Início » Internacional » Maoístas matam 29 políticos na Índia
Terrorismo

Maoístas matam 29 políticos na Índia

Massacre marca uma mudança indesejada e provavelmente contraprodutiva nos métodos do grupo comunista

Maoístas matam 29 políticos na Índia
O político Mahendra Karma era o principal alvo do atentado de sábado (Reprodução/AFP)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os maoístas radicais da Índia , os chamados naxalitas, que alegam combater o Estado em nome de povos tribais para dar início à próxima revolução comunista, mataram pelo menos 29 congressistas do partido governista e líderes políticos do estado de Chhattisgarh em uma emboscada no último sábado, 25.

O fato de que as vítimas eram políticos em campanha e que tantos foram mortos de uma só vez representa uma mudança na estratégia do grupo comunista, tendo em vista os episódios anteriores de violência entre grupos paramilitares e a polícia na Índia. O principal alvo dos maoístas era Mahendra Karma, um político conhecido em Chhattisgarh, um estado rico em recursos minerais. Karma foi comunista na juventude, mas virou um parlamentar no Congresso, e é acusado de cumplicidade com empresas corruptas responsáveis por saquear áreas tribais de Chhattisgarh em busca de madeira e as riquezas minerais do estado. Karma também foi  o homem  responsável por uma força vigilante conhecida como Salwa Judum, em 2005, que armava aldeões tribais para atacar maoístas.

A morte de Mahendra Karma até poderia ter sido compreendida por parte da população de Chhattisgarh, mas os assassinatos do líder do Congresso estatal e de seu filho, ambos mortos  a tiros, provocou indignação. Outras vítimas foram espancadas, esfaqueadas e torturadas antes de serem mortas.  Um líder do Congresso octogenário, o ex-ministro da Índia, Vidya Charan Shukla, foi baleado três vezes, mas sobreviveu e foi levado ao hospital com vida.

Para os maoístas, o massacre marca uma mudança indesejada nos métodos do grupo. “Esta não foi uma guerra de classes, foi assassinato”, sentenciou um burocrata em Chhattisgarh. Apresentando-se como um exército, os maoístas costumavam ser  relativamente criteriosos na escolha de seus inimigos, poupando, sempre que possível, os civis durante suas batalhas. O massacre deliberado de mais de duas dezenas de civis desarmados no sábado é algo inédito e provavelmente contraprodutivo para o movimento. O ataque une a maior parte da população da Índia contra o grupo.

 

Fontes:
The Economist - A New Terror

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. DRAGAOFORTE disse:

    Se essa moda pegasse por aqui!!!! HUUUHÚ Os corpos teriam que ser cremados ou enterrados em valas comuns!!!!!!!!!!!!!!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *