Início » Sem categoria » O alto preço dos protestos
Gráfico

O alto preço dos protestos

Além da Líbia, outros cinco países árabes sofreram em sua busca pela democracia

O alto preço dos protestos
Revoltas tiveram início na Tuinísia e se espalharam por vários países do mundo árabe

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Desde que as revoltas no mundo árabe começaram na Tunísia, em dezembro do ano passado, detalhes de cada uma delas – juntamente com a repressão dos governos ameaçados – foram amplamente detalhados pela mídia mundial e pelos próprios manifestantes. Mas calcular precisamente o número de vidas perdidas no processo é uma tarefa complicada, especialmente na Líbia. Grupos como a Anistia Internacional, que coletam números de baixas não tiveram acesso a partes do país, e tanto os rebeldes quanto as forças de Muammar Khadafi tendem a aumentar o número de baixas para dar mais credibilidade a suas causas.

Fora da Líbia, no entanto, grupos humanitários continuam relatando as mortes. A tabela abaixo lista o número de mortos em cinco países que registraram os piores índices de violência desde o início das revoltas. Ainda assim, como os números oficiais refletem apenas mortes registradas, os números verdadeiros podem ser muito maiores.

Fontes:
The Economist - "The price of protest, so far"

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. jayme endebo disse:

    Ainda vão morrer milhares e no máximo que vão conseguir é trocar as ditaduras, os povos árabes não sabem o que é liberdade e são faceis de manobrá-los policamente.
    A Liberdade democratica é inversamente proporcional às aspirações religiosas, ou seja quanto mais o povo for crente mais facil é ele se tornar massa de manobra.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *