Início » Notícia » Cirurgia no joelho é ineficaz em muitos casos, diz estudo
Intervenções desnecessárias

Cirurgia no joelho é ineficaz em muitos casos, diz estudo

Pesquisa revela que há um excesso de artroscopias em pacientes com rompimentos no menisco

Cirurgia no joelho é ineficaz em muitos casos, diz estudo
cirurgia artroscópica do menisco é o procedimento ortopédico mais comum nos EUA (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um novo estudo publicado no New England Journal of Medicine afirma que um popular procedimento cirúrgico para reparar lesões na cartilagem do joelho funciona tão bem quanto uma operação de mentirinha. O estudo, realizado na Finlândia, alerta que milhares de pessoas podem estar se submetendo a artroscopias desnecessárias e que há um excesso de indicação deste tipo de cirurgia.

Os pesquisadores avaliaram pessoas com rompimentos comuns no menisco, uma cartilagem em forma de meia lua que ajuda a amortecer e estabilizar os joelhos. A cirurgia artroscópica do menisco é o procedimento ortopédico mais comum nos Estados Unidos, sendo realizado cerca de 700 mil vezes por ano, a um custo anual estimado de US$ 4 bilhões, segundo o estudo.

A cirurgia, cujo nome técnico é meniscectomia parcial artroscópica, envolve pequenas incisões para acomodar o artroscópio, instrumento que permite aos médicos examinarem a anatomia do joelho e consertar rompimentos do menisco.

Este estudo se concentrou em um pequeno subconjunto de lesões meniscais, mas especialistas afirmaram que a descoberta, somada a outras pesquisas recentes, sugerem que a cirurgia do menisco deve ser indicada para um número muito restrito de pacientes. Para a maioria, opções de fisioterapia funcionariam tão bem ou até melhor que a cirurgia.

De acordo com os pesquisadores, a intervenção só é indicada para pacientes jovens com rompimentos no menisco provocados por lesões esportivas agudas. Os pesquisadores apontam que cerca de 80% dos rompimentos se desenvolvem a partir do desgaste e do envelhecimento normais. Nesses casos, a cirurgia não traria benefícios, pois a intervenção não altera os rumos da degeneração.

 

 

Fontes:
The New York Times - Common Knee Surgery Does Very Little for Some, Study Suggests

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Petronio M V N Sá disse:

    É válida.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *