Início » Sem categoria » Casos como os de Sean crescem
Tendência

Casos como os de Sean crescem

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O aumento no número de casamentos entre pessoas de duas nacionalidades diferentes está levando a cada vez mais casos como os do menino Sean. De acordo com o Departamento de Estado norte-americano, 1.615 crianças foram sequestradas por um dos pais em 2008. O aumento foi de 36% em relação a 2007.

Um levantamento mostra que a tendência provavelmente é mundial. Apesar de informal, o levantamento com 13 países mostrou um aumento de 20% a 88% desse tipo de caso.

Casos em que crianças de outros países são levadas para os Estados Unidos também aumentaram. Em 2008, 500 crianças foram levadas para o país por um dos pais.

Fontes:
Estado de São Paulo - Sequestro internacional de filhos cresce com globalização

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Gibran Shalom disse:

    Nunca realmente aprendí com quantos paus se fazem um canoa…mas, diante do caso Sean, aprendí que leva-se nove anos para duas famílias construírem um castelo imenso, onde passem a morar em compartimentos diferentes, sem nunca se verem, construindo dentro de cada qual, um monstro que se chama egoísmo, que se alimenta da falta de diálogo e cospe desamor conforme os mais tenebrosos dragões mitológicos. E assim, conseguiram, com todas as tintas, nesse Natal, presentear ao menino um “avant premier” do que o homem é capaz de construir no silêncio de seus domínios de egoísmos, teimando de chamar de “amor”.

  2. Arlon Borges disse:

    É difícil decidir o que pensar sobre o caso de Sean Goldman. Não tenho dúvidas de que a mãe cometeu um ato criminoso ao sequestrá-lo. Em seguida fez tudo para afastá-lo do pai, deixou ele esquecer o inglês, ensinou a chamar o padrasto de Pai e o pai de David. Privou-o da convivência com o pai e da nacionalidade americana. Repito, foi criminoso.

    Mas agora que ele não fala inglês, mal conhece o pai, obrigá-lo a ir embora parece cruel, embora seja o que a lei manda.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *