Início » Internacional » Poluição plástica já atingiu as profundezas do oceano
MEIO AMBIENTE

Poluição plástica já atingiu as profundezas do oceano

Um novo estudo alerta para a gravidade da poluição de resíduos plásticos nos oceanos

Poluição plástica já atingiu as profundezas do oceano
Talvez não haja mais ecossistemas marinhos que não tenham sido afetados por plásticos (Foto: Flickr/Jedimentat44)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

De acordo com um estudo de Alan Jamieson e de seus colegas da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, as fossas oceânicas mais profundas do mundo estão se transformando em depósitos de resíduos plásticos.

Pela primeira vez, cientistas surpreenderam-se com a descoberta de contaminação de animais por microplásticos na fossa das Marianas e em outras cinco áreas com uma profundidade de mais de 6 mil metros. Essa descoberta levou-os a concluir que talvez não haja mais ecossistemas marinhos que não tenham sido afetados pela poluição de resíduos plásticos.

O artigo, publicado na revista científica Royal Society Open Science, descreveu como os materiais não biodegradáveis de roupas, recipientes e embalagens jogados em aterros sanitários poluem os rios e os oceanos.

O impacto do plástico em águas mais rasas, onde ameaça a vida de golfinhos, baleias e aves marinhas, já foi bem documentado em revistas especializadas e em programas de televisão, como a série da BBC Blue Planet, narrada por David Attenborough. Mas o estudo recém-publicado mostrou a gravidade do problema ao atingir ecossistemas marinhos tão profundos.

Os pesquisadores examinaram a fauna marinha de seis regiões mais profundas do mundo localizadas no oceano Pacífico, como a fossa Atacama, ou fossa Peru-Chile, as fossas New Hebrides e Kermadec, a fossa Izu-Bonin, na costa do Japão, e a fossa das Marianas.

Eles viram sinais de ingestão de micropartículas por anfípodas, um crustáceo semelhante ao camarão. Na fossa das Marianas, com 10.890 metros abaixo do nível do mar, a região mais profunda do mundo, 100% dos animais examinados continham pelo menos uma micropartícula de materiais como poliéster, liocel, rayon, rami, polivinil e polietileno.

“Ao contrário de rios e praias onde os resíduos seguem o fluxo das correntezas e das marés, o lixo se deposita no fundo das fossas oceânicas”, disse Jamieson.

Apesar do estudo recente e de dados que ainda serão analisados com mais detalhes, os pesquisadores avaliam que os efeitos da poluição em espécies de águas profundas são os mesmos de outras espécies. Porém, advertiram, esses animais são mais vulneráveis, ​​porque as fossas oceânicas têm escassez de alimentos, o que os leva a terem uma alimentação pouco seletiva.

Segundo Jamieson, o nível de contaminação dos ecossistemas de águas profundas é alarmante. “É uma ameaça à sobrevivência da fauna marinha de extrema gravidade”, acrescentou.

 

Leia também: Brasil é o quarto país que mais produz lixo plástico
Leia também: Os primeiros passos da reciclagem
Leia também: Os vários problemas dos oceanos de plástico

 

Fontes:
The Guardian-World's deepest waters becoming 'ultimate sink' for plastic waste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. André Vinícius Vieites disse:

    As representações de maneira a decifrar o meio e o consumo podem ajudar nessa consciência de consumo e conceito de perspectiva segmentada entre o conceito e a verificação de economia real, danos após consumo e as realidades entre as aquisições e manutenções, e a contaminação dos ecossistemas temos que perceber algo de inconsciente coletivo que permanece a diversas gerações…Consumo, Marketing e Operacionalidade: Motivações Econômicas

    A linha de motivação e segmentação de mercado de autonomia PRECISA DE DEMANDAS DE OPERAÇÃO COMPREENDIDAS COMO FONTES E PROCESSOS DE ESCOLHAS, e são referenciais que possam transformar as mesmas em segmentações de linhas de pensamento econômico e da aquisição de produtos e serviços; A economia deve estar escalar e linear para que sejam resolvidas essas questões de exemplos demográficos e econômicos; Seguindo esta linha, o Mercado, numa perspectiva de marketing, pode ser avaliado na perspectiva do consumidor final ou de organizações que podem demandar produtos/serviços de outras empresas. E ao menos manter a tal operacionalidade mínima. No caso do consumidor, uma grande variedade de estímulos podem ser variáveis influenciadoras do processo decisório de compra. Podemos considerar que a primeira etapa deste processo é a identificação de uma necessidade.
    Para Kotler, todos os profissionais que atuam na área de Marketing precisam estar atentos para identificação de necessidades do mercado-alvo:
    “ Necessidades descrevem exigências humanas básicas. As pessoas precisam de comida, ar, água, roupa e abrigo para poder sobreviver. Elas também têm uma necessidade muito grande de recreação, educação, e entretenimento”.
    (Kotler, 2000, p.33).
    Já para Dias, a Necessidade pode ser percebida da seguinte forma: “ É o estado de carência e privação sentido por uma pessoa que provoca a motivação de necessidades constantes. A motivação para a determinação de consumo diário, semanal ou mensal, contribuem para as variáveis compreendidas como forças de marketing e vendas, ou apenas as identidades com projetos e processos interligados da operacionalidade mínima”. Conceito trabalhado para a aquisição de novos produtos e serviços, vendo atribuições de compra e poder de compra e sua identidade dentro do mercado institucional, esse fraco, médio ou forte. O forte de operacionalidade mínima representa dez por cento de comissões em mercados fortes, e hum a três porcento em mercados médios e menos de hum por cento de comissões em serviços e produtos considerados de demanda fraca. As definições de características básicas para a economia escalar, nem sempre está ligado às aquisições, mas sim as manutenções de qualidade de oportunidades e a quantificação de características de bem comum, que poderá oferecer soluções dentro de linearidade econômica. Pois, essa participação de mercados fortes só diminuem na realidade brasileira. Onde as caracterizações variam em diversidade de aquisição, essa falta de consciência de manutenção, mas por consequente comportamento está ligado a aquisição e descarte, não se fala em manutenção e preocupações produtivas. Essas oportunidades e seleções de ambiente de negócios, precisam de projetos e processos de precaução de perdas e manutenção de qualidade. E a produção e descarte de estímulos, ficam desenvolvendo idéias perdedoras, talvez desenvolvimento e pesquisa fiquem em terceiro ou quarto planos, infelizmente. Essa é a proporção de conceitos interligados entre o procedimento de aquisição, controle e manutenção, o Brasil é o quarto produtor de lixo plástico do mundo, já começaria por aí. O que poderíamos fazer para reverter essa perspectiva negativa? Para termos idéias vencedoras da aquisição, manutenção e realidade atual.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *