Início » Notícia » Governo amplia acesso pelo SUS à pílula do dia seguinte anti-Aids
Combate à Aids

Governo amplia acesso pelo SUS à pílula do dia seguinte anti-Aids

Objetivo é fazer com que o medicamento atinja todas as pessoas em risco de contágio, desde profissionais acidentados até quem pratica sexo sem proteção

Governo amplia acesso pelo SUS à pílula do dia seguinte anti-Aids
A intenção do Ministério da Saúde é ampliar o número de pessoas que tem acesso aos medicamentos (Foto: Wikimedia)

A pílula do dia seguinte contra a Aids começará a ser distribuída a partir desta quinta-feira, 23. O medicamento passará a ser distribuído nos serviços especializados do SUS para todos que correm risco de contágio e não apenas para os grupos considerados de risco.

O tratamento é conhecido como profilaxia pós-exposição, e todas as pessoas que foram expostas ao vírus HIV poderão utilizá-lo. O contato pode acontecer de várias formas, tanto pelo ato sexual com alguém infectado, como por acidentes, como médicos ou enfermeiros que tiveram contato com o sangue de pacientes soropositivos. Para funcionar, o tratamento precisa começar até 72h após a exposição e durar 28 dias.

De acordo com o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, a intenção é ampliar o grupo que tem acesso aos medicamentos para prevenir o contágio.

“Antes da mudança, havia o entendimento incorreto de que um serviço especializado poderia atender apenas a um grupo determinado”, disse Mesquita.

Não há uma pesquisa do Ministério da Saúde sobre o impacto das mudanças, mas o objetivo é que as pílulas não sejam mais negadas a ninguém, o que normalmente acontecia com as pessoas que faziam sexo sem proteção. Um aplicativo será lançado em dezembro com orientações para obtenção do medicamento.

O remédio passou a fazer parte do Sistema Único de Saúde na década de 1990, apenas para profissionais da área da saúde que tiveram contato com sangue contaminado. Oito anos depois, o programa foi ampliado para as vítimas de violência sexual e, em 2011, passou a ser oferecido a quem praticou relação sexual sem proteção, embora muitos serviços ainda se recusem a fornecer a terapia. O objetivo principal da nova diretriz terapêutica do governo, publicada no Diário Oficial da União nesta quinta-feira, 23,  é justamente acabar com essa discriminação por parte dos serviços de saúde.

Fontes:
Estadão-Pílula do dia seguinte antiaids começa a ser distribuída nesta quinta

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *