um presidente islâmico chegaria ao poder por meios democráticos. Morsi assumiria o poder para nomear um governo e tomar o seu lugar como líder democraticamente escolhido do Egito no cenário global.

Mas há pouca certeza quanto a isso. Na pior das hipóteses, o exército poderia declarar que o Shafiq, de alguma forma ganhou. Mesmo se a vitória de Morsi for aceita, ainda não se sabe que poderes ele terá. O Conselho Supremo das Forças Armadas, um grupo de generais que se tornaram os governantes interinos após a queda de Mubarak, não tem se esforçado para deixar o Egito se tornar uma democracia plena. Mas o Conselho agora parece ter voltado atrás em sua promessa de se retirar para seu quartel. Uma semana atrás, os generais disseram aos juízes da era Mubarak no Tribunal Constitucional para dissolver o parlamento novo, que havia produzido uma forte maioria islâmica, por motivos técnicos ridículos que poderiam ter sido veiculados meses atrás. Agora, o Conselho reivindica o poder de estabelecer as leis que o Parlamento deveria aprovar, e até mesmo de elaborar o orçamento. Ele também terá o direito de escolher e dirigir uma assembleia constituinte ou um órgão de elaboração da Constituição para produzir um documento determinando os poderes do presidente e, possivelmente, novas regras para a realização das próximas eleições para o Parlamento.

Estas são manobras ameaçadoras, mas até agora, pelo menos, isso não parece ser uma contra-revolução. Ao invés de um golpe duro destinado a extinguir a democracia em evolução do país, essa é uma tentativa de retardá-la e controlá-la. A prioridade do Exército é manter o seu “papel especial”, seus privilégios econômicos e alguns dos ministérios do poder, como defesa e segurança interna, bem como generais da Turquia fizeram na década de 1990, quando bloquearam um governo islamita democraticamente eleito, e continuaram à força desfilando como guardiões de uma ordem secular.

Se o caminho turco for seguido, o resultado pode ainda manter a esperança. A Turquia já sofreu um bocado com golpes e violência política. Mas esses perigos têm diminuído, já que os islamitas têm se mostrado moderados e populares, vencendo três eleições justas em sequência e destruindo o poder dos generais. Os islâmicos da Turquia conquistaram a autoridade moral para enviar os soldados de volta aos quartéis, e a exerceram. Se o Egito seguir por este caminho, nada que os generais façam esta semana vai parar a marcha para a democracia por muito tempo.

Na confusão do Egito, uma coisa se destaca: egípcios e árabes em outros países querem ter o controle de seus próprios assuntos. Reis ou generais podem retardar o progresso esse processo, mas não podem pará-lo.

Fontes:
The Economist - Egypt in peril

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *