Início » Brasil » Intenção de voto em Dilma caiu 21 pontos desde início dos protestos

Intenção de voto em Dilma caiu 21 pontos desde início dos protestos

Pesquisa Datafolha publicada neste sábado mostra que se as eleições fossem hoje, a presidente enfrentaria um segundo turno com Marina Silva, que cresceu sete pontos em três semanas

Intenção de voto em Dilma caiu 21 pontos desde início dos protestos
Pesquisa do Datafolha mostra que reprovação do governo Dilma cresceu significativamente após onda de protestos (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Uma pesquisa Datafolha para a eleição de 2014 divulgada neste sábado, 29, mostra que a intenção de voto na presidente Dilma Rousseff (PT) despencou 21 pontos em três semanas, uma queda que coincide com o período de protestos no Brasil. Entre os pré-candidatos incluídos na pesquisa, Marina Silva, que ainda tenta oficializar o seu partido Rede Sustentabilidade, foi a que mais se beneficiou da onda de revolta no país, subindo sete pontos. Aécio Neves (PSDB) subiu três pontos e Eduardo Campos, um ponto.

No ínicio de junho, uma pesquisa do Datafolha mostrava a presidente com 51% das intenções de voto, garantindo uma vitória já no primeiro turno. Agora, a última pesquisa mostra Dilma com 30% e tendo que enfrentar um segundo turno com Marina Silva, que subiu de 16% para 23% nesse período. Aécio Neves cresceu de 14% para 17% e ficaria em terceiro, enquanto o governador de Pernambuco passou de 6% para 7%.

Outra pesquisa divulgada neste sábado pelo Datafolha mostra que a aprovação da presidente caiu quase pela metade após as manifestações, de 57% para 30%. O percentual dos entrevistados que considera a gestão de Dilma ruim ou péssima subiu de 9% para 25%.

O desempenho de Dilma na pesquisa foi avaliado pelo instituto como a maior queda de popularidade de um presidente entre uma pesquisa e outra desde o plano econômico do ex-presidente Fernando Collor, em 1990, quando houve o confisco da poupança.

 

Fontes:
O Globo - Dilma cai 21 pontos e enfrentaria segundo turno em 2014

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

7 Opiniões

  1. Evandro Correia disse:

    Afinal parece que o povo está começando a ver quem é a verdadeira Dilma Raskolnikov!

  2. Roberto1776 disse:

    Pelo amor de Deus: escolher entre o fogo e a frigideira? Votar em diuma ou em má-rina? Me tira o tubo!!! SAUDADES do ITAMAR e do FERNANDO HENRIQUE.

  3. Sálvio Pessoa disse:

    A presidente, o vice-presidente, os ministros, seus assessores, todos estão completamente perdidos, tão perdidos quanto aqueles que estão protestando nas ruas, ou os policiais que fiscalizam os protestos ou os que assistem aos protestos nas ruas ou pela TV. Mal a presidente anunciou as medidas que tinha em mente para resolver os problemas, já começaram as discordâncias, os desentendimentos e os desacordos, cada setor querendo puxar a brasa para a sua sardinha. O presidente e os integrantes do Congresso Nacional, o presidente e os integrantes do Supremo Tribunal Federal os senadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, governadores e vereadores estão todos perdidos, tanto quanto os empresários e seus funcionários, os jornalistas, seus leitores, ouvintes e telespectadores, os juízes, promotores, advogados, médicos, engenheiros, os analfabetos e doutores, os estudantes, os professores, os funcionários públicos, as donas de casa, os pais de família, os bandidos, os padres, as freiras, as virgens, as prostitutas, os pastores, os crentes, os descrentes e o povo em geral. E não é só no Brasil, mas em todas as nações do mundo, sem exceções. Formam todos um bando de tolos, pretensiosos e arrogantes que fingem saber das coisas, fingem compreender o problema e conhecer a solução, fingem estar tranquilos e seguros de si, mas que, na realidade, estão apavorados, de nada sabem, nada entendem e têm suas próprias vidas pessoais confusas, insolúveis e angustiadas. Ninguém sabe o que fazer e qualquer coisa que façam, dará errado e trará novos e insolúveis problemas. Não há plebiscitos, pactos nem constituintes que deem jeito na situação, não há protestos, copa do mundo, das confederações, carnaval ou olimpíada, reuniões, conferências, pacifismo nem vandalismo que resolvam, porque o problema não depende disso, não depende de discursos, de teorias, de dinheiro, nem de leis, nem de polícia, de ideologias partidárias, de filosofias, de religiões, nem de fiscalização, punição, prisão, nada disso. Eu sei do que depende, mas não direi, porque já foi dito milhares de vezes, no passado e até no presente, e de nada adiantou, ninguém ouviu e, se ouviu, não deu a menor importância. Resta-me apenas contemplar, impotente, com o coração cheio de uma inútil compaixão e com o coração dilacerado, a derrocada final da raça humana, esmagada pelo peso da sua própria estupidez. A situação vai piorar cada vez mais. Quanto mais soluções arquitetarem, mais problemas terão. Quem viver verá. É o fim do caminho, aproxima-se, a cada dia, a tragédia mais do que anunciada à qual ninguém jamais deu ouvidos. Que Deus tenha piedade das nossas pobres almas.

  4. Mauricio Fernandez disse:

    Se as eleições fossem hoje a Dilma não estaria no segundo turno.

  5. Vitafer disse:

    Vamos ver no quê dá.

  6. Joaquim Caldas disse:

    Cadê a mulher mais poderosa do planeta? Nem as empregadas domésticas,nem as meretrizes apoiam Dilma.Dilma o ápice da vergonha?
    Lula anunciou Dilma,mas quem governa é:”Vanda”,Patricia”,”Estela”,no mundo do crime!

  7. Marluizo Pires Cruz disse:

    Um povo politizado não muda como efeito manada a intenção de voto após as manifestações articuladas. Pois no caos das transformações fica difícil identificar as pessoas bem intencionadas para politicamente transpor as mudanças necessárias reclamadas pelos interesses sociais do povo. Estaremos atentos para reivindicar um projeto de governo com planejamento dos planos pontuais de soluções das deficiências de atendimento sociais.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *