Início » Sem categoria » Brasil quer empenho por reforma do sistema financeiro
Bric

Brasil quer empenho por reforma do sistema financeiro

Brasil quer empenho por reforma do sistema financeiro
Moeda única não deve receber destaque na reunião (Fonte: BBC Brasil)

O governo brasileiro quer que os países participantes do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) atuem com mais empenho para promover uma reforma no sistema financeiro internacional. Uma estimativa do FMI aponta que os Brics serão responsáveis por 61% do crescimento econômico mundial, no período de 2008 a 2014, destaca o subsecretário de Assuntos Políticos do Itamaraty, embaixador Roberto Jaguaribe.

Sobre a discussão, a adoção de uma moeda única entre os países não deve receber destaque na reunião, apesar de o tema ter dominado a primeira cúpula dos Brics, em 2009.

Segundo o Itamaraty, o ponto forte da coordenação entre os Brics têm sido as áreas financeira e econômica. No entanto, pautas sobre política têm sido deixadas de lado, como a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a política nuclear internacional e as mudanças climáticas.

Leia mais:

Países emergentes ajudam terceiro mundo

Brasil quer fortalecer Bric

Fontes:
BBC Brasil - Brasil quer empenho de Brics por reforma do sistema financeiro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Ramon M. B. van Buggenhout disse:

    O Brasil está corretíssimo. A moeda americana (dollar), criada sob o patrocínio de um consórcio de bancos privados (Federal Reserve), é moeda privada. Foi tornada meio internacional de troca após as guerras mundiais, com a quebra generalizada das economias dos grandes países da Europa e da Asia. Atualmente o dollar é considerado moeda podre, sem lastro, sem consistência e sem credibilidade. Representam a decadência irrefreável dos Estados Unidos. Está na hora de a America do Sul se libertar dos grilhões que a prendiam aos Estados Unidos e Europa (notadamente a Inglaterra, colônia decadente dos EUA. Chega de sustentar a decadência norte-americana.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *