Início » Sem categoria » França estuda castração química para casos de abuso sexual
Polêmica

França estuda castração química para casos de abuso sexual

França estuda castração química para casos de abuso sexual
Medida drástica contra crimes sexuais

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Método consiste em reduzir a libido e a atividade sexual por meio de medicamentos hormonais, evitando outros ataques do agressor.

A lei que prevê castração química para agressores sexuais reincidentes entrou em discussão na Assembleia Nacional da França depois de uma série de crimes sexuais violentos que abalaram a opinião pública francesa.

Em outubro deste ano, o governador da província argentina de Mendoza, Celso Jaque, anunciou para meados de 2010 o início de um programa voluntário de castração química para condenados por crimes sexuais.

Fontes:
Consultor Jurídico - França estuda castração química para agressores

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. SERGIO GRUSCA disse:

    Sempre que eu vejo uma noticia a respeito de abusos sexuais, tem uma mensagem subliminar, que nos faz entender que é sempre um homem, que comete tal ato. Já que os direitos são iguais, gostaria muito que tais assuntos, quando tratados públicamente, fossem mais esclarecedores.
    Obs: Recentemente ocorreu um caso de estupro, contra um garoto de 12 anos, por uma mulher de 33 anos, aqui na cidade que moro.

  2. luiz antonio vieira barbi disse:

    MAIS UMA IDEIA BRILHANTE…QUEM TEVE ESTE LAMPEJO DE IGNORANCIA?? NUNCA LIDOU COM CRIMES?? ABUSOS SEMPRE TEM UMA PARTE CANDIDA E UM AGRESSOR…SERIO?? NINGUEM FAZ UMA CERTA PROVOCACAOZINHA?? FACIL DEMAIS!! VAMOS PARAR DE SER TAO PARCIAIS ASSIM!! VAMOS COM CALMA!!!

  3. Apolonio Prestes disse:

    O colega luiz antonio vieira barbi é uma espécie de Diogo Mainardi dos pobres. Às vezes tem uma idéia boa, mas é atrevidinho e mal educado.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *