Início » Brasil » Maia pede cautela na análise sobre reajuste do salário mínimo
FIM DO AUMENTO REAL

Maia pede cautela na análise sobre reajuste do salário mínimo

Presidente da Câmara diz que é preciso avaliar o impacto do aumento real, antes de tomar uma decisão diferente do governo, que prevê apenas a correção inflacionária

Maia pede cautela na análise sobre reajuste do salário mínimo
Governo propôs um salário mínimo de R$ 1.040, um aumento de R$ 42 em relação aos atuais R$ 998 (Foto: Fabio Pozzebom/ABr)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu cautela na análise da proposta de reajuste do salário mínimo, sem aumento real, divulgada pela equipe econômica do governo Bolsonaro.

A proposta, prevista no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020, prevê o salário mínimo para 2020 será reajustado com correção apenas pela inflação, sem ganho real (acima da inflação). Dessa forma, o governo abandonaria a fórmula para o reajuste adotada em 2011, que, além da correção inflacionária, inclui na conta do reajuste o crescimento da economia.

Em entrevista à Agência Câmara, Maia afirmou que é preciso analisar o impacto da política de aumento real em longo prazo, antes de antes decidir por uma valorização do salário mínimo acima das condições do orçamento público.

“Vivemos uma crise fiscal muito grande, tudo que o Parlamento puder fazer para valorizar os brasileiros é importante e a gente precisa fazer. Agora, qualquer encaminhamento populista gera um benefício no curto prazo, e prejuízo no longo prazo”, disse o deputado.

Maia disse que a proposta será analisada com frieza equilíbrio pelos parlamentares para evitar uma decisão precipitada, citando como exemplo a interferência do Planalto no aumento do óleo diesel, que gerou à Petrobras uma perda de R$ 32 em valor de mercado.

“Vamos avaliar a decisão do governo junto dos parlamentares. Vamos ter frieza, paciência e equilíbrio para decidir no médio e longo prazo. Tomar uma decisão diferente do governo no curto prazo pode ser uma decisão correta, mas no médio e longo prazo pode ter impacto negativo e o resultado ser pior do que uma mudança na regra proposta pelo governo”, disse o presidente da Câmara.

Divulgada na última segunda-feira, 15, o projeto da LDO propõe um salário mínimo de R$ 1.040 para 2020 – um aumento de R$ 42 em relação aos atuais R$ 998. Já para 2021 e 2022, o valor seria de R$ R$ 1.082 e R$ 1.123, respectivamente.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Luís Inocêncio disse:

    Por acaso o Sr. Maia ‘avaliou com cautela’ abrir mão do auxílio terno, escritório, veículo, alimentação, etc que recebe além de seu gordo salário? É muita cara de pau vir falar do impacto que um real de aumento causa nos cofres públicos, quando apenas um “Maia” custa quase um bilhão por ano.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *