Início » Internacional » CIA parece manter força e poder intactos em Washington
CIA

CIA parece manter força e poder intactos em Washington

Relatório do Senado americano acusa CIA sobre uso de tortura em suspeitos de terrorismo, mas aparentemente não trará resultados imediatos

CIA parece manter força e poder intactos em Washington
CIA parece manter força após relatório do Senado americano (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O relatório do Senado americano que acusou a CIA de brutalidade em interrogatórios contra suspeitos de terrorismo reflete uma luta através da história com profundas consequências para a imagem dos EUA. O documento retrata um panorama de escuridão e profundo arrependimento em mais um capítulo da história americana.

Leia Mais: Relatório do Senado americano condena CIA por brutalidade em interrogatórios

Mas, apesar do alvoroço, é esperado que a CIA saia da investigação com sua força e poder intactos em Washington. É o que prevê o jornal Washington Post em seu editorial de terça-feira, 9. Desde que a agência foi fundada em 1947, o governo americano depende da CIA para fazer o que nenhuma outra agência do governo tem poder para fazer, o que inclui morte, espionagem e chantagem para enfraquecer os adversários do país. Essa dependência tornou-se maior depois dos ataques de 11 de setembro, quando o então presidente George W. Bush recorreu à agência para combater a Al Qaeda e seus aliados. O papel central da CIA tem se mantido nas operações antiterrorismo do goveno Obama.

O relatório sobre os programas de interrogatórios é apenas o mais recente baque à moral da CIA, acontecimento que vem se repetindo ao longo dos anos, desde o fiasco da Baía dos Porcos até a era de abusos internos do então presidente Nixon e dos escândalos, de 1980, ligados aos Irã e à América Latina.

De acordo com William Banks, diretor do Instituto de Segurança Nacional e Antiterrorismo da Universidade de Syracuse, o que aconteceu já aconteceu. Ele afirma, para o Washington Post, que nada irá mudar. A CIA continuará em qualquer lugar que os Estados Unidos estiver. Mesmo assim, o ciclo de investigações coincide com uma era de dramática expansão de autoridade e recursos para a agência. O número de funcionários do Centro de Contraterrorismo da agência cresceu de poucas centenas para mais de 2 mil.

Segundo o editorial do New York Times, publicado nesta última terça-feira, 9, em nenhum momento o programa de tortura da CIA produziu inteligência que evitasse a ameaça do terrorismo. Todas essas informações foram obtidas antes desses brutais interrogatórios. Ainda de acordo com o editorial, é difícil de acreditar que alguma coisa será feita agora. Republicanos, que em breve assumirão o controle do Senado e terão a maioria no painel de inteligência, agiram como se o relato da tortura, e não a tortura por si só fosse ruim para o país. Em todos os escândalos anteriores aos ataques de 11 de setembro, a agência tendeu a manter, por um tempo, uma postura discreta depois da censura pública, o que não aparece que vai acontecer agora.

 

Fontes:
The Washington Post-CIA unlikely to lose power in wake of interrogation report
The New York Times- Political Divide About C.I.A. Torture Remains After Senate Report’s Release
The New York Times-The Senate Report on the C.I.A.’s Torture and Lies
BBC-Relatório diz que CIA 'mentiu' sobre tortura; conheça 20 principais conclusões

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *