Início » Vida » Ciência » Nasa estuda aranhas sob o efeito de drogas
Teias alucinógenas

Nasa estuda aranhas sob o efeito de drogas

Para a surpresa dos pesquisadores da Nasa, das substâncias químicas testadas, a cafeína foi a que mais prejudicou a capacidade das aranhas de construir teias

Nasa estuda aranhas sob o efeito de drogas
Aranhas injetadas com maconha ou LSD fizeram teias melhores do que aranhas injetadas com cafeína (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em 1995, um grupo de cientistas da NASA testou os efeitos de várias drogas na capacidade de uma aranha comum de construir sua teia. Especificamente, eles injetaram as aranhas com altas doses de cafeína, maconha, anfetamina e hidrato de cloral (um sedativo forte) e depois analisaram ​​suas teias para descobrir quais drogas mais prejudicaram a capacidade das aranhas de construí-las.

Para a surpresa dos pesquisadores, a cafeína causou o maior dano de todas as substâncias testadas. A aranha sob o efeito da cafeína mostrou-se incapaz de criar até mesmo uma única célula organizada, e sua teia não mostrou nenhum sinal dos “cubos e raios”, que formam o padrão fundamental do design das teias.

Na prática, os pesquisadores argumentaram que as teias de aranha podem servir como um novo teste de toxicidade das drogas. Quanto mais tóxica a droga, mais ela deve afetar a capacidade de uma aranha de executar funções básicas (como a construção de sua teia). No documento final da pesquisa, os cientistas explicam: “As mudanças nas teias refletem o grau de toxicidade de cada substância. Quanto mais tóxico o produto químico, mais deformada fica a teia da aranha sob seus efeitos em comparação com a rede convencional de uma aranha sóbria.

 

Fontes:
Clean Rocket - Nasa Studies Spiders Injected with Marijuana and Caffeine

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *