Início » Notícia » OMS afirma que depressão é a doença mais incapacitante
Saúde emocional

OMS afirma que depressão é a doença mais incapacitante

Antes da virada do século, a Organização Mundial de Saúde previu que, em 2030, a depressão seria responsável por 9,8% do total de anos de vida saudável perdidos. Mas o número foi atingido 20 anos antes do esperado

OMS afirma que depressão é a doença mais incapacitante
Segundo a OMS, a depressão já é a doença, entre todas, que mais limita as pessoas (Reprodução / Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Organização Mundial de Saúde previu  antes da virada do século que em 2030 a depressão seria responsável por 9,8% do total de anos de vida saudável perdidos para doenças. Mas, o número foi atingido 20 anos antes do esperado, em 2010, e não há expectativas de melhora. Segundo a OMS, a depressão já é a doença, entre todas, que mais limita as pessoas.

Kofi Annan, ex-secretário geral da ONU abriu o seminário “A crise global da depressão” promovido pela revista britânica The Economist, em Londres, com o alerta de que cerca de 400 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão e que a doença os torna, muitas vezes, incapacitados. O número é bem alto, 7% da população global e os custos diretos e indiretos da doença chegam a R$ 2 trilhões. “A depressão coloca um enorme peso nas famílias dos atingidos e rouba da economia a energia e o talento das pessoas. Os custos da doença devem mais que dobrar nos próximos 20 anos”, disse Annan.

Este cálculo é sustentado por um estudo do Instituto de Psicologia Clínica e Psicoterapia da Tchnishe Universitaet de Dresden, na Alemanha. Entre 2001 e 2011, dados de 30 países foram analisados para medir o tamanho das doenças mentais e seus custos. O estudo revela que, apesar de as doenças da mente ser as mais limitadoras entre todos os tipos de doenças, a depressão individualmente, é a mais incapacitante.

As pessoas com depressão perder, em média, oito dias de trabalho por mês. O mal atinge  em maior parte as mulheres em seu período fértil e mais produtivo. Além disso, é uma doença familiar. Há implicações de transmissão de comportamento depressivo especialmente para filhos e isto pode acontecer, inclusive, durante a gestação.

Fontes:
Folha - Depressão já é a doença mais incapacitante, diz OMS

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Andréia Benutty disse:

    Tenho depressão a mais de 5 anos, iniciou-se depois de um assédio moral, em seguida de um assédio sexual, do qual, me senti tão incapaz que guardei por anos pra mim. Tive durante seus dois primeiros anos, tentativas de suicidio e diversas internações. Fui tratada com muitos medicamentos e ate hoje passo mensalmente com uma psiquiatra. Tenho crises horriveis, dores no peito, angustia, choros compulsivos e muito isolamento, me sinto triste, abandonada, irritada e fico muito agressiva. Trabalho na Segurança Publica de SP, ja me afastei diversas vezes do trabalho, mesmo trabalhando interna, tenho pavor de ir trabalhar, quando sei que tenho que voltar, entro em crises fortes, choro muito, tenho medo oque me faz me automedicar além do que ja tenho pra tomar de rotina. Sofro demais com tudo isso, ja perdi 5 anos da minha vida por causa de uma doença, que talvez tenha desencadeado algo pior em mim. Não vejo esperança em cura e sei que estou apenas um pouco melhor pelos medicamentos e nada mais!!!

  2. Priscila Heusner disse:

    Andréia, é indiscutível a eficácia dos medicamentos, mas você já tentou associá-los à psicoterapia? Um profissional capacitado para escutar poderia lhe auxiliar muito. A terapia é um processo de autoconhecimento, de expansão de pensamentos, onde o psicólogo pode te ajudar a enxergar possibilidades que talvez você hoje não enxergue sozinha, sempre respeitando seus limites e desejos. A depressão é uma doença por muitas vezes incapacitantes, mas com a ajuda certa você pode ter ganhos significativos. Não desista!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *