Início » Vida » Comportamento » O que leva uma criança a praticar bullying na escola?
COMPORTAMENTO

O que leva uma criança a praticar bullying na escola?

O bullying escolar pode gerar consequências para a vida toda. Mas o que leva uma criança a praticá-lo?

O que leva uma criança a praticar bullying na escola?
Ótica sobre o bullying foi atualizada com o passar dos anos (Foto: PxHere)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

As crianças, apesar de toda a inocência e inexperiência do mundo, podem ser alguns dos agressores mais cruéis. Suas ações, talvez menos limitadas pelas normas sociais que aprendemos mais tarde, podem ser impiedosas, violentas e chocantes. E essas ações podem ter implicações ao longo da vida para as vítimas.

Mas o que leva uma criança a praticar bullying na escola?

“Durante muito tempo, na literatura de pesquisa, pensamos que havia apenas um tipo de agressor: uma criança altamente agressiva, com problemas de autoestima, vinda de um lar violento ou negligente”, diz Dorothy Espelage, professora de educação na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill.

Porém, essa teoria agora está mudando. A definição de bullying adotada por pesquisadores acadêmicos afirma que é uma forma de agressão entre indivíduos ou grupos com diferentes níveis de poder. Talvez não consiga calcular o terrível impacto que pode ter sobre as vítimas ou as complexas razões pelas quais as pessoas se tornam intimidadoras em primeiro lugar. Mas um elemento-chave é a diferença de poder.

“Pode ser que você esteja me intimidando, e você seja popular, e eu não sou popular, e esse diferencial de poder dificulta minha defesa”, diz Espelage.

Segundo Espelage, embora a violência doméstica e a agressão de irmãos ainda sejam fatores de risco para crianças se tornarem agressoras, elas não são a única razão. As crianças que crescem em lares violentos, mas frequentam uma escola com um programa anti-bullying e uma atmosfera de apoio, não se tornam necessariamente agressivas.

A imagem dos pesquisadores sobre o valentão escolar típico tornou-se mais sutil nos últimos anos. Além do agressor franco, outro tipo de bullying maquiavélico foi reconhecido. As crianças que se enquadram nessa categoria tendem a ter melhores habilidades sociais, muitas vezes são carismáticas e apreciadas pelos professores – longe do estereótipo “bobo” de agressores. Fundamentalmente, essas crianças podem ativar e desativar o bullying para atender às suas necessidades.

“Os agressores socialmente dominantes querem ser o líder da multidão. E a maneira como eles fazem isso é empurrar as crianças para baixo na hierarquia”, diz Espelage.

Outras pesquisas apoiam essa ideia de que o motivo do bullying, geralmente, tem mais a ver com o agressor do que com suas vítimas. Em um estudo com crianças em idade escolar na Itália e na Espanha, os alunos participaram de um exercício que implicava pensar em uma situação de bullying do ponto de vista do agressor. Os pesquisadores também deram às crianças um questionário sobre seus pares para categorizar cada criança como um agressor, uma vítima ou alguém de fora.

Aqueles que foram categorizados como agressores por seus pares tiveram maior probabilidade de responder ao hipotético incidente de bullying com declarações que focavam em como o incidente afetava o próprio agressor (dizendo coisas como “Eu me sentiria ótimo porque chamei a atenção de outras crianças!”) ou declarações que demonstram falta de empatia (como “Não me sinto culpado porque não penso nisso” e “Me sentiria indiferente porque a vítima não sofre”).

O bullying também assumiu novas formas nos últimos anos. Uma característica comum do bullying, conforme definido anteriormente pelos acadêmicos, é que a agressão contra a vítima é repetida. Mas o mundo online está desfocando isso devido ao impacto potencial que apenas um episódio de cyberbullying pode ter.

“Tem que acontecer mais de uma vez, quando você postou algo que foi para um milhão de pessoas? Provavelmente não”, diz Espelage.

De fato, existe um cruzamento tão grande entre o bullying na escola e o cyberbullying que alguns pesquisadores argumentam que estão se tornando o mesmo – especialmente agora que as crianças costumam ter seus telefones na sala de aula.

“Em minha pesquisa, constatou-se que muitas vezes os agressores escolares continuam o assédio online. Eles podem estar sentados um ao lado do outro, mas preferem intimidar um ao outro através da mídia social, pois assim suas ações podem ter um maior alcance e eles sentem um falso senso de fama “, diz Calli Tzani-Pepelasi, professora de psicologia investigativa da Universidade de Huddersfield.

Fontes:
BBC-Why children become bullies at school

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    Estou com 73 anos e me lebro que na escola me chamavam de bacalhau, caveira elétrica por eu ser magro e em casa tinha o apelido de Ruído. Nunca me incomodei. Hoje usando palavra ingles BULLYING é a maior polêmica.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *