Início » Vida » Meio Ambiente » As estranhas parcerias na área de preservação ambiental
Meio Ambiente

As estranhas parcerias na área de preservação ambiental

Crescem as iniciativas de proteção ambiental pelo mundo e 193 países já criaram áreas de restrição para proteger o meio ambiente

As estranhas parcerias na área de preservação ambiental
Existem 209 mil áreas de conservação ambiental espalhadas pelo mundo (Foto: Reprodução/Economist)

Em 1872 Ulysses Grant, o décimo oitavo presidente dos Estados Unidos, propôs a criação do Parque Nacional de Yellowstone, o primeiro parque nacional do mundo, para “o benefício e prazer das pessoas”. Um século depois, as iniciativas de proteção ambiental surgem espontaneamente devido à preocupação com o meio ambiente. Hoje, 193 países têm 209 mil áreas de proteção ambiental, que cobrem 15,4% da superfície terrestre e 3,4% dos oceanos do mundo. Mas reservar uma área de recursos naturais não significa, em si, protegê-la. A manutenção exige recursos que, cada vez mais, estão sendo arrecadados de fontes inesperadas.

Em razão da dificuldade de muitos países em avaliar o valor real das áreas de proteção ambiental, a arrecadação de recursos para a preservação do meio ambiente é uma das primeiras vítimas de medidas de austeridade. Para complementar as verbas necessárias, Cristián Samper, executivo-chefe da World Conservation Society (WCS), defende a ideia de que a comunidade de preservação ambiental precisa buscar “parcerias criativas”. Mas, em alguns casos, essas parcerias são muito estranhas.

A reserva natural de 3 mil quilômetros quadrados de  Karukinka na Terra do Fogo, Chile, foi criada em novembro de 2004. O parque abriga as florestas mais antigas da região sul do mundo, a maior quantidade de guanacos do Chile e uma vida marinha riquíssima. Porém a criação desse parque natural é o fato mais curioso de sua história. Depois de adquirir ativos a preços bastante depreciados, o banco de investimentos Goldman Sachs doou a reserva em 2004 à WCS.

Mas nem todas as áreas de proteção ambiental beneficiam-se de doações tão generosas como a do Goldman Sachs; as parcerias em menor escala ou menos previsíveis também são bem-vindas. Em outubro, a Bat Conservation International, a proprietária de Bracken Cave, a caverna nos arredores da cidade de San Antonio, no Texas, com a maior concentração de morcegos no mundo, conseguiu o apoio da The Nature Conservancy de San Antonio e de fundações beneficentes locais para financiar seu projeto de recuperação e manutenção do terreno ao redor da caverna, além da preservação de diferentes tipos de fauna silvestre. Um consórcio comprou o terreno com os recursos de $10 milhões da cidade de San Antonio e de $5 milhões de doadores privados e de instituições beneficentes.

Fontes:
Economist-Protection money

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *