Início » Vida » Meio Ambiente » A influência da poluição no desempenho acadêmico
Poluição

A influência da poluição no desempenho acadêmico

As consequências das partículas tóxicas no meio ambiente

A influência da poluição no desempenho acadêmico
Cada aumento de cinco unidades nos níveis de PM2.5 diminui em O,O19% a chance de um aluno continuar os estudos (Reprodução/Internet)

Como avaliar o desempenho acadêmico? Os conservadores gostam de provas, quando um ano de estudos é testado em poucas horas de palmas des mãos suadas e pulsos doloridos. Os mais modernos preferem um sistema de “avaliação contínua”, no qual os alunos são avaliados pelo desempenho em tarefas maiores, ou com testes regulares por um período mais longo.

Um novo estudo oferece mais argumentos a favor de uma visão inovadora. Ele compara os resultados de alunos que fizeram o Bagrut, o exame final de conclusão do ensino médio em Israel, em 2000-2002, com os níveis das partículas finas (PM2.5) de poluição nos locais da realização das provas. As partículas tóxicas prejudicam o sistema respiratório, provocam crises de asma, além de afetarem o bom desempenho em diversas tarefas. Por esse motivo, com base na análise das oscilações dos níveis de desempenho, os autores concluíram o estudo, com a finalidade de comprovar a influência da poluição nos resultados das provas.

E conseguiram. O aumento de cinco unidades nos níveis de PM2.5, equivalente às partículas tóxicas presentes no centro da cidade, em comparação com os bairros situados na periferia, diminuía em 0,023% as notas dos alunos. Em tese esse percentual é minúsculo, mas algumas cidades em Israel têm um aumento dos níveis de PM2.5 de até 80% em poucos dias. Os meninos, que são mais propensos a terem asma do que as meninas, têm notas ainda piores, assim como jovens de famílias de baixa renda comparadas às com maior poder aquisitivo.

Cada aumento de cinco unidades nos níveis de PM2.5 diminui em O,O19% a chance de um aluno continuar os estudos, além de reduzir os salários mensais dez anos depois em uma média de 109 shekels ($29), uma redução de quase  2%. Nos alunos mais ricos o impacto é maior, porque os salários potenciais são mais elevados.

Fontes:
The Economist-Trouble with tests

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *