Início » Sem categoria » Viagem de Barack Obama pode reacender discussões sobre a Caxemira
ÍNDIA

Viagem de Barack Obama pode reacender discussões sobre a Caxemira

Presidente prometeu resolução de conflito durante a campanha

Viagem de Barack Obama pode reacender discussões sobre a Caxemira
Obama está prestes a viajar para a Índia (Fonte: Times of the internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Será que Barack Obama, que está prestes a viajar à Índia para sua primeira visita oficial ao país, se verá obrigado a mencionar a Caxemira nos próximos dias? Os Estados Unidos se mantiveram fiéis à formula que tem funcionado nos últimos 60 anos: a de não se envolver, caso Índia e Paquistão busquem ajuda externa. Como a Índia não parece disposta a levar o problema a outras nações, tudo indica que os Estados Unidos continuarão a se manter longe do conflito.

No entanto, durante sua campanha presidencial, Barack Obama prometeu resoluções diplomáticas para o conflito. Ele levantou a possibilidade de enviar representante para encorajar uma resolução pacífica. Seu enviado ao Afeganistão e ao Paquistão, Richard Holbrooke, enervou os indianos cada vez que mencionou a Caxemira como um problema que afetava toda a região. Tudo isso pode ter sido esquecido nos preparativos da viagem de Obama, exceto os terríveis eventos de junho, no qual forças indianas mataram mais de 110 manifestantes separatistas da Caxemira que atiravam pedras contra policiais, e deixou um alto número de feridos.

A medida em que o inverno se aproxima na região, não há nenhum sinal claro de melhora. Recentemente, o governo fechou seus escritórios em Srinagar, a capital de verão, e enviou caminhões repletos de material de governo a Jammu, a capital de inverno. Isso poderia marcar o início de um período mais calmo no Vale da Caxemira, mas em alguns locais da região, as autoridades ainda sentem a necessidade de recorrer a toques de recolher, e por toda a região, líderes separatistas e nacionalistas promovem um amplo boicote aos negócios durante a maior parte dos meses.

A polícia e as forças de segurança, que permanecem em grande número nas ruas, continuam a ser recebidas com pedradas por jovens. A visita do ministro do interior e de três interlocutores “independentes” de Nova Deli não apaziguou os ânimos, e repercutiu negativamente entre os nacionalistas em outras partes da Índia. Há ainda a ansiedade por 2011. No último verão, os manifestantes da Caxemira não usaram armas mais perigosas que pedras, mas a raiva cresce entre a população jovem do local, e a cada morte e exemplos de brutalidade policial eles se tornam mais amargos e radicais.

O próximo verão pode ser mais violento. O povo da Caxemira está testemunhando as preparações para a retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão, e fazendo comparações com a retirada das tropas soviéticas no fim dos anos 1980, que inspirou os moradores da Caxemira a se armarem, levando aos conflitos do fim dos anos 1990.

As autoridades em Nova Deli também acompanham os eventos no Afeganistão de perto. Sinais de que o Talibã possa se aproximar do governo em Cabul preocupam os indianos, que associam o grupo à agência de inteligência paquistanesa ISI, constantemente acusada de fomentar o conflito na região da Caxemira. Essa situação se aproxima do maior problema de Obama no campo das relações exteriores: como sair do Afeganistão? Pelo menos de maneira privada, ele pode se sentir obrigado a usar a temida palavra com C.

Leia mais:

Apesar de economia forte, Índia sofre com falta de reformas

Líderes políticos da Caxemira sofrem com perda de credibilidade

Região da Caxemira volta a ser palco de confrontos

Fontes:
Economist - The K-word

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *