Início » Vida » Comportamento » Homens, o sexo frágil
Sociedade

Homens, o sexo frágil

Os homens com baixa escolaridade e poucas qualificações profissionais enfrentam dificuldades em países desenvolvidos

Homens, o sexo frágil
Homens com poucas qualificações, é uma combinação destrutiva de desemprego,ausência de vida familiar e falta de perspectiva (Foto: Flickr)

Em uma visão superficial o patriarcado parece ser uma tendência predominante. Mais de 90% dos presidentes e primeiros-ministros são do sexomasculino, assim como quase todos os CEOs das grandes empresas. Os homens dominam o mundo das finanças, da tecnologia, da indústria cinematográfica, dos esportes, da música e dos espetáculos de humor com apenas um comediante. Na maioria dos países os homens usufruem de privilégios sociais e legais, apenas por terem um cromossomo Y. Então, seria estranho ter algum tipo de preocupação com a situação deles.

No entanto, existem muitos motivos de preocupação. Os homens ocupam posições extremas na pirâmide social. São bem mais propensos a serem presos do que as mulheres, a se distanciarem dos filhos, ou se suicidarem. As mulheres têm mais diplomas universitários do que os homens. Em países desenvolvidos, 50% de jovens do sexo masculino têm mais chance de serem reprovados em matemática, leitura e ciências.

Um grupo em especial tem sofrido uma pressão maior da sociedademoderna. Os homens com baixa escolaridade nos países desenvolvidos têm tidodificuldade em lidar com as enormes mudanças no mercado de trabalho e na vida familiar nos últimos 50 anos. A tecnologia e o comércio desvalorizaram a força muscular e, portanto, os homens com um nível de escolaridade inferior têm lutado para encontrar um lugar no mercado de trabalho.

As mulheres, por sua vez, estão ocupando cargos em setores em expansão, como saúde e educação, em razão de uma formação acadêmica melhor. À medida que a educação está sendo cada vez mais valorizada, os meninos têm um desempenho escolar inferior ao das garotas (exceto os excelentes alunos).

Os homens que trabalham em fábricas e são demitidos, em geral não conseguem outro emprego. E homens desempregados dificilmente encontram uma companhia feminina constante. O resultado, para homens com poucas qualificações, é uma combinação destrutiva de desemprego,ausência de vida familiar e falta de perspectiva.

Fontes:
Economist-The weaker sex

4 Opiniões

  1. Otávio Ferreira Lima disse:

    Isso é culpa do padrão de masculinidade imposto ao homem,de ser agressivo,indelicado,insensivel.Com isso o homem acaba criando mais coragem que a mulher para desafiar autoridades como professores e policia sendo maioria entre as crianças que vão mal na escola e entre os que cometem crimes e atrocidades por ai.A sociedade para funcionar melhor requer elementos que geralmente estão nas mulheres como sensibilidade,passividade e obediencia.

  2. Daniel Longhini disse:

    Há grande manifestações em prol dos direitos das mulheres nos dias de hoje. A grande parte desses protestos são “lapidados” com um discurso de vitimização do sexo feminismo e colocando o homem como o “ser opressor”.
    Atualmente a independência da mulher é visível. Hoje, as mulheres saem novas de casa (sem nenhum impendimento), são bem olhadas em seus empregos. Vê-se mulheres que “sustentam” o lar sozinhas, sem a ajuda de um marido. Isso são conquistas totalmente válidas para a classe feminina.
    Esses movimentos feministas, muitas vezes, fogem da realidade. Hoje as mulheres são respeitadas, conseguem bons empregos, são elas que possuem mais diplomas universitários do que os homens.
    Vê-se um movimento fraco e fragmentado. Deixo claro que respeito o protesto e acredito ser válido (desde que haja um respeito recíproco). Os rumos que tais correntes estão tomando é preocupante.
    Os gritos entoados por aqueles que são aderentes ao movimentos é alarmante. Percebe-se o intento de quebrar valores instituídos na sociedade atual, conceitos que demoraram anos à serem aceitos e vividos. Não é errado discordar, mas é no mínimo incoerente buscar a falência desses valores com tais atitudes.
    Respeitar é diferente de aceitar. Deve-se deixar claro o respeito às mulheres e a esse movimento. Porém, negar como as mulheres estão ganhando espaço na sociedade atual é intolerância.
    Que os gritos entoados por esse movimento e por vários outros protestos sejam de coerência, pois é o que o cidadão mais necessita hoje: coerência. Deixe o revolucionismo um pouco de lado, que todos possam caminhar rumo à dias melhores.

  3. Vitafer disse:

    É… dá para pensar.

  4. Anselmo Heidrich disse:

    Excelente nota, pois estes dados sociais, para além da economia crua, é que marcam transformações e demandas que se farão mais evidentes com o passar do tempo. Entre elas e de acordo com o caso, a extinção ou fragilização da família tradicional.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *