Início » Vida » Ciência » Buscar vida em Marte vai ser muito complicado
EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Buscar vida em Marte vai ser muito complicado

Necessidade de proteger biosfera marciana de micróbios terrestres impede que os humanos ou seus robôs visitem as partes mais promissoras do planeta vermelho

Buscar vida em Marte vai ser muito complicado
Nem mesmo os robôs espaciais são seguros para explorar regiões potencialmente habitáveis do espaço (Foto: Nasa)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Pesquisadores ligados à Nasa anunciaram a descoberta de provas convincentes de que há água líquida em Marte esta semana. A notícia estampou a capa dos principais jornais e sites, inclusive aqui no Opinião e Notícia. Se os resultados da pesquisa se confirmarem, é de se esperar que o governo americano apresse o envio de uma nova missão pra investigar o fenômeno mais a fundo. Afinal de contas, uma eventual descoberta de vida em Marte seria um dos maiores marcos da astronomia moderna.

Miragem

Mas isso não vai acontecer tão cedo. Mesmo se a Nasa estivesse 100% certa de que há água líquida em Marte — e ela não está –, a agência americana não pode explorar a região onde ela foi encontrada.

De acordo com um novo relatório conjunto da Academia Nacional de Ciências e da fundação Europeia da Ciência, os seres humanos não estão preparados para enviar missões tripuladas às regiões potencialmente habitáveis de Marte sem correr o risco de contaminar essas regiões com a vida da Terra.

Ou seja, o problema não é o risco de foguetes explodirem, falta de verba, de vontade política ou de apoio público. O problema é a própria vida da Terra, mais especificamente, a tenacidade de micróbios terrestres e a fragilidade potencial dos marcianos. A contaminação microbiana poderia sabotar a busca por marcianos nativos.

Embora essa constatação não seja nova (o Tratado Espacial de 1967 já alertava para o risco de contaminação do espaço pela vida na Terra) o seu reconhecimento explícito e formal em um documento tão respeitado é raro. A Nasa planeja enviar humanos a Marte na década de 2030. Que tais missões podem inevitavelmente apresentar riscos de contaminação não é, compreensivelmente, algo que a agência está ansiosa para destacar, mesmo quando seus pesquisadores estão ativamente buscando soluções para o problema.

O risco de contaminação é um problema até mesmo para as máquinas, que, ao contrário dos humanos, podem ser banhadas com poderosos produtos químicos e radiações para erradicar bactérias clandestinas. Apesar disso, micróbios que teimosamente se recusam a morrer são encontrados com regularidade em ambientes supostamente estéreis das naves interplanetárias da Nasa. Astronautas da missão Apollo encontraram bactérias na Lua que tinham sobrevivido em um vácuo quase total dentro da nave Surveyor 3 que havia estado lá mais de dois anos e meio antes. Se os micróbios terrestres são capazes de viver em lugares como esse, certamente sobreviveriam em algumas das partes mais habitáveis ​​de Marte.

Fontes:
Scientific American - Searching for Life in Martian Water Will Be Very, Very Tricky
Quartz - If there is liquid water on Mars, no one—not even NASA—can get anywhere near it

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Ludwig Von Drake disse:

    A possibilidade de contaminar Marte é real, mas talvez seja assim mesmo que a vida se espalhe. Penso que no fundo, nós humanos somos uma infecção das brabas que está quase matando o hospedeiro.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *