Início » Sem categoria » STF julga destino de reservas indígenas
Raposo Serra do Sol

STF julga destino de reservas indígenas

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta semana a legalidade da demarcação da reserva indígena Raposo Serra do Sol, em Roraima, área de 1,7 milhão de hectares na tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana.

Segundo reportagem publicada nesta terça-feira no jornal britânico Guardian, ativistas estão preocupados que a decisão do STF pode "significar um desastre para as comunidades indígenas em todo país", incentivando a "contínua invasão de mineiros, madeireiros e fazendeiros".

A reserva foi criada em 2005, por um ato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas a demarcação das terras foi contestada no STF.

Fontes:
O Globo - Destino de tribos da Amazônia está em julgamento no Brasil, diz Guardian

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

8 Opiniões

  1. carlos disse:

    Roraima vive um clima tenso e de pré-guerra, quando é que eu imaginaria que um dia estaria tão perto de um conflito que para mim era mais coisa de cinema. E o pior é que as pessoas que provocam este estado de terror estão na arquibancada assistindo e torcendo para o quanto pior melhor. A que saudade do meu tranquilo e hospitaleiro Roraima, ver brasileiros contra brasileiros me dói, me corta o coração, mais uma coisa eu garanto pra voces; se índios e padres, trabalhassem e pagassem impostos, garanto que nossa terra seria mais próspera e viveriamos em paz para sempre.

    7:59 AM

  2. EDVALDOTAVARES disse:

    AMANHÃ O STF DIRÁ SE O BRASIL VAI CONTINUAR DO MESMO TAMANHO. Onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) vão decidir e, o mundo saberá se o povo brasileiro merece um país deste “tamanhão” que "Papai do Céu" lhe deu. Raposa/Serra do Sol, ao noroeste de Roraima, terra riquíssima em variadas jazidas minerais, ambicionada pelas nações hegemônicas que manipulam os ingênuos silvícolas. Perniciosas entidades religiosas e organizações não-governamentais promovem clima de guerra na região para alcançarem os seus nefastos objetivos. Assinalo que devem ser entendidas da seguinte forma estas informações: 1,7 milhão de hectares = 17.000 Km2 e a faixa de segurança nacional de fronteiras = 150 Km , maior do que muitos estados brasileiros e países industrializados altamente desenvolvidos. Para aqueles que ainda não perceberam o quanto representa essa dimensão territorial vamos fazer uma comparação com alguns Estados brasileiros: Acre: 153.150 Km2; Ceará: 147.837 Km2; Santa Catarina: 95.443 Km2; Paraíba: 56.585 Km2; Rio de Janeiro: 43.910 Km2; Pernambuco: 98.938 Km2; Espírito Santo: 46.194 Km2; Alagoas: 27.933 Km2; Sergipe: 22.050 Km2; Rio Grande do Norte: 53.307 Km2 – a maioria desses Estados tem cifra populacional acima de milhões de habitantes, sendo que o Rio de Janeiro abriga mais de 13 milhões de pessoas. Comparação com países europeus: Áustria: 83.855 Km2 e população acima de 8 milhões; Bélgica: 30.519 Km2 e população acima de 10 milhões; Bulgária: 110.912 Km e população acima de 9 milhões; Dinamarca: 43.092 Km2 e população acima de 5,5 milhões; Grécia: 131.957 Km2 e população acima de 10 milhões; Holanda: 33.936 Km2 e população acima de 15 milhões; Hungria: 93.036 Km2 e população acima de 11 milhões; Irlanda: 70.283 Km2 e população acima de 4 milhões; Portugal: 92.072 Km2 e população acima de 10,5 milhões; Suíça: 41.293 Km2 e população acima de 7 milhões. Qualquer cidadão brasileiro dotado de bom senso, vê que ceder para reserva indígena uma gigantesca área de 170.000 Km2, com abundantes riquezas minerais, sem obedecer à faixa de segurança nacional de 15 quilômetros de largura na fronteira com a Venezuela e Guiana, totalmente despovoada e militarmente desguarnecida para um número insignificante de 15.000 índios e mestiços, aculturados, é um grande absurdo. O povo do Brasil confia na sua corte máxima de justiça e sabe amanhã será tomada a melhor decisão para o bem do país. BRASIL ACIMA DE TUDO! SELVA! EDVALDOTAVARES – MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  3. batista disse:

    A historia demonstra que quando os povos eram nômades guerreavam entre si; quando tinham territórios também guerreavam para sobrevivência do grupo, aumentar seus territórios escravizarem e se fortalecerem.As diferenças (étnicas e sociais), a ganância por riquezas e poder levaram a humanidades a vários conflitos, como atualmente. A unidade territorial da maioria dos grandes países orientais só conseguiu ser mantida através do emprego da força, da coerção e dos assassinatos em massa. Isso aconteceu no Brasil durante a colonização e acontece ainda nos países orientais e africanos. É histórico.Enquanto existir na humanidade ganância por riquezas e poder não haverá paz, independente de Paises, etnias, grupos de interesses ou bandos isolados. Nada garante que mesmo na hipótese de ser concedido a reserva a esses brasileiros(índios ou quilombos), futuramente as etnias poderão ou por ganância de alguns de seus membros (diamantes e outras riquezas) entrarem em conflitos, não com flechas, mas com armas mais letais com ajuda de certas “ONGs”, contrabandistas e outros grupos de interesses, provocando fugas em massa para Manaus e região.As riquezas do solo e mar deverão ser divididos para todos os brasileiros, sem discriminações, por empresas com maioria do capital brasileiro ou publico.A não exploração das riquezas do solo brasileiro e do mar afeta a Nação brasileira.Provavelmente com educação de qualidade para todos, a observância dos valores morais e patrióticos da maioria do povo, sem discriminações de distribuição de privilégios e impunidades; mídia e políticos responsáveis poderemos fortalecer a Nação Brasileira e viveremos com mais paz.
    Ao longo do século XX, o controle de territórios ricos em petróleo foi motivo de manobras diplomáticas e guerras que redesenharam o mapa do mundo. A História ensina que essa preocupação do governo brasileiro é sensata. Foi para garantir o acesso a uma rica fatia dos poços do Oriente Médio que o antigo Império Britânico criou o Iraque e o Kuwait e sustentou a unificação da Arábia Saudita. As guerras do Golfo, no final do século passado, foram motivadas pelo controle da mais rica área de produção de petróleo. Mas é ingênuo acreditar que o país possa se tornar uma potência sem ferir interesses.

  4. batista disse:

    A historia demonstra que quando os povos eram nômades guerreavam entre si; quando tinham territórios também guerreavam para sobrevivência do grupo, aumentar seus territórios escravizarem e se fortalecerem.As diferenças (étnicas e sociais), a ganância por riquezas e poder levaram a humanidades a vários conflitos, como atualmente. A unidade territorial da maioria dos grandes países orientais só conseguiu ser mantida através do emprego da força, da coerção e dos assassinatos em massa. Isso aconteceu no Brasil durante a colonização e acontece ainda nos países orientais e africanos. É histórico.Enquanto existir na humanidade ganância por riquezas e poder não haverá paz, independente de Paises, etnias, grupos de interesses ou bandos isolados. Nada garante que mesmo na hipótese de ser concedido a reserva a esses brasileiros(índios ou quilombos), futuramente as etnias poderão ou por ganância de alguns de seus membros (diamantes e outras riquezas) entrarem em conflitos, não com flechas, mas com armas mais letais com ajuda de certas “ONGs”, contrabandistas e outros grupos de interesses, provocando fugas em massa para Manaus e região.As riquezas do solo e mar deverão ser divididos para todos os brasileiros, sem discriminações, por empresas com maioria do capital brasileiro ou publico.A não exploração das riquezas do solo brasileiro e do mar afeta a Nação brasileira.Provavelmente com educação de qualidade para todos, a observância dos valores morais e patrióticos da maioria do povo, sem discriminações de distribuição de privilégios e impunidades; mídia e políticos responsáveis poderemos fortalecer a Nação Brasileira e viveremos com mais paz.
    Ao longo do século XX, o controle de territórios ricos em petróleo foi motivo de manobras diplomáticas e guerras que redesenharam o mapa do mundo. A História ensina que essa preocupação do governo brasileiro é sensata. Foi para garantir o acesso a uma rica fatia dos poços do Oriente Médio que o antigo Império Britânico criou o Iraque e o Kuwait e sustentou a unificação da Arábia Saudita. As guerras do Golfo, no final do século passado, foram motivadas pelo controle da mais rica área de produção de petróleo. Mas é ingênuo acreditar que o país possa se tornar uma potência sem ferir interesses.

  5. Demilson Alves Dias disse:

    Ola Pessoal do Sitio Opinião ,, na Verdade passei aqui para agradecer mais uma vez.. a todos voces da Equipe Opinião… Entrei recentemente com uma pesquisa sobre a polemica dermacação te terra indiginas… é um assunto que temos que todos unirmos para buscar uma solução adequada.. primeiro porque o indio não é estramgeiro,, e segunto porque os riscos de gurras entre os nosso proprios brasileiros é eminente… então resolvi pedir para voces lançar para o publico visitante desse sitio uma pesquisa… para a gente ter a opinião de todos … muito obrigado… a essa equipe maravilhosa.

  6. Demilson Alves Dias disse:

    Ola Pessoal do Sitio Opinião ,, na Verdade passei aqui para agradecer mais uma vez.. a todos voces da Equipe Opinião… Entrei recentemente com uma pesquisa sobre a polemica dermacação te terra indiginas… é um assunto que temos que todos unirmos para buscar uma solução adequada.. primeiro porque o indio não é estramgeiro,, e segunto porque os riscos de gurras entre os nosso proprios brasileiros é eminente… então resolvi pedir para voces lançar para o publico visitante desse sitio uma pesquisa… para a gente ter a opinião de todos … muito obrigado… a essa equipe maravilhosa.

  7. ROBERTO disse:

    OS BRASILEIROS SÃO INDIOS E BRANCOS E MULATOS ETC…NÃO A DISCRIMINAÇÃO, SIM A PROTEÇÃO INDIVIDUAL E CONSTITUCIONAL

  8. Demilson Alves Dias disse:

    O Presidente do Conselho Regional da Região Urbana do Anhanduizinho, Surgiriu durante a Reunião com Marcos Cristaldo secretario de Meio Ambiente e Urbanismo ,a Possibilidade de criar a Associação dos Vendedores de Ruas. Em sua sugestão ele relatou que o Municipio, erra ao expulsar os vendedores sem dialogo ou reunião, ele acredita que a saida é regulamentar, Sei que é dificil lidar com essa situação mas sabemos que as pessoas que estão ali vendendo seu salgado, sorvente ou outros produtos, são cidadões que trabalham e precisa ser respeitados, alguns atos que vem ocorrendo nos terminais de transporte coletivo, é contra os direitos humanos, vi com meus proprios olhos ação de barbaridades com vendedores, e isso me levou a repensar junto a sociedade um saida, para resolver esse impasse.
    Em Março de 2009 quando estive em Salvador observei que o projeto vendor legal tornou simbolo para a cidade, la tem pessoas uniformizadas, com crasha de indentificação e alvará de autorização para a venda dos produtos, sem restrinção publica.
    Mas para isso foi criada uma comissão que ficou responsavel pela elaboração de uma icubadora que sera a fornecedora dos produtos certificados para os vendedores, esse programa garante a qualidade dos produtos que são vendidos nas ruas e avenidas da cidades, e em local de grande agromeração publica…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *