Início » Vida » Educação » Governo vai fundir sete universidades federais
Ensino superior

Governo vai fundir sete universidades federais

A superuniversidade já nasce como uma das cinco maiores do país, com 46,3 mil alunos em mais de 400 cursos de graduação e pós-graduação

Governo vai fundir sete universidades federais
Campus da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Na próxima terça-feira, 10, o presidente Lula irá oficializar a criação de uma “superuniversidade” pública, instituição que nascerá da fusão de sete universidades federais de Minas Gerais.

As federais de Alfenas (Unifal), Itajubá (Unifei), Juiz de Fora (UFJF), Lavras (Ufla), São João del-Rei (UFSJ), Ouro Preto (Ufop) e Viçosa (UFV) irão ser unidas na figura jurídica de um consórcio.

Exemplos da França e dos EUA

A superuniversidade já nasce como uma das cinco maiores do país, com 46,3 mil alunos em mais de 400 cursos de graduação e programas de pós-graduação, 3,5 mil professores e 4 mil funcionários da área técnica e administrativa.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, diz que a fusão das federais para uma superuniversidade, algo inédito no setor público brasileiro, foi inspirada em exemplos da França e dos EUA. O objetivo é dar mais visibilidade internacional ao Brasil na área acadêmica.

Leia mais:

Dados de candidatos do Enem vazam na internet

Quase 95% das escolas públicas estão abaixo da meta

Novo método avalia o ensino brasileiro

Escola dos EUA inclui dois anos de faculdade no Ensino Médio

Universidades norte-americanas proíbem iPads

Fontes:
Valor Online - De olho na visibilidade externa, MEC promove fusão de sete federais

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. helio (rio de janeiro) disse:

    Sete universidades unificadas no final do mandato? 2 novas Estatais e leilão de privatização das Teles em dezembro, no final do mandato? Quem vai arrematar?

  2. andre becker(Santos/SP) disse:

    estudar em universidade publica é o sonho de tantos e quando se consegue a sonhada vaga, tem aula o dia todo e a noite simplesmente nao dá para pobre ficar pois tem de trabalhar, ai so ficam ça os filhos daqueles que tem grana.

    são feitas para filho de rico estidar nao para pobres…

    so vao copiar uma ideia dos outros e ainda assim nao teremos uma unica que chegue aos pés das famosas.

    boa mesmo é usp e unicamp.

  3. Markut disse:

    Tirante a demagogia eleitoreira,como é que se pode pensar em faculdades eficientes se a base que é a escolaridade básica,está nesse nivel catastrófico?
    Teremos gerações de universitários fugindo das matérias duras como física e matemática , deixando de suprir a falta de engenheiros e médicos competentes, para lotar universidades de filosofia, letras e pedagogia e mais outras amenidades, sem saber redigir e se expressar corretamente.
    A USP e a Unicamp citadas, foram criadas em outra época, em que ainda a meritocracia valia alguma coisa.
    Hoje, a contaminação da má política, vesga e míope, corrompe tudo.
    Quantos cabides de emprego resultarão desse aparente e suposto avanço na formação desse nosso capital humano, tão maltratado pela calhordice dos nossos gestores?

  4. GILSON CORREIA disse:

    A nossa educação merece mais respeito, se não, trato pelos governantes tecnocratas. Não devemos consertar um grande erro com base em atitudes tomadas por outros países.

    O problema da educação no Brasil,não pode ser resolvido com decisões ” faraônicas ” e sim com medidas responsáveis na base da pirâmide educacional, que diga-se de passagem, está em ruínas.

    Gilson Correia – SSa/Ba.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *