Início » Vida » Ciência » Empresa quer revolucionar a reciclagem de plástico
MEIO AMBIENTE

Empresa quer revolucionar a reciclagem de plástico

'Vivemos na era do plástico e não podemos evitar esse material. Mas nosso mundo não avançou na inovação da reciclagem', diz a fundadora Miranda Wang

Empresa quer revolucionar a reciclagem de plástico
Miranda Wang (centro) quer tornar o plástico infinitamente reciclável (Foto: Facebook/BioCellection)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Nosso apetite por plástico continua inabalável. Mas, em vez de produzir mais plástico, e se pudéssemos nos contentar com o que temos?

A reciclagem de plástico tem sido um empreendimento marcado por limitações causadas pela grande variedade de plásticos que produzimos, pela contaminação de resíduos e por processos de alta carga energética que colocam em xeque a viabilidade econômica da empreitada. Estima-se que apenas 9% do plástico produzido é reciclado.

Mas com a ajuda de um processo químico, a canadense Miranda Wang e sua empresa, a BioCellection, querem mudar isso.

A durabilidade é um dos maiores atributos do plástico. É também sua maior desvantagem. É difícil deteriorar um material plástico

Há evidências limitadas de que alguns plásticos podem se biodegradar (uma para isso solução requer larvas de farinha), mas em grande parte os plásticos se degradam ao sol. É um processo demorado, e a verdade é que só podemos estimar quanto tempo leva.

O que é certo é que milhões de pássaros morrem com estômagos cheios de resíduos plásticos e que microplásticos consomem a vida marinha e fluem pela cadeia alimentar até nós. Com 8 milhões de toneladas de plástico chegando aos oceanos todos os anos e milhões se acumulando em aterros, a reciclagem é de vital importância.

Wang está tentando quebrar a inércia, tornando mais barato reciclar plástico – e não apenas alguns plásticos, mas todos. A missão da BioCellection é “tornar o lixo plástico infinitamente reciclável”, diz Wang. “Vivemos na era do plástico e não podemos evitar esse material. Mas francamente nosso mundo não avançou na inovação da reciclagem de plásticos nas últimas décadas”, diz Wang.

Ela descreve dois métodos atuais. Uma é pegar plásticos como garrafas de água, lavá-los, rasgá-los, derreter e reconstituí-los. “Esse é um processo muito limitado”, diz ela, devido à exigência de que o plástico seja “limpo”. O outro método, que pode lidar com plásticos mais sujos e com um nível de contaminação, é chamado de pirólise. O calor intenso é aplicado para quebrar os plásticos, para que possam ser reutilizados como óleos e para obter energia. O produto pode ser reciclado, mas “não é econômico”, diz ela.

A solução da BioCellection baseia-se em pesquisas de mais de dez anos, explica Wang, quando um estudo nos EUA descobriu que o pó de polietileno puro poderia ser decomposto por um catalisador. Trabalhando em seu laboratório do ensino médio em Vancouver, Wang e sua cofundadora Jeanny Yao encontraram uma bactéria do solo capaz de comer plástico (não a única bactéria que descobriu ser capaz de fazê-lo). Nos anos seguintes, eles criaram um catalisador comparável, capaz de fazer o mesmo trabalho que as bactérias, apenas mais rapidamente, que funciona em plásticos que ninguém mais pode reciclar.

“Agora encontramos um catalisador muito mais barato que o usado anteriormente”, diz Wang. Atualmente, com foco em filmes plásticos, como sacolas de compras, o processo de três horas divide o plástico em produtos químicos que podem atuar como os blocos de construção de produtos plásticos mais complexos: nylon para roupas, solas de sapatos e até peças de automóveis.

“No momento, conseguimos obter cerca de 70% de conversão de resíduos de plástico em produtos químicos”, acrescenta ela, dizendo que estão trabalhando para aumentar esse número.

Fundamentalmente, a BioCellection acredita que, quando ampliada, pode prejudicar o mercado de plásticos virgens. “Acreditamos que nosso processo é realmente mais barato do que os processos que atualmente dependem do uso de petróleo para fabricar esses produtos químicos. A redução de custos pode ser de 30 a 40%”, diz Wang.

A empresa chamou a atenção e a Schmidt Marine Technology Partners (criada pelo ex-CEO da Google Eric Schmidt e sua esposa, Wendy) está entre seus apoiadores. A BioCellection, agora, está fechando parcerias com instalações de triagem, juntamente com empresas e marcas químicas para construir sua cadeia de suprimentos.

“Meu sonho é poder ver que algo que é um pedaço triste de plástico – que iria para o oceano ou para o aterro sanitário – poderia ser usado para fazer uma jaqueta nova na Patagônia ou um par novo em folha de tênis de corrida, ou poderia ser usado em outras aplicações industriais”, diz Wang.

Nosso vício em plástico não vai desaparecer, mas a cofundadora Jeanny Yao continua otimista. “Esses problemas sempre parecem intransponíveis, mas todos são criados aos poucos. Acho que, quando se trata de resolver os enormes problemas mundiais que temos, muitas das respostas estão embutidas na tecnologia”, diz Yao.

Fontes:
CNN-Start-up devours pollution with new plastic recycling method

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *