Início » Internacional » O local onde a maioria das casas é movida a energia solar
COREIA DO SUL

O local onde a maioria das casas é movida a energia solar

A pequena ilha de Gapado, na Coreia do Sul, é abundante em energia renovável. A província de Jeju pretende seguir seus passos e se tornar um paraíso ‘zero carbono’

O local onde a maioria das casas é movida a energia solar
Gapado é lar de turbinas eólicas, enquanto boa parte das casas é movida à energia solar (Foto: Yonhap)

A província de Jeju, na Coreia do Sul, precisa encontrar uma solução de energia sustentável para garantir um futuro próspero. Uma pequena ilha ao largo da costa pode fornecer um plano. É uma hipótese atualmente sendo testada em Gapado, um pedaço de terra na costa sul da Coréia do Sul.

Com menos de 200 residentes em menos de 1 km², duas turbinas eólicas já garantem que grande parte da energia da comunidade é renovável e uma grande proporção das casas é movida a energia solar. A ilha produz mais energia do que consome e armazena o excesso em uma grade independente.

Gapado é um caso de teste em um projeto maior para reduzir as emissões de toda a província de Jeju até 2030. É um plano ousado, especialmente dada a reputação da região como um hotspot de turismo: Gapado fica perto de Jejudo, uma grande fuga tropical com mais de 15 milhões visitantes por ano. 

Embora o número de turistas aumente, a província entupida de turistas deseja converter todos os veículos e geração de eletricidade em energia renovável até o final da próxima década. Esse plano, no entanto, não diz nada sobre as emissões de carbono causadas pelos aviões: a rota de voo entre Jeju International e Seul Gimpo ganhou o título de mais movimentada do mundo em 2018, com 76.000 voos.

Um local cheio de hotel e avião, estabelecendo uma meta ambiental tão ambiciosa, pode parecer zeloso. Mas o projeto, que enfatiza as energias renováveis, como a solar e a eólica, é crucial para lugares como Jeju – porque seu futuro como destino pode depender disso. “Os efeitos das mudanças climáticas, como a elevação do nível do mar, afetarão ilhas em todo o mundo”, diz Kass Rohrbach, vice-diretor da organização ambientalista Sierra Club.

Atualmente, projetos de “zero carbono” – lugares que tentam diminuir as emissões nocivas de dióxido de carbono dos combustíveis fósseis – são comuns em todo o mundo. Eles estão tentando neutralizar as 37 gigatoneladas de emissões globais de CO2 registradas no ano passado, um número que continua aumentando.

Além disso, nesta semana, um relatório histórico das Nações Unidas alertou que o nível médio global do mar poderia subir 1,1 metro até 2100 – más notícias para ilhas como Jeju.

A boa notícia é que, embora pequena, Gapado poderia mostrar ao resto da Coreia do Sul como a sustentabilidade é feita. E também faz parte de um crescente esforço global.

“Dois países, Butão e Suriname, já são neutros em carbono”, aponta Jacob Corvidae, especialista em cidades com zero carbono no Instituto Rocky Mountain, uma organização de energia limpa dos EUA. “Nós já temos compromissos com a neutralidade de carbono que representam 16% do PIB mundial. Esperamos que esse número cresça dramaticamente na próxima década”.

Fontes:
BBC-The tiny island that aims to become a carbon-netural paradise

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    Além disso, nesta semana, um relatório histórico das Nações Unidas alertou que o nível médio global do mar poderia subir para 1,1 milhão em 2100.
    COMO É QUE VOCÊS ESCREVEM TAMANHO CONTRA SENSO, ou seria SEM SENSO?
    Só um aquecimentista fanático poderia redigir tamanha besteira.

  2. Redação disse:

    Boa tarde, Roberto!

    Obrigado para o alerta sobre o erro. Ele já foi corrigido, pois trata-se de 1,1 metro, não 1,1 milhão, como estava escrito anteriormente

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *