Início » Vida » Ciência » Cinco grandes contribuições de Stephen Hawking à humanidade
GÊNIO

Cinco grandes contribuições de Stephen Hawking à humanidade

O físico britânico morreu na última semana, mas deixou diferentes trabalhos como legado às futuras gerações

Cinco grandes contribuições de Stephen Hawking à humanidade
Stephen Hawking foi considerado um dos cientistas mais influentes desde Einstein (Foto: Jim Campbell/Aero-News Network)

O mundo se despediu da brilhante mente do físico britânico Stephen Hawking, que morreu aos 76 anos, na última semana. Porém, apesar de lutar contra a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) desde os 22 anos, com todos os médicos afirmando que ele morreria ainda jovem, Hawking deixou a sua marca no mundo.

O britânico foi considerado um dos cientistas mais influentes desde Albert Einstein, sendo visto como uma das principais mentes do fim do século XX e início do século XXI. Em sua homenagem, diferentes documentários e filmes foram lançados, entre eles o famoso e premiado “A Teoria de Tudo”, de 2015.

Além disso, Hawking lançou diferentes livros, estudou inúmeras teorias e ajudou a desenvolver pensamentos de cientistas que antecederam o seu tempo. A rede BBC destacou as cinco maiores contribuições do físico para o mundo.

1 – Buracos negros

Ao falarmos do universo, um dos assuntos mais conhecidos são os buracos negros, que são forças tão intensas que nem mesmo a luz consegue escapar delas. Stephen Hawking, que dedicou toda a sua vida ao estudo das leis universais, não pôde ignorá-los, com muitos dos teoremas estudados e desenvolvidos pelo físico britânico sendo ligados ao assunto.

Os estudos sobre os buracos negros são do século XVIII, mas foi a Teoria Geral da Relatividade, de Einstein, que ajudou a entender melhor o seu funcionamento: quanto maior a massa corporal, maior a deformação do espaço-tempo e, por isso, a força da gravidade se torna maior.

“Se você cair em um buraco negro, não desista. Existe uma forma de sair de lá. Eu acho que minha maior conquista será [mostrar] que os buracos negros não são completamente negros”, afirmou Hawking ao longo de sua vida. Nos anos 1970, o físico usou como base os estudos de Einstein para afirmar que os buracos negros não retêm tudo dentro deles, descrevendo a evolução do fenômeno sob a perspectiva da física quântica.

2 – Radiação Hawking

Segundo Hawking, a física quântica ajuda a entender como os buracos negros são capazes de emitir energia, perder matéria e desaparecer. Essa afirmação é baseada na Radiação Hawking, na qual o físico explica que as partículas ficam no horizonte dos buracos negros ou em suas fronteiras.

“Um buraco negro levaria muito tempo para evaporar dessa maneira, mas em seus últimos anos, Hawking disse que ele expiraria em uma explosão de energia equivalente a um milhão de megatons de bombas de hidrogênio”, apontou o repórter de Ciências da BBC Roland Pease.

Quando o Grande Colisor Elétron-Pósitron (LHC) foi inaugurado na Suíça, em 2008, havia a expectativa que miniburacos negros seriam criados e Hawking poderia comprovar a sua teoria na prática. Mas o LHC não permitiu que a teoria fosse confirmada.

3 – O Big Bang

A teoria do Big Bang foi desenvolvida nos anos 1940, mas não foi bem aceita por todos os cientistas que estudavam o Cosmos. Dessa forma, com os seus trabalhos sobre os buracos negros, e em parceria com o matemático Roger Penrose, Hawking desenvolveu a teoria de que o Big Bang era o buraco negro ao contrário.

“Enquanto outros pesquisadores lutavam para descrever um breve momento na vida de uma molécula usando leis quânticas, Hawking [juntamente com o físico James Hartle] mostrou que era possível encapsular a história de todo o Universo em uma única equação matemática”, afirmou Penrose, que revelou que a equação era conhecida como “Estado de Hartle-Hawking” ou “função de onda do universo”.

O físico britânico acreditava que nenhuma lei da física se aplicava até a ocorrência do Big Bang, com o Universo evoluindo independentemente do que existia anteriormente. Além disso, Hawking atribuiu, de forma ousada, a Teoria da Relatividade de Einstein ao surgimento do espaço e tempo no Big Bang e seu fim nos buracos negros.

“Einstein estava errado quando disse que ‘Deus não joga dados’. A existência dos buracos negros sugere não apenas que Deus brinca de dados, mas também nos confunde ao jogá-los onde não podem ser vistos”, destacou Hawking no livro A Natureza do Espaço e do Tempo, publicado em 1996.

4 – A Teoria de Tudo

Em seu livro A Teoria de Tudo, homônimo a teoria, Hawking afirmou que o Universo evolui com leis bem definidas. Para falar sobre o assunto, o físico lembra de Aristóteles, que afirmou que a Terra era redonda, e da lei de Hubble, que surgiu depois de mais de 2 mil anos, mostrando que o Universo seguia em constante expansão.

“‘Até onde vamos – e haverá um final? E se for assim, como terminará?’ Se encontrarmos uma resposta para isso, será o maior triunfo da razão humana, porque conheceríamos a mente de Deus”, destacou em Uma Breve História do Tempo, publicado em 1988.

5 – Breve história do tempo

Com mais de 10 milhões de cópias vendidas no mundo todo, o livro Uma Breve História do Tempo foi um dos maiores sucessos populares de Stephen Hawking. Tendo a noção de que as vendas não refletiam que todos os leitores iriam ler a obra completamente, o físico britânico lançou, anos mais tarde, uma versão mais leve.

O livro, apesar de complexo, carregava parte dos conceitos de Hawking, tentando difundir a cosmologia para que todos pudessem saber mais a respeito do assunto.

O físico britânico nunca ganhou um Prêmio Nobel – pelo menos não ainda -, mas tinha o seu talento reconhecido por conseguir caminhar e combinar diferentes campos da física, como a teoria quântica, a cosmologia, a teoria da informação, a gravitação e a termodinâmica.

Fontes:
BBC-Cinco grandes contribuições que Stephen Hawking deu à Ciência

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Nilson Bennoti disse:

    Li os livros do Hawking. Não entendi nada. Se alguém entendeu por favor me explique.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *