Início » Gráfico » O mapa da preguiça no mundo
Gráfico

O mapa da preguiça no mundo

Estudo sobre atividades físicas reuniu dados de relatórios de saúde de 122 países, lar de 89% da população mundial

O mapa da preguiça no mundo
Mulheres tendem a fazer menos exercício - 34% são inativas, em comparação com 28% dos homens (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um novo estudo publicado no Lancet em 18 de julho, para coincidir com as Olimpíadas, compara as taxas de atividades físicas nos países. O estudo, liderado por Pedro Hallal da Universidade Federal de Pelotas, é o retrato mais completo sobre os praticantes de atividades físicas e os sedentários.

Hallal e seus colegas reuniram dados de relatórios de saúde de 122 países, lar de 89% da população do mundo. Eles descobriram que 31% dos adultos não fazem atividade física suficiente, definido como 30 minutos de exercícios moderados cinco vezes por semana, ou 20 minutos de exercício vigoroso três dias por semana, ou alguma combinação dos dois.

As mulheres tendem a fazer menos exercício – 34% são inativas, em comparação com 28% dos homens, mas há exceções e variações regionais, como os mapas abaixo mostram. As mulheres na Rússia, Croácia, Luxemburgo, Grécia e do Iraque (para citar alguns) se movimentam mais do que seus compatriotas masculinas.

Malta ganha a corrida como a nação mais preguiçosa, com 72% dos adultos se exercitando muito pouco. Suazilândia e Arábia Saudita não ficam para trás no desleixo, com 69%. Em Bangladesh, por outro lado, apenas 5% dos adultos deixam de fazer exercício físico suficiente. Surpreendentemente, os EUA não fazem jus à sua reputação de preguiçosos. Seis em cada dez norte-americanos são suficientemente ativos, em comparação com menos de quatro em cada dez britânicos. Estes números são preocupantes. De acordo com outro estudo publicado no Lancet, a atividade física insuficiente tem aproximadamente o mesmo efeito sobre a expectativa de vida como fumar.

Fontes:
The Economist - A map of sloth

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *