Início » Sem categoria » México tenta tirar proveito do NAFTA
AMÉRICA DO NORTE

México tenta tirar proveito do NAFTA

Crise na economia norte-americana prejudicou as exportações, mas país pode fazer o Tratado funcionar a seu favor

México tenta tirar proveito do NAFTA
Economia mexicana depende da exportação de bens manufaturados para os EUA (Fonte: Bloomberg)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No momento são apenas alguns hectares de lama nas cercanias de Monterrey, uma cidade industrial no norte do México. Logo, a lama dará lugar ao “Interpuerto”, uma zona aduaneira que levará bens aos Estados Unidos com mais velocidade por meio de duas linhas ferroviárias e de estradas que serão conectadas. A meta do projeto de US$ 2 bilhões, financiado pelo governo estadual de Nuevo León e investidores privados, é permitir que as cargas driblem as longas filas na fronteira, 240 km ao norte.

Projetos como o Interpuerto são importantes para o México, cuja economia depende da exportação de bens manufaturados para seu grande vizinho. Apesar do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) ter sido ratificado em 1993, as exportações do México para os Estados Unidos já foram superadas pelas da China.

A crise financeira e a recessão norte-americana foram um golpe ainda maior: uma queda nas exportações (que diminuíram em 25% no primeiro semestre de 2009, em comparação com o ano anterior) ajudou a levar a economia mexicana à recessão. A recuperação está em andamento, mas – de acordo com pesquisas recentes – os mexicanos continuam suspeitando de seu futuro econômico. E o setor empresarial mexicano teme ainda a “guerra cambial” que assola o planeta: o peso está aumentando seu valor em relação ao dólar e ao yuan, graças às injeções de capital.

No entanto, o cenário do comércio mexicano é melhor do que parece, e o país teve menos prejuízos que o resto do mundo, em 2009, se recuperando rápido de sua queda nas exportações. O país teve um aumento em sua participação no mercado norte-americano, que chegou a 12,2% – o índice mais alto desde a criação do NAFTA. A expansão chinesa acabou tirando o lugar de outros países, incluindo o Canada, o terceiro membro do NAFTA (veja o gráfico abaixo).

A resiliência mexicana revela várias vantagens. A proximidade geográfica se tornou mais valiosa com o aumento nos preços do petróleo e dos transportes. O NAFTA isenta o México das violentas tarifas impostas aos exportadores chineses, e seus produtos embora tenham um custo maior que os dos chineses, acabam chegando aos mercados com preços menores. O efeito do Tratado também está concentrando a produção de automóveis menores no México. A indústria automobilística do país está exportando mais do que nunca, e, de acordo com o governo, as montadoras anunciaram um investimento de US$ 4,4 bilhões nos próximos quatro anos.

Ainda que o México continue a ganhar o mercado ao norte da fronteira, esse crescimento estará limitado pelo fraco crescimento econômico dos Estados Unidos, o que mostra que todo o esforço mexicano não está sendo aproveitado da melhor maneira. O Interpuerto ainda não tem permissão norte-americana para cumprir seu papel. A maneira mais fácil seria deixar que membros do governo norte-americano realizassem as vistorias em solo mexicano, mas isso despertaria a ira nacionalista dos políticos mexicanos.

Mais de 15 anos depois do NAFTA, a missão do México é tirar a maior vantagem possível do Tratado – e ir além dele. Uma economia norte-americana abalada pode ser um grande incentivo.

Fontes:
Economist - Mexico's economy: Bringing NAFTA back home

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *