Início » Vida » Meio Ambiente » Preocupação com novo ministro é interesse econômico, diz Tarso
Comunidade ambientalista

Preocupação com novo ministro é interesse econômico, diz Tarso

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O ministro da Justiça Tarso Genro declarou nesta quinta-feira que a comunidade ambientalista internacional tem interesses econômicos na Amazônia e, por isso, se preocupa com a saída de Marina da Silva do ministério.

Tarso disse que, para a comunidade internacional, a Amazônia é um território da humanidade e que isso encobre a visão de que a floresta brasileira é uma “reserva planetária para grandes multinacionais”. O ministro acha que dessa maneira haverá controles territoriais de outros países sobre o Brasil.

O ministro disse ainda que há diferentes opiniões na comunidade internacional sobre questões ambientais. Segundo ele, apenas uma parte está realmente preocupada com o desenvolvimento sustentável e que esses irão ficar tranqüilos com a entrada de Minc.

Fontes:
Agência Estado - Tarso vê cobiça na Amazônia por trás de preocupação com Marina

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Carlos Gabaglia Penna disse:

    Nem vale a pena comentar e questionar o besteirol desse Tarso Genro. Ele nitidamente não tem a menor idéia do que seja meio ambiente (terá de alguma coisa?).

    Mas, tem um discursinho de esquerda stalinista dos anos 60, onde vê conspiração e cupidez em tudo que estrangeiros afirmam (nos brasileiros, não! Estes são impolutos!). Deve ter o mesmo sangue gaúcho do Brizola…

  2. EDVALDOTAVARES disse:

    XENOFOBISMO EURO-AMERICANO. Diante de 10 milhões de vítimas da seca, principalmente no continente africano, acrescentado o nordeste brasileiro, passando sede, fome e em completo estado de desnutrição, levantamentos numéricos constantes de tabela comparativa demonstram inexistência de ONGs (Organizações Não-Governamentais) prestando assistência. Já para 230 mil silvícolas da Amazônia que não são vítima da seca, portanto, não sedentos, famintos e sem desnutrição, estão catalogadas 350 ONGs estrangeiras. Por que tal discrepância? Amor imorredouro aos índios brasileiros (350 mil) e descaso para com os miseráveis, abandonados, do resto do mundo (10 milhões)? Como deve ser vista tal situação? Caberia aqui dizer, comportamento xenofóbico da União Européia-USA e outros demais aliados ricos contra as populações pobres do resto do mundo que não têm tanta riqueza em seus territórios para oferecer? A preocupação dessa trupe de países colonialistas, verdadeiros comediantes, está centralizada na preservação das tribos dos índios nióbio, tântalo, manganês, petróleo, ferro, zinco, cobre, esmeralda, rubi, diamante, ouro, prata e etc. Existe ainda uma ONG alienígena despendendo milhões de dólares para salvar o mico leão-dourado. O brasileiro é visto pelos hegemônicos como um povo primitivo que em bem pouco tempo destruirá todas as áreas florestadas da Amazônia, aniquilando a maior biodiversidade planetária, extinguindo àquelas tribos indígenas, deixando para as gerações mundiais vindouras um bioma devastado. E, por razões humanísticas, os piedosos têm o dever de salvaguardar a inviolabilidade e o direito à existência daquelas tribos indígenas. BRASIL ACIMA DE TUDO. SELVA! EDVALDOTAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *