Início » Vida » Ciência » O mistério da ancestralidade dos índios botocudos
Ciência

O mistério da ancestralidade dos índios botocudos

Pesquisadores brasileiros descobrem que ancestrais de tribo indígena viajaram mais de 7 mil quilômetros por mar, mas ninguém sabe como

O mistério da ancestralidade dos índios botocudos
Tribo dos Botocudos foi praticamente exterminada no século 19 (Foto: Reprodução/Internet)

De acordo com análises de DNA, os botocudos, uma tribo indígena da América do Sul famosa por alargar orelhas e lábios com discos de madeira e praticamente exterminada no século 19, teriam ancestrais polinésios, habitantes de ilhas distantes do Pacífico. No ar fica uma questão: como esses ancestrais migraram mais de 7 mil quilômetros por mar?

Um artigo publicado por um grupo de pesquisadores da UFMG, capitaneado por Sergio Danilo Pena, ajuda a eliminar hipóteses que seriam consideradas mais aceitas, ou menos impossíveis. Uma dessas hipóteses seria que os botocudos descenderiam de escravos de Madagascar que foram trazidos ao Brasil entre 1817 e 1843 por um navio negreiro fugindo de patrulhas britânicas na costa da África. Testes de DNA descartaram a possibilidade da migração dos índios de Madagascar.

A hipótese que resta seria uma improvável migração direta dos polinésios pelo Pacífico, anterior à época considerada oficialmente como a primeira entrada de homens no continente, cerca de 12 a 14 mil anos atrás.

“Acho que está na hora de ser humilde e declarar ignorância”, reconheceu Pena.

As pesquisas da equipe seguirão em busca da solução para o mistério da origem dos botocudos.

Fontes:
Folha-Ancestrais de índios viajaram 7.000 km pelo mar, e ninguém sabe como

2 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Os botucudos vieram parar no Brasil como todos os outros indígenas: caminhando. O nível do Oceano Pacífico era mais baixo, com mais ilhas e caminhos naturais. Quando o nível do oceano subiu, muitos foram submergidos. Daí o mito do dilúvio, comum até entre os povos primitivos.

  2. Joma Bastos disse:

    Meras suposições!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *