Início » Vida » Educação » Como as escolas estão lutando contra as fake news
EDUCAÇÃO

Como as escolas estão lutando contra as fake news

Iniciativas para ensinar crianças a identificar notícias falsas foram lançadas em muitos países

Como as escolas estão lutando contra as fake news
Desmascarar notícias falsas é apenas metade do trabalho (Fonte: Reprodução/Pixabay)

As notícias falsas chegaram para ficar. Histórias falsas são geralmente mais bem construídas e mais divertidas do que notícias reais, por isso atraem olhos e anunciantes. Sempre haverá também atores políticos que se beneficiam de notícias falsas.

Mas desde que as notícias falsas atingiram a consciência do público em 2016, aprendemos algo sobre como combatê-lo. Iniciativas para ensinar as crianças, a “alfabetização de fontes”, surgiram em muitos países.

Lie Detectors, uma ONG de Bruxelas, envia jornalistas para escolas na Europa. No modelo da instituição, primeiro, as crianças precisam dizer se a notícia que está projetada no quadro é verdadeira ou não. O jornalista belga Valentin Dauchot foi enviado para uma turma de 10 e 11 anos de idade, em Bruxelas.

“Na internet, nem tudo é falso, mas nem tudo é verdade também. Tudo o que você lê, você tem que verificar. As crianças da escola primária são uma multidão particularmente recompensadora; teorias da conspiração criam raízes apenas na adolescência”, diz Dauchot.

Ele mostra três artigos online para a classe: o homem de 179 anos, um crocodilo que supostamente escapou de um zoológico para os esgotos de Paris e uma conta de 154.953 € para o jantar Trump-Macron na Torre Eiffel. Primeiro, as crianças adivinham se cada história é verdadeira. Seus votos estão divididos. Quando Dauchot revela que todos os três artigos são falsos, há gritos de descrença.

“Por que alguém escreveria notícias falsas?”, Pergunta Dauchot. “Ganhar dinheiro”, grita um menino. “Para enganar as pessoas”, diz uma garota. As crianças entendem isso porque a maioria delas segue estrelas do YouTube que usam clickbait (conteúdos que servem como “iscas” para acessos) para aumentar o público.

Na verdade, a Lie Detectors descobre que as crianças são frequentemente mais informadas do que os professores, e provavelmente mais do que os idosos. Dois estudos recentes, publicados nos periódicos Science e Science Advances, apontam que os indivíduos com mais de 65 anos têm maior probabilidade de disseminar informações falsas.

Desmascarar notícias falsas é apenas metade do trabalho. Juliane von Reppert-Bismarck, fundadora da Lie Detectors, diz ser importante restaurar a confiança na mídia. Em última análise, a visita de Dauchot a Molenbeek é uma propaganda para o jornalismo. Ele é o primeiro jornalista que a maioria dessas crianças já conheceu.

Muitos adultos nunca encontram qualquer um deles. Desde que a internet destruiu o modelo econômico da mídia, os jornalistas locais em particular se tornaram escassos.

“Um jornalista normalmente tem que obedecer às regras”, explica ele. Quando Dauchot escreve um artigo, seus colegas checam erros. Quando ele faz uma acusação, ele dá ao acusado o direito de resposta. Isso não ocorre na maior parte da internet, onde qualquer um pode dizer qualquer coisa sem controle.

Fontes:
Financial Times - How schools are fighting fake news

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *