Início » Sem categoria » Lula adia definição sobre projeto da ‘Comissão da Verdade’
Ditadura militar

Lula adia definição sobre projeto da ‘Comissão da Verdade’

Lula adia definição sobre projeto da ‘Comissão da Verdade’
Governo afirmou que não tem interesse em provocar os militares

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A definição sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos ficou para abril de 2010.

O projeto vem causando atritos entre militares e membros do governo ligados às famílias de mortos e desaparecidos durante o regime militar no Brasil. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o governo tem até o mês de abril para desenvolver o projeto da “Comissão da Verdade”, que visa apurar os casos de violação de direitos humanos durante a ditadura.

O texto do Plano Nacional de Direitos Humanos não obteve consenso em todas as áreas do governo e foi contestado pelos setores militares. Lula informou que irá pedir alterações e ressaltou que o governo não tem interesse em provocar os militares.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Lula deixa para abril definição sobre plano que irritou militares

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

8 Opiniões

  1. Mauricio Geracino Borges disse:

    O Brasil caminha a passos largos para a consolidação total da Democracia e acho que devemos deixar de lado tudo aquilo que pode interromper essa caminhada. Eu sei claramente que os crimes contra os direitos humanos não podem prescreverem e que as famílias tem todo direito de saberem da verdade seja onde ela estiver,mas sem prejudicar a nossa Democracia, a qual no momento tem tudo para se tornar uma das melhores do mundo.

  2. João Julio Lopes Neto disse:

    A história geralmente é escrita pelo vencedor, enquanto no poder. Quem está hoje nessa condição tem, obviamente, ponto de vista diferente. No entanto, estão nessa condição porque a mesma legislação que os acolheu fez igualmente com os demais da outra banda.
    Rever agora a história sob o ponto de vista de quem permaneceu do outro lado dos fatos, em época anterior, somente porque agora está no poder é rasgar o compromisso assumido. É não reconhecer que estão assim porque todos respeitaram o acordo efetivado. Rasgá-lo agora significa que voltamos todos ao momento anterior a promulgação da legislação que possibilitou trazê-los de volta a vida cotidiana.
    É então colocá-los de volta a clandestinidade, não reconhecê-los mais como indivíduos com direitos plenos. É encará-los de novo como terroristas, seqüestradores, assassinos, assaltantes de banco, etc. Porque também era isso que faziam. Os perdedores não editavam apenas poesia e delírios de felicidade do socialismo fictício, como querem que os vejam agora. Matavam, executavam, também.
    Querem insistir nisso? Então vamos deixar claro que quem está no planalto deve deixar o cargo imediatamente e voltarmos à situação do dia imediatamente anterior ao da promulgação da Lei de Anistia, 27 de agosto de 1979. Sem ela quem está nos governando não estaria; não teria o menor reconhecimento. Se for pra rasgar vamos fazê-lo, mas rasgamos tudo!
    O então Ministro Pedro Malan disse uma frase, acho que foi ele, interessante: “No Brasil, até o passado é incerto”.

  3. Vera Lucia Paixao disse:

    Todos os crimes com situação de tortura e morte jamais deveriam prescrever…

  4. Gibran Shalom disse:

    Não adianta formar comissões se estas parecem-se como lobos debaixo de peles de ovelhas. Deixem os militares em paz. Olhemos para a violação de direitos humanos que acontece sob o pálio de prefeitos politiqueiros e seus programas cheios de princípios utópicos. Por exemplo, os que dizem que tudo está de conformidade com o que há de mais moderno “dos direitos humanos”, no atendimento aos que buscam o amparo de sua saúde. Rasguem suas fantasias de hipócritas…um carnaval não pode durar o ano inteiro. Não se precisa de comissões coisa nenhuma. Façam com que a corja do “golpe da seringa que os laboratórios particulares exigem que as pessoas que usam o SUS tragam para tirar seus sangues, do aparelho de ECG quebrado e que se espere o conserto, do ultrasom que mandaram não sei para onde para consertar, da ambulância que não tem…”, seja posta na cadeia. Brasileiros, testemunhemos sim, os mirabolantes “golpes” que forçam os pobres a correrem para os agiotas e tomarem dinheiros emprestados para pagar o translado de doentes sob extremadas urgência, ou da “injeção fantástica”, da peça do aparelho que quebrou e foi para São Paulo, por isso o SUS não paga…e nessa orgia que desvirgina a lei de sua pureza…ficam os pobres enganados e como errantes, restam somente chorar, por antecipação, por seus direitos humanos que os desumanos em sagaz manobra, conseguiram provar ser a real verdade, a intronização social e espiritual suprema Mentira Nossa de Cada Dia.

  5. Marcus Siegfried de Moura disse:

    A esquerda não tem coragem de admitir em público que nunca lutou pela democracia, mas para implantar uma ditadura comunista no Brasil, como a chinesa ou cubana. Se eles ganhassem o povo sairia de um governo de direita e cairia numa ditadura totalitária de esquerda, sem direito às suas propriedades entre outras perdas. Pretendiam criar uma área desmembrada do Brasil no Araguaia, como as FARC o fazem hoje na Colômbia. Nossos militares salvaram o Brasil do comunismo, e a esquerda stalinista de Dilma, Tarso, Franklin e Vanucchi não quer que suas traições e terrorismo sejam julgados também.

  6. Dorival Silva disse:

    O Marcus tem toda a razão. Só acrescentando um detalhe: hoje em dia a imprensa, dominada pela esquerda, nos passa a informação de que essa turma foi para a “luta armada” para combater a “ditadura”. Isso não é verdade: está amplamente documentado que eles já estavam sendo treinados em Cuba antes do golpe militar de 1964, ao mesmo tempo que Julião e suas ligas camponesas preparavam a revolução no Nordeste. O golpe militar veio, com pleno apoio da Igreja e da classe média, para combater esses complôs de esquerda.

  7. EDSON disse:

    O certo é que o presidente LULA está com uma batata quente que joga de uma mão para a outra sem conseguir esfriar o tubérculo,enquanto o conteúdo do projeto de criação da comissão da Verdade não está posto para o debate da sociedade que,afinal,poderá participar do que venha a se construir a comissão da Verdade.A verdade é algo abstrato quando se trata da apuração de um fato,porque sobre a ocorrência de um fato poderão ser articuladas tantas versões quantas sejam dos interesses das partes envolvidas.Ouvi dizer que Jesus Cristo foi indagado do que era a verdade.Consta que o Divino Mestre ficou em silêncio…Em outra passagem,possivelmente bíblica,estaria escrito:”Averdade vos libertará.”Dos pecados? Das culpas? Para alcançar a verdade e vivê-la com sinceridade,é preciso ouvir e sentir do tribunal da própria conciência a descrição da nosso comportamento face a ética,os principios da moralidade e a grandeza ou a mesquinhez de nossos atos ou de nossas ações.Aconteceu uma lei da Anistia,com o mínimo que o poder militar podia dar e o máximo que os presos e os asilados politicos podiam aspirar;o objetivo era pacificar a família brasileira.Aconteca que muita coisa ficou para ser esclarecida.Coisas que poderiam ter sido desde há muito expostas como verdades se tivessem sido abertos os arquivos do regime milirar.Os segredos criaram suspeitas,as dúvidas cresceram e o sentimento de impunidade dos vencedores criou situações que não se explicam,ante as lembranças das famílias que perderam seus filhos,os pais de seus filhos e as mães de seus filhos.Vamos esperar que o projeto de criação da Comissão da Verdade seja um complemento,um esclarecimento dos fatos marcados pela violência contra os direitos da criatura humana.Como instrumento de revanche,será um desastre na rota do regime democrático.Vindo como esclarecimento dos fatos verdadeiros,será mais um feito para solidificar a estrutura do Estado de Direito,perante o qual a lei está acima dos que se julgam poderosos,ainda que tenha agido fora da lei…

  8. Roberto Santiago disse:

    “O bode na sala”

    O “affaire” atual sobre a tal “Comissão da Verdade”, do tão decantado “Programa Nacional de Direitos Humanos” me faz lembrar a famosa historieta “O bode na sala”, a qual relata a esperteza de um rei que, ao receber um súdito que lhe pedia uma ajuda para melhorar as suas agruras, aproveitou a ocasião para melhorar a sua imagem perante a vassalagem. O rei espertalhão prometeu ao infeliz que iria de imediato “resolver aquele pequeno problema”, e, matreiro, cumpriu a palavra e logo no outro dia mandou-lhe um “presente”: uma enorme caixa, para ser entregue na casa do súdito. Quando o “presente real” chegou, a família toda ficou numa alegria só, e trataram logo de abrir a caixa.

    Que surpresa! Assim que a caixa foi aberta pulou de dentro um enorme bode preto, que foi logo destruindo tudo que encontrava pela frente. E os poucos pertences do súdito ficaram em frangalhos. O indigitado, com a ajuda de toda a parentada, tratou logo de prender o animal novamente e voltar à presença de “Sua Majestade”, desta vez para pedir que mandasse buscar o “presente” de volta.

    O final e o moral da historieta todos sabem. E é justamente isso que um certo “cara” muito esperto faz agora com as Legiões.

    Como astuta serpente, que há muito espreita a sua presa, ele viu na recente “Conferência do Clima” — para a qual se acompanhou de mais de 700 (SETECENTOS!!!) “cumpanhêros”, que apenas aproveitavam o momento para fazer um agradável tour na bela Copenhagen às custas dos nossos suados impostos — a ocasião tão esperada para “dar o bote” sem medo de errar, ou, como o populacho diz, “sem medo de ser feliz”.

    Assim, não teve dúvidas, dando todas as orientações necessárias sobre o assunto mandou seus “pau-mandados” redigirem um documento que, intencionalmente, provocasse celeuma. Para o “cara”, o “caminho das pedras” é provocar discórdia, gerar contendas e promover argumentos para “endeusar” a “cumpanhêra” candidata perante a opinião dos eleitores.

    O estratagema armado surtiu efeito — e não poderia ser diferente. Para as Legiões e seus comandantes só haveria uma opção: espernear… ou não espernear. Mas qualquer das reações seria bem-vinda. O “cara” é mesmo ladino!

    Para um observador atento, a idéia do “cara” poderia gerar duas consequencias, mas ambas previstas e desejadas por ele e sua troupe:

    Cenário 1: no caso de haver reação, como houve dos comandantes, permanecendo a tropa apenas desconfortável e expectante — neste caso, o “general de faz-de-conta”, devidamente orientado, reage, para “ficar bem na foto” com a tropa —, o “cara” passa a demonstrar “grande surpresa”, como se de nada soubesse (outra vez??). E de imediato cria o factóide de que “assinou em meio à Conferência do Clima, não tendo atentado para os detalhes do documento” – esse é o oportunismo da serpente -, e informou que “irá pedir alterações no mesmo”, ressaltando que “o governo não tem interesse em provocar os militares” – esse é o mimetismo da serpente -. O manhoso “cara”, para ganhar tempo, aumentando o desconforto das Legiões que aguardam o desenrolar dos fatos e aproximar mais o período das eleições, vai “empurrando de barriga” o “pepino” deliberadamente criado e adubado. Para ele, quanto mais tumulto, melhor. A mídia amestrada divulga, e o povão, apalermado, fica achando que o “cara” é que está sendo pressionado pelos militares, e que estes, sim, é que são os “vilões torturadores” dos “coitadinhos democratas”. Ponto para o “cara”!! E votos para a “cumpanhêra”!! O “cara” juntou a fome com a vontade de comer!!

    Cenário 2: no caso de não haver reação, isto é, se nem os comandantes nem as Legiões se pronunciassem, o “cara” continuaria “rindo de orelha a orelha”, pois a tropa iria achar que os seus superiores não teriam reagido por medo ou, talvez, por reconhecer um “mea culpa”, merecendo qualquer “castigo” advindo. A tropa, assim, ficaria mais do que desconfortável, ficaria atônita, sentindo-se abandonada, e, obviamente, poderiam surgir conflitos com o seu comando maior, gerando mais desgaste para as Legiões, o quê sempre é desejável pela ótica vesga ora dominante. A mídia amestrada também divulgaria, e o povão, apalermado, tambem ficaria achando que o “cara” é que está sendo pressionado pelos militares, e que estes, sim, é que são os “vilões torturadores” dos “coitadinhos democratas”. Conclusão, mesmo nesta segunda hipótese, novamente: Ponto para o “cara”!! E votos para a “cumpanhêra” candidata!! O “cara”, da mesma forma, atingiria o seu objetivo juntando a fome com a vontade de comer!!

    “Eureka!”, agora só falta o maquiavélico gran finale, muito bem pensado e estudado com toda atenção pelo “cara”. Como prometeu, talvez ele inicie a “solução” para abril de 2010, mas, certamente, não terá nenhuma pressa em concluir os seus “estudos” para “resolver” a pendenga… quanto mais tempo decorrer, melhor, pois a mídia amestrada dará combustível para que a fogueira não se extinga logo. E, depois de “longos estudos”, debates e consultas aos seus áulicos, o “cara”, finalmente, proporá “revisões” no texto do tal documento, “atendendo” os “anseios de ambas as partes”. Aí o “cara” assumirá a postura costumeira de “bom moço”, de “salvador da pátria”, perante a opinião pública… e em outras palavras, o “cara” apenas tirará o bode que ele mesmo colocou na sala! E, novamente: Ponto para o “cara!! E votos para a “cumpanhêra”!! O “cara” atingirá o seu objetivo!!

    O “cara”, é ou não é “o cara”?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *