Início » Vida » Ciência » O retorno cauteloso de um inseto intrépido
Meio-ambiente

O retorno cauteloso de um inseto intrépido

A alimentação e o viveiro das borboletas no norte, junto ao clima imprevisível, estão impedindo a reprodução das borboletas monarcas

O retorno cauteloso de um inseto intrépido
Neste inverno as borboletas colonizaram quatro hectares da floresta mexicana (Fonte: Economist)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Como um turista em busca do sol, a borboleta monarca prefere passar o inverno no calor do México. Antes da chegada das primeiras geadas, ela deixa suas áreas de reprodução no Canadá e nos Estados Unidos e voa cerca de 5000 Km para um trecho florestal a oeste da Cidade do México. Pousando em cachos gigantes em galhos de árvores durante a noite, as monarcas viajam pela floresta durante o dia, tornando o céu laranja.

Essa maravilha da natureza encontra duas grandes ameaças. A alimentação e o viveiro das borboletas no norte, junto ao clima imprevisível, estão impedindo sua reprodução. O verão frio no Canadá e nos Estados Unidos em 2009 significou que no inverno seguinte o México veria menos monarcas do que em qualquer outra época, desde os registros iniciais, em 1994. O desmatamento na base das borboletas no México, principalmente através da extração ilegal de madeira, fez suas férias de inverno ainda mais difíceis.

Neste inverno, as borboletas colonizaram quatro hectares da floresta mexicana, mais que o dobro do ano passado. Em 1997, o ano com o maior registro de ocupação, 18 hectares foram ocupados. Omar Vidal, chefe do escritório mexicano da WWF, uma ONG de preservação ambiental, diz que a notícia é animadora.

A exploração ilegal de madeira foi quase erradicada graças à abertura de vagas em empregos alternativos, como a cultura de cogumelos e o turismo que atrai cerca de 115 mil visitantes por ano. “As pessoas nesta região são trabalhadoras. Eles só precisam de uma fonte honrosa de trabalho para poder levar pão para casa”, diz Rosendo Caro, diretor da reserva de borboletas, agora um patrimônio mundial da Unesco. No último ano, menos de dois hectares de floresta foram perdidos, menos do que os 461 em 2006.

Empregos no setor de turismo estão em risco devido a onda de violência relacionada ao tráfico de drogas no estado de Michoacán. O número de visitantes ficou reduzido a quase a metade neste inverno. Assim, como ganhar de volta aquelas borboletas manchadas? Caro quer atrair mais visitantes no verão, quando as monarcas estão longe e os  
restaurantes locais e postos de gasolina encontram-se um pouco customizados. Pela primeira vez, uma debandada de turistas pode ser apenas o que é necessário para preservar esta maravilha natural.

Fontes:
Economist - Kings of the sky

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *