Início » Economia » Internacional » Museu do 11 de Setembro será inaugurado em meio a polêmicas
World Trade Center

Museu do 11 de Setembro será inaugurado em meio a polêmicas

Edifício ocupa o lugar das Torres Gêmeas. Proposta de fazer da visita 'uma experiência significativa' esbarra nas críticas dos familiares e da comunidade islâmica

Museu do 11 de Setembro será inaugurado em meio a polêmicas
Museu exibirá mais de 10.300 peças, incluindo 2.380 doações particulares feitas pelas famílias, 2.136 documentos e 37 objetos retirados do local dos atentados (Reprodução/internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Na próxima quinta-feira, 21, será inaugurado o Museu do 11 de Setembro. Nessa ocasião, o monumento será aberto exclusivamente aos familiares das vítimas durante uma cerimônia com o presidente Barack Obama. Lá estarão reunidos histórias e relatos de todas as vítimas da tragédia, incluindo as dos seis mortos no ataque ao World Trade Center, em 1993.

No total, o museu exibirá mais de 10.300 peças, incluindo 2.380 doações particulares feitas pelas famílias, 2.136 documentos e 37 objetos retirados do local dos atentados. Entre eles estão fragmentos de aviões, um carro de bombeiro usado no socorro parcialmente destruído, uma antena de rádio e TV que ficava sobre uma das torres e cinco enormes colunas de aço retorcidas pelo impacto do desastre.

A “Escada dos sobreviventes” transportará o visitante ao local e ao momento dos ataques. A construção levava a uma saída para a rua Vesey e foi usada como rota de fuga por centenas de sobreviventes. “Elas foram o caminho para a liberdade”, disse a sobrevivente Kayla Bergeron. A frase foi colocada aos pés da escada no museu. O lance de 38 degraus e 58 toneladas foi transportado para o local e pode ser visto por uma escada paralela.

Para Jake Barton, responsável por toda a parte multimídia do edifício, o maio desafio foi tentar proporcionar “uma experiência que fosse significativa”, considerando a diversidade do público que visitará o museu. “A exposição precisa servir tanto à pessoa que escapou dos prédios em chamas e testemunhou o que aconteceu naquele dia, quanto àquela que não sabe nada sobre o atentado”, explica Barton.

Polêmicas

Alvo de polêmicas desde a sua concepção inicial, o museu passou por várias mudanças em sua administração desde 2004. Além dos entraves, o projeto enfrentou dificuldades técnicas, que envolveram inclusive a inundação do local durante a passagem do furacão Sandy, em 2012

As críticas dos familiares em relação ao valor que será cobrado pela entrada US$ 24 (cerca de R$ 53) e à exposição dos restos mortais ainda não identificados também impactaram na inauguração da obra. Para a vice-presidente do grupo Pais e Familiares dos Bombeiros e Vítimas do World Trade Center, Sally Regenhard, “restos mortais não deveriam ser uma ferramenta de marketing para uma entrada que custa US$ 24. É uma desgraça, um sacrilégio”, diz.

A comunidade islâmica, por sua vez, considerou um dos vídeos da exposição “ascensão da Al Qaeda”, extremamente ofensivo. O filme tem menos de sete minutos e se refere aos sequestradores dos aviões como “islamistas que assumiram a jihad como sua missão”. Ainda assim, a direção do museu irá manter a versão original do vídeo: “o filme concentra-se nas raízes da Al Qaeda com o propósito expresso de ajudar os visitantes a entender quem cometeu os atentados. Não pretende ser uma filme sobre o Islã ou generalizar que muçulmanos são terroristas”.

 

 

 

Fontes:
Folha de S. Paulo-Envolto em polêmicas, Museu do 11 de Setembro abre no local das Torres Gêmeas

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *