Início » Economia » Internacional » Nestlé enfrenta ambientalistas por rio nos EUA
ESTADOS UNIDOS

Nestlé enfrenta ambientalistas por rio nos EUA

O projeto da Nestlé de usar a água de um rio de um condado da Flórida em sua fábrica de engarrafamento de água mineral provoca protestos

Nestlé enfrenta ambientalistas por rio nos EUA
A Nestlé quer obter permissão para retirar mais de 1,1 milhão de galões por dia da água do rio (Foto: Ebyabe/Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O rio Santa Fé no condado de Gilchrist, na Flórida, é muito frequentado por entusiastas de esportes aquáticos, além de ser o habitat de numerosas espécies de tartarugas que vivem em suas margens.

Mas esse rio e sua nascente Ginnie Springs, com as águas azuis cristalinas, estão sendo alvo de negociações da multinacional Nestlé para explorar o local.

A Nestlé quer obter permissão para retirar mais de 1,1 milhão de galões por dia da água do rio e transportá-la para uma fábrica de engarrafamento de água mineral em High Springs. O projeto enfrenta uma forte oposição de ambientalistas e questionamentos de autoridades responsáveis ​​pela preservação ambiental do rio e de seu entorno. 

A empresa precisa que o Distrito de Gestão de Águas do rio Suwannee, do qual o rio Santa Fé é afluente, renove a licença de uso da água concedida a uma empresa local, Seven Springs. A Seven Springs, por sua vez, venderia a água por um custo não revelado à multinacional.

Apesar de a Nestlé afirmar que seu projeto não afetará o volume de água do rio e que atende às normas da conservação ambiental, o bombeamento diário de água será superior a quatro vezes o volume de 0,26 milhão de galões vendidos pela Seven Springs a seus clientes antes da licença expirar.

Os ambientalistas que se opõem ao projeto criaram um fórum online onde discutem as questões ambientais relacionadas à exploração dos recursos naturais do rio e de sua nascente. Uma petição online também criada pelo grupo já recebeu dezenas de assinaturas de apoio. 

Segundo Merrillee Malwitz-Jipson, diretora da ONG Our Santa Fe River, o volume de água do rio Santa Fé diminuiu nos últimos anos e não há água suficiente no aquífero para renová-lo. “A beleza natural e a biodiversidade do rio e de Ginnie Springs precisam ser preservadas”, afirmou.

“O rio Santa Fé é o habitat de 11 espécies de tartarugas nativas e de quatro espécies não nativas. Cerca de um quarto das tartarugas de água doce da América do Norte vive no rio Santa Fé”, acrescentou.

De acordo com Stefani Weeks, engenheira do Distrito de Gestão de Águas do rio Suwannee, o pedido de renovação da licença de uso da água do rio Santa Fé pela Seven Springs está sendo analisado.

Especialistas do Distrito aguardam o envio de um relatório de avaliação de possíveis danos ambientais e um estudo do impacto em Ginnie Springs. A renovação da licença só será concedida se a Seven Springs comprovar que não haverá mudanças nos “níveis ou fluxos de água da nascente, nem impacto na qualidade da água, da fauna e da flora”.

Não é a primeira vez que a Nestlé se envolve em uma polêmica ambiental. Em 2017, o Departamento Estadual de Gestão de Recursos Hídricos da Califórnia publicou um relatório sobre o desvio, sem autorização, da água do Strawberry Canyon na floresta de San Bernardino para usá-la em sua água mineral Arrowhead. 

Fontes:
The Guardian-Nestlé plan to take 1.1m gallons of water a day from natural springs sparks outcry

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *