Início » Vida » Meio Ambiente » O maior problema é a condição da água
Precariedade

O maior problema é a condição da água

Mais importante do que tê-la em abundância é tê-la limpa

O maior problema é a condição da água
Cerca de 800 milhões de pessoas com acesso somente a latrinas primitivas são portadores de doenças (Fonte: Economist)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Se a água tem a capacidade de melhorar a vida, a sua ausência tem a capacidade de torná-la miserável. David Gray, um especialista em água que serviu o Banco Mundial em quase todas as bacias hidrográficas do globo e agora é professor na Universidade de Oxford, tem uma técnica que faz sentido. Todo dia ele recebe e-mails com histórias de água publicadas em jornais de todo o mundo. Ao conversar com uma plateia durante apenas um dia, Gray é capaz de rapidamente mostrar como a água pode dominar se não destruir vidas, especialmente nos países pobres.

Algumas de suas influências aparecem nos noticiários sobre água, mas nenhuma é manchete. As notícias são divulgadas assim: “Mais de 1,2 bilhão de pessoas têm de defecar ao ar livre”; “A maior causa de mortes de crianças é a diarréia ou doenças relacionadas a ela”; Cerca de 1 bilhão de pessoas não têm acesso à água potável canalizada.” Todas elas têm algo relacionado à água.

Surpreendentemente, alguns dos que têm de defecar ao ar livre não se importam. Mas para muitos e, certamente, para aqueles que precisam viver com as suas consequências, é uma prática desagradável. Em Nairobi, moradores de favelas têm que percorrer o seu caminho através dos córregos de esgoto e tomar cuidado para evitar “banheiros ao ar livre” e sacos de plástico cheios de excrementos que são arremessados durante a noite.

Sem água encanada para lavar as mãos com, e muito menos para beber, as pessoas que não têm esgoto e outras 800 milhões de pessoas com acesso somente a latrinas primitivas são inevitavelmente portadores de doenças. Se eles pudessem lavar as mãos com sabão e água, eles poderiam bloquear uma das principais rotas de transmissão para a propagação de doenças diarréicas e infecções respiratórias. Como acontece atualmente no mundo todo, pacientes com doenças relacionadas à contaminação da água enchem metade dos leitos hospitalares nos países mais pobres e a falta de saneamento mata 5 mil crianças por dia.

A água potável é crucial para as crianças com diarréia, pois eles precisam de hidratação para sobreviver. Elas ainda podem estar em risco de desnutrição se continuam a sofrer de diarréia, o que irá impedí-las de absorver os alimentos corretamente. Isso geralmente tem consequências a longo prazo. Desnutrição no útero da mãe e durante os dois primeiros anos de vida é visto agora como causa de alterações irreversíveis que levam a problemas de saúde ao longo da vida.

A falta de saúde se traduz em resultados econômicos pobres. Um estudo realizado na Guatemala seguiu as vidas de crianças de quatro vilas desde os primeiros anos de idade. Em duas aldeias, as crianças receberam um suplemento nutritivo para os primeiros sete anos, e nas outras aldeias, um suplemento menos nutritivo. Os meninos que tiveram a dieta mais nutritiva nos primeiros dois anos tiveram maior capacidade de trabalho físico, maior escolaridade e melhores habilidades cognitivas. Também cresceram os salários, 46% superiores aos outros grupos.

O custo para a saúde e a riqueza

Estudos realizados em Gana e no Paquistão sugeriram que o impacto a longo prazo da desnutrição associada a infecções diarreicas custa, a cada país, de 4 a 5% do PIB (Produto Interno Bruto). Isso pode ser adicionado a uma carga similar de “risco ambiental”, que inclui a malária e a falta de acesso à água e ao saneamento, tanto relacionadas com a água, como com a poluição do ar. Quando os resultados são vistos em conjunto, os números são assustadores. Segundo a Organização Mundial de Saúde, metade das consequências da desnutrição são causadas por água inadequada, saneamento e falta de higiene. Em Gana e no Paquistão, o custo total destas deficiências pode atingir 9% do PIB, e estes dois países não são os únicos.

O problema não é estritamente uma questão de escassez de água. Na verdade, ampliar a disponibilidade de água pode aumentar a doença, uma vez que pode levar à estagnação de piscinas onde os mosquitos se reproduzem, e, em seguida, espalhar a malária ou a dengue. Além disso, o excesso de água pode ser obtido por meio de dejetos humanos ou tóxicos, que são capazes de contaminar o solo ou os rios próximos. Por isso, a higiene e o armazenamento correto são medidas essenciais. Não adianta ter muita água, ela tem que ser limpa.

Leia mais:

Falta de administração da água coloca o mundo em perigo

Demanda por água tem aumentado, soluções nem tanto

Fontes:
Economist - Enough is not enough

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Markut disse:

    Se hoje, com 7 bilhões de pessoas no planeta, a questão da água potavel é dramaticamente preocupante,imagine-se se a tendência ao aumento populacional desta nossa única morada confirmar as previsões projetadas para o futuro!.

  2. Iria Barradas disse:

    Com soluções simples e baratas teríamos como proteger as nascentes e os lençóis subterrâneos e os rios mantendo a água potável em constante e saudável fluxo mas, todos estamos presos demais em esteriótipos de status e pensamos que o fato de ejetarmos nossas fezes pelo cano nos faz fidalgos e que são os pobres os responsáveis pela sujeira em que vivem. É tanta hipocrisia, ignorância e porquice que mesmo buscando ao máximo fazer a parte que me cabe ainda assim também participo desta barafunda nojenta de excrementos a céu aberto por todo o planeta.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *