Início » Vida » Ciência » PNL: a autoajuda corporativa que promete reprogramar o cérebro
Ciência e Comportamento

PNL: a autoajuda corporativa que promete reprogramar o cérebro

Muitas companhias alocam recursos em eventos e viagens para despertar a agressividade necessária aos negócios, mesmo precisando demitir em massa e este talvez seja o principal problema causado pela PNL

PNL: a autoajuda corporativa que promete reprogramar o cérebro
Palavras de ordem motivadoras, livros, palestras e até 'boot camps" têm glamour e inúmeros adeptos (Reprodução /Galileu)

Programação neurolinguística (PNL) não tem uma definição exata. É usada desde a década de 70 pelo linguista John Grinder e pelo psicólogo Rihard Blander nos Estados Unidos  como uma terapia de autoajuda. Não há evidência científicas que comprovem sua efetividade, Ao contrário, seus princípios foram testados por cientistas  que determinaram que a linguagem não programa o cérebro humano. Mesmo assim, muitas de suas técnicas ainda são usadas no meio corporativo.

Muitos atribuem a isso o fato de  ter se constatado que doutrinas esotéricas em geral, psicoterapias e autoajuda não precisam ser cientificamente verdadeiras para “funcionar”, bastando apenas que quem se submeta a elas acredite na eficácia. Além disso, estas técnicas são superficiais e poderiam ser trocadas por conselhos que parentes e amigos poderiam oferecer como pérolas de bom senso.

Mas as palavras de ordem motivadoras, livros,  palestras e até ‘boot camps” têm glamour e inúmeros adeptos. Andam de terno e gravata, cobram por hora  e não economiza seus pingos de sabedoria com linguagem pseudocientífica.

Muitas companhias alocam recursos em eventos e viagens  para despertar a agressividade necessária aos negócios, mesmo precisando demitir em massa e este talvez seja o principal problema causado pela PNL. O segundo é a ilusão causada pela motivação e entusiasmo pontual. O ganho que as companhias recebem é frívolo, mas evidente depois de investimentos como este. Mas passada a euforia, o investimento não vem demonstrado no balanço.

Convencer alguém de que ela é capaz de “qualquer coisa” caso se esforce bastante, pode dar-lhe empoderamento  e uma motivação fugaz. Mas é algo falso e até mesmo cruel, uma vez que ignora fatores como talento e sorte.

Fontes:
Galileu - PNL: a linguagem é capaz de 'programar' o cérebro?
Galileu - PNL: autoajuda corporativa funciona?

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    E existem até “profissionais” com PHD nesta picaretagem!!!
    Como nós somos carentes de soluções mágicas!
    E quanto mais as pessoas gastam com essas práticas, mais falsos resultados aparecem.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *