Início » Vida » Ciência » O papel da genética no comportamento agressivo
Pesquisa

O papel da genética no comportamento agressivo

Mais evidências mostram que determinados genes estimulam a violência

O papel da genética no comportamento agressivo
Estudo reforça a tese de que determinados genes podem instigar a violência (Reprodução/Internet)

O determinismo genético é um dos temas científicos mais polêmicos, sobretudo, quanto aos genes que influenciam o comportamento. Estudos realizados em crianças adotadas, em especial em casos de gêmeos adotados logo após o nascimento por pais diferentes, sugerem que algumas características comportamentais são hereditárias. No entanto, geneticistas têm tido dificuldade de identificar os genes específicos cujas variações, ou alelos, causam predisposições diferentes.

As últimas informações pesquisadas por Jari Tiihonen do Karolinska Institute, em Estocolmo, e seus colegas, e publicadas em Molecular Psychiatry, referentes à hipótese de os genes MAOA e HTR2B terem influência na agressividade, originaram-se de estudos realizados em criminosos condenados em prisões na Finlândia. Alguns haviam cometido crimes violentos e outros crimes como roubos sem envolvimento de violência.

A monoamina oxidase A é uma enzima regulada pelo gene MAOA, que decompõe neurotransmissores importantes no cérebro como dopamina e serotonina, que afetam o temperamento e o comportamento. O gene HTR2B também codifica a serotonina.

Dr. Tiihonen pesquisou o MAOA, porque dois estudos anteriores sugeriram que alguns de seus alelos (especificamente os com baixos níveis de atividade, que aumentam os níveis de neurotransmissores), podem estimular a violência. Por sua vez, o gene HTR2B foi indicado como fator de risco para a violência em apenas em um estudo em seres humanos, mas experimentos em ratos confirmaram que a ideia era plausível.

O estudo do Dr. Tiihonen e sua equipe demonstrou que a baixa atividade do MAOA pode, em determinadas circunstâncias, instigar a violência. Apesar de não ser uma análise conclusiva, o assunto merece uma reflexão mais séria.

 

 

 

Fontes:
The Economist - Next candidate

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *