Início » Sem categoria » Governo declara estado de exceção após protestos
Crise no Equador

Governo declara estado de exceção após protestos

Presidente, que foi hospitalizado, acredita em tentativa de golpe de estado. Congresso, aeroporto de Quito e quartéis foram tomados

Governo declara estado de exceção após protestos
Rafael Correa é carregado após sofrer ataque com gás lacrimogêneo (fonte: afp)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O governo equatoriano declarou estado de exceção após a eclosão de protestos de militares e policiais que tomou o país.  O Congresso, o aeroporto de Quito e diversos quartéis  foram tomados por soldados. Em meio à crise, o Exército assumirá o lugar dos policiais e ficará encarregado de garantir a segurança pública. Para o  presidente do Equador, Rafael Correa, a crise se trata de um golpe de Estado.

Ante o suposto golpe de Estado, os governos de Brasil, Chile, Argentina, Peru e Espanha manifestaram apoio ao presidente Correa. O governante da Venezuela, Hugo Chávez,  lançou um alerta por twitter, avisando aos países da Unasul e da Aliança Bolivariana das Américas (Alba) que fiquem “alertas” . A Organização dos Estados Americanos (OEA)  convocou uma reunião de emergência pra tratar da crise.

A situação ficou calamitosa quando cerca de 150 manifestantes, de acordo com uma rádio local, tomaram controle do aeroporto de Quito. Outro grupo invadiu um dos maiores quarteis, onde estava o presidente equatoriano.

Correa teve de ser hospitalizado após inalar gás lacrimogêneo. Do hospital, o presidente falou por telefone com agências, afirmando ter sofrido um ataque “covarde” e confirmando suas intenções de dissolver a Assembleia Nacional. Correa também chamou os manifestantes de “bandidos”.

O principal comandante militar do Equador, Ernesto González, garantiu que os soldados estão subordinados à autoridade de Correa.

Tensão política

A crise eclodiu em meio a tensões econômicas e políticas no país. No campo econômico, as forças de segurança se revoltaram contra a eliminação de benefícios fiscais incluídos em uma reforma legal.

Politicamente, o impasse é entre  Correa e congressistas do seu próprio partido – de esquerda.  Grande parte dos parlamentares está bloqueando um projeto do presidente. Com o entrave, Correa cogitou dissolver o Congresso para governar por decreto até as próximas eleições.

Fontes:
G1 - Após protestos, governo decreta estado de exceção no Equador

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Marcos Blasques disse:

    Puxa, precisava acontecer alguma coisa assim aqui no Brasil. Né? O exército, a polícia, o povo, todo mundo junto… Jogando lacrimogêneo pra cima, pra baixo e pros lados. A fim de, “quem sabe / com isso”, “dissolver” as nossas “tensões” políticas mais ‘peculiares’.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *