Início » Vida » Ciência » Como o pterossauro capturava o seu jantar
Comportamento animal ancestral

Como o pterossauro capturava o seu jantar

Simpósio Internacional de Pterossauros no Rio de Janeiro discutirá como um dos répteis voadores mais peculiares do Jurássico ganhava a vida

Como o pterossauro capturava o seu jantar
Anurognathus e seus parentes singravam os céus à cata de insetos (Reprodução/Economist)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A paleontologia, ao tentar elucidar o comportamento de animais extintos há muito tempo, é um campo cujos praticantes nunca podem provar suas hipóteses irrefutavelmente. Mas isso não faz com que eles não tentem fazê-lo. O último esforço, que será apresentado no fim deste mês pelo Simpósio Internacional de Pterossauros no fim do mês no Rio de Janeiro, é uma tentativa de Michael Habib, da Universidade da Califórnia do Sul, de descobrir como um dos répteis voadores mais peculiares do Jurássico ganhava a vida.

Os Anurognathus e seus parentes são conhecidos há 90 anos. Eles eram do tamanho de um andorinhão e até agora se considerava que eles, assim como os andorinhões, singravam os céus à cata de insetos. O Dr. Habib e o Dr. Hilton creem que isso está errado. Eles suspeitam que os Anurognathus ficavam no solo, imóveis à espera de sua presa, e em seguida alçavam voo com a intenção de interceptar o seu alvo, como um míssil terra-ar.

Eles chegaram a essa conclusão ao comparar o Anurognathus com 36 pássaros e 20 morcegos do Instituto Smithsonian em Washington, DC.

Usando uma mistura de tomografia computadorizada e compassos de espessura, eles avaliaram os comprimentos, larguras, espessuras, densidades e flexibilidade dos ossos dos animais contemporâneos e os compararam àqueles dos fósseis do Anurognathus.

A boca dos Anurognathus, verificou-se, era similar à boca dos bacuraus, que também atacam suas presas a partir do solo (embora também as cacem em rondas aéreas). Ademais, as pernas e asas dos pterossauros eram mais fortes que as de qualquer pássaro ou morcego, o que reforça a ideia de que eles podiam alçar voos rapidamente. A conclusão deles é que o que os Anurognathus de fato se alimentavam pelo método de esperar a presa no solo e então decolar em seu encalço – e provavelmente o faziam de modo mais eficiente que qualquer outra criatura viva.

 

*Texto traduzido e adaptado da Economist por Eduardo Sá

Fontes:
The Economist-Jurassic lark

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *