Início » Sem categoria » Rompimento de barragem é problema recorrente nos estados brasileiros
Alagoas e Pernambuco

Rompimento de barragem é problema recorrente nos estados brasileiros

Nos últimos quatro anos, cerca de oito represas racharam causando grandes prejuízos. Por Carla Delecrode

Rompimento de barragem é problema recorrente nos estados brasileiros
Alagoas depois das últimas chuvas

O rompimento da barragem Bom Conselho, em Pernambuco, demonstra um problema cada vez mais recorrente no Brasil: a má conservação das estruturas que deveriam manter grandes quantidades de água para uso posterior. As autoridades, no entanto, dizem que elas racham por não suportarem o grande volume de água das tempestades, o que é um paradoxo, já que a função da estrutura é exatamente o represamento da água. Nos últimos quatro anos, pelo menos oito barragens artificiais racharam ou romperam, causando prejuízos e mortes.

É o caso de Pernambuco e Alagoas, em que o rompimento da barragem Bom Conselho agravou os efeitos da chuva nos estados. A estimativa é de que a tragédia tenha atingido mais de 170 mil pessoas, matado mais de 40 e deixado mais de 1.200 desabrigadas, até o momento da publicação desta matéria.

O Opinião e Notícia listou alguns casos semelhantes, onde povos e regiões brasileiras sofreram com enxurradas decorrentes da quebra desses reservatórios.

Rio Grande do Sul

Após chuvas em cidades gaúchas, em janeiro de 2010, o rompimento da barragem Cafundó, da Usina Hidrelétrica Nova Palma, elevou o nível do Rio Soturno e agravou os problemas causados pelas enchentes na região. O rompimento ameaçou cidades como Faxinal do Soturno, Dona Francisca, São João do Polêsine e Agudo.

Pará

Em abril de 2009, outras três barragens romperam no Pará devido ao volume das chuvas. A enchente, que deixou 5 mil pessoas desabrigadas, fez a prefeitura da cidade de Almira decretar calamidade pública. As três barragens eram usadas em atividades agrícolas e estavam a 18 km do centro de Almira. A água dos reservatórios fez transbordar o rio Igarapé Altamira e do Rio Xingu, fazendo com que nove bairros fossem inundados.

Piauí

Na barragem de Algodões I, no município de Cocal, no Piauí, abriu-se uma rachadura de 50 metros, em maio de 2009, o que causou enxurrada nas cidades próximas. A inundação matou pelo menos cinco pessoas, deixou cerca de 2 mil desabrigadas e quase mil desalojadas. A água isolou boa parte da área litorânea do Piauí.

Rondônia

A quebra da barragem da Pequena Central Hidrelétrica Belém, em Vilhena, a 520 km de Porto Velho, em janeiro de 2008, fez a água cobrir parte da Floresta Amazônica e arrastar árvores de grande porte, segundo a Defesa Civil de Rondônia. O rompimento ameaçou inundar a cidade de Pimenta Bueno. Na época, houve alerta de que uma onda de dez metros atingiria a cidade.

Minas Gerais e Rio de Janeiro

Em janeiro de 2007, o rompimento da barragem do reservatório da mineradora Rio Pomba Cataguases, em Miraí, Minas Gerais, provocou uma enxurrada de água misturada com argila, contaminada por bauxita e sulfato de alumínio. A lama chegou a atingir 55 km de extensão e inundou três cidades mineiras, afetando o abastecimento de água do Rio de Janeiro. Mais de 100 mil pessoas na região fluminense ficaram sem água.

Rio Paraíba do Sul

Em março de 2006, uma barragem rompeu e arrastou 400 milhões de litros de lama para um rio que deságua em um dos afluentes do Rio Paraíba do Sul, que é responsável pelo abastecimento de água de 80% dos fluminenses. Houve alerta de que a lama provocaria problemas de abastecimento de água em algumas cidades.

Veja aqui como destinar donativos aos afetados pelas chuvas no Nordeste.

Fontes:
Globo.com - Pelo menos 600 pessoas seguem desaparecidas após enchente em Alagoas

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Markut disse:

    Pelo visto, o que a imprensa noticia como grandes chuvas, na realidade se trata de algo muito mais grave, que é a ruptura de uma barragem.
    É preciso deixar bem claro na notícia se se trata de uma calamidade da natureza , ou resultante de má gestão, descaso, desídia, incompetência .

  2. Maria Fernanda disse:

    Temos que estar atentos ao fato de que a imprensa oficial que se diz “neutra” quase sempre esconde a verdade da grande massa da população, que de maneira geral só tem acesso às notícias por meio desta. Tenho assistido aos principais telejornais e eles aos noticiarem os desdobramentos da tragédia de Pernambuco e Alagoas não fazer qualquer menção ao rompimento da barragem de Bom Conselho. A serviço de quem esta omissão está?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *