Início » Gráfico » As montanhas mais letais do mundo
Gráfico

As montanhas mais letais do mundo

Mais pessoas morreram tentando escalar o Everest do que qualquer outra montanha com mais de 8 mil metros de altura

As montanhas mais letais do mundo
Mais pessoas morreram nas encostas do Monte Everest do que em qualquer outra montanha (Reprodução/Nat.Geo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em 29 de maio de 1953 Edmund Hillary e Tenzig Norgay se tornaram os primeiros homens a escalar o Monte Everest nos Himalaias. Sessenta anos depois, o pico mais alto do mundo, com 8.848 metros de altura, não perdeu nada de sua majestade imponente, mas também não é tão ameaçador como outrora, uma vez que já foi escalado com sucesso por 5.654 alpinistas desde a escalada inaugural de Hillary e Norgay. Na semana passada Yuichiro Miura, um alpinista japonês de 80 anos, tornou-se a pessoa mais velha a alcançar o topo e depois descer com
segurança. O mais jovem tinha 13 anos.

A montanha, no entanto, continua a representar um desafio letal: 223 pessoas morreram em suas encostas ao longo das décadas, mais do que qualquer outra montanha com mais de 8.000 metros de altura. Ao observar-se a taxa de mortes por retornos seguros, no entanto, o Everest e seus irmãos menores e menos populares dos Himalaias tendem a ser muito mais letais.

Para cada três esportistas radicais que sobrem e descem o Annapurna I, um morre na tentativa, de acordo com dados de Eberhard Jurgalski, do site 8000ers.com, reunidos em seu livro “On Top of The World: The New Millenium”, escrito em parceria com Richard Sale. Isso explica porque a menos popular das 14 montanhas com mais de 8.000 metros de altura teve apenas 182 retornos seguros. Isso apesar de ter sido o primeiro de tal classe de montanhas a ter sido escalada, no dia 3 de junho de 1950 por Maurice Herzog e Louis Lachenal.

*Texto traduzido e adaptado da Economist por Eduardo Sá

Fontes:
The Economist - Stairway to Heaven

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. wandereley f.silva disse:

    EU NUNCA ENTENDI O IDEAL DO ALPINISTA,.É JOGAR A VIDA NUM ESFORÇO SOLITÁRIO SEM GLÓRIA.
    GLÓRIA É O RECONHECIMENTO GERAL COM INÚMERAS ENTREVISTAS MÍDIA QUE PODERÁ RENDER UM LIVRO OU UM FILME.OU OS DOIS.
    MOTIVOS ADMISSÍVEIS PARA UMA JORNADA ALPINISTA.
    —FÉRIAS CONJUGAIS DE UM CASAMENTO TORMENTOSO.
    —SOGRA INSUPORTÁVEL.
    —COTIDIANO TEDIOSO
    —TENDÊNCIA IRREFREÁVEL POR AVENTURA.
    MARIDO DESISTE DA JORNADA E DESFAZ DE SEU APARATO NA GARAGEM E ENTRA SOB OS COBERTORES AQUECIDO PELA ESPOSA.
    ESPOSA—COMO ESTÁ O TEMPO LÁFORA?
    RECÉM-CHEGADO- CHUVOSO E COM PREVISÃO PARA PIORAR
    ESPOSA SONOLENTA– E O IDIOTA DO MEU MARIDO VAI SUBIR O HIMALAIA POR QUINZE DIAS.
    ALPINISTA É O AMIGÃO DO ROBERTÃO.

  2. Sálvio Pessoa disse:

    Não são as montanhas que são letais. Letais são a vaidade, o desejo de chamar a atenção sobre si e ânsia de afirmação pessoal de certas pessoas que precisariam mais de subir espiritualmente do que subir nas montanhas.

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    Esse povo deve gastar uma nota para chegar ao topo, portanto segue uma sugestão: se reúnam, façam uma vaquinha e comprem um helicóptero, em poucos minutos chega lá e gritem o nome de seus países. Comprem o CD de Jessiê Quirino e escutem a história do cara que sobe, sobe, sobe, sobe, sobe e para dizendo com voz ofegante, estou cansado, meus lábios estão cortados e só falta poucos metros e sobe, sobe, sobe, sobe e chega lá em cima de grita BRASIL e depois desce, desce, desce, desce, desce

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *