Início » Economia » Internacional » A importância da manutenção dos esgotos urbanos
saneamento básico

A importância da manutenção dos esgotos urbanos

A negligência no cuidado com os esgotos pode ser perigosa e potencialmente nociva à saúde pública

A importância da manutenção dos esgotos urbanos
A manutenção dos esgotos não pode ser negligenciada (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Isolar os efluentes de uma cidade e despachá-los para longe em esgotos subterrâneos provavelmente salvou mais vidas que qualquer outro procedimento médico, salvo pela vacinação. Mas aquilo que os olhos não veem o coração não sente. E isso significa que muitos esgotos foram negligenciados e estão precisando desesperadamente de reparos. Caso os reparos não aconteçam a tempo, o resultado será problemático e potencialmente nocivo.

Toda esse negligência, no entanto, faz com que seja difícil saber onde efetuar os consertos. Então Mark Hernandez, da Universidade do Colorado, e sua equipe vêm procurando por um sinal facilmente mensurável de que alguma coisa está prestes a dar errado.

Um candidato, suspeitava o Dr. Hernandez, era o sulfureto de hidrogênio. Esse é um dos gases que faz com o que o esgoto cheire mal. Embora em si não seja nocivo à composição dos tubos, ele pode ser convertido por certas espécies de bactérias em ácido sulfúrico, o qual pode causar danos. O Dr. Hernandez e seus colegas, portanto, coletaram amostras de 36 esgotos em diversos estados de degradação e começaram a investigar.

Um de seus interesses era a variedade de bactérias encontradas em canos em diferentes estados de desgaste. Eles passaram os canos por uma análise de massa de DNA que revela tudo o que há em uma amostra. Também mediram a acidez do esgoto que se encontrava próximo à área da parede do cano onde a amostra fora coletada e registraram as concentrações no ar desse local de sulfureto de hidrogênio, metano e dióxido de carbono.

Eles registraram no periódico Environmental Science & Technology que, como era de se esperar, a acidez do concreto na maior parte dos tubos severamente corroídos é sempre alta, enquanto que o pH nos tubos não danificados fica em torno de sete, isto é, neutro. A variedade de bactérias também muda. Tubos novos e não danificados têm uma alta biodiversidade; em geral de centenas de espécies. Tubos severamente danificados contam com uma diversidade baixa; com em geral dez ou menos espécies.

Fontes:
The Economist-It’s a gas

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *