Início » Vida » Comportamento » Nomes americanos estão ficando mais originais
O que há em um nome?

Nomes americanos estão ficando mais originais

Em 1950, 76% dos meninos recebiam um dos 100 nomes mais populares. Hoje, a proporção é de 43%

Nomes americanos estão ficando mais originais
Pais que moram em grandes cidades buscam um nome que se sobressaia para o bebê (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O nome de um bebê pode afetar a sua vida profundamente. Este foi o motivo que um juiz do Tennesse deu para mudar o nome de uma criança de sete meses de idade chamada Messiah (Messias, em português), um nome que, segundo argumentou o juiz, teria colocado o bebê “em conflito com muitas pessoas” na sua cidade-natal de maioria cristã. Mas o jovem Messiah (que agora atende por Martin) não foi, de maneira nenhuma, um caso isolado.

De acordo com dados da Social Security Administration, no ano passado 762 bebês nos Estados Unidos receberam o nome Messiah, 562 a mais do que o registrado em 2005. Na verdade, desde 1950 os nomes se tornaram menos uniformes. Naquela época 76% dos meninos recebiam um dos 100 nomes mais populares. Hoje, a proporção é de 43%.

Os imigrantes, que trazem tradições diferentes e escritas novas, são um dos motivos. Viver em cidades grandes pode forçar os pais a procurar mais por nomes que se sobressaiam. A cultura popular é outra explicação: um surto de Tyrions, Neds, Sansas e Aryas sugere que alguns pais estão escolhendo os nomes de seus filhos a partir da série de TV “Game of Thrones”.

Fontes:
The Economist - What’s in a name?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *