article image
Getty Images
Saúde do coração

De forte palpitação à morte súbita: o perigo do silêncio da arritmia cardíaca

por 1

fonte | A A A

Bastava a taquicardia começar que Teresa já sabia: era hora de se deitar em algum lugar para aliviar batidas cardíacas rápidas e repentinas. Teresa da Costa Gonçalves, de 66 anos, conviveu com a arritmia desde a puberdade e, aos 65, descobriu que a cirurgia era inevitável: “Havia chegado ao limite máximo de relutância”. Muitos, no entanto, confundem os sintomas da doença com os atribuídos ao estresse ou mesmo à Síndrome do Pânico. A morte súbita, provocada pela arritmia cardíaca, é a doença que mais mata no mundo.

“O coração faz normalmente uma seqüência de 60 a 100 batimentos por minuto. As alterações nesse ritmo são as chamadas arritmias”, explica o cardiologista Eduardo Saad, especialista em arritmia cardíaca do Instituto Nacional de Cardiologia e membro especialista da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas. Quando o coração bate menos de 60 vezes por minuto, a arritmia é chamada de bradicardia. Quando é mais de 100, taquicardia. As mortes súbitas provocadas por problemas cardíacos são bastante comuns, acontecem a cada cinco minutos em todo o mundo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas, 50% das mortes causadas por problemas cardiovasculares ocorrem subitamente.

Atualmente considerada uma epidemia mundial, a fibrilação atrial é um dos tipos mais comuns de arritmia cardíaca, o mais difícil de tratar e o que mais mata. A dificuldade de se comprovar a existência da doença acontece pelo fato de a fibrilação atrial poder ocorrer de maneira silenciosa, sem causar qualquer sintoma. “Frequentemente, os problemas elétricos do coração são ‘ocultos’, só é possível detectá-los no caso de se conseguir registrar um eletrocardiograma no momento em que os sintomas estão presentes. Fora da ‘crise’, todos os exames podem ser normais, não deixando marca”, explica o Dr. Saad, que afirma que a doença pode provocar a formação de coágulos no coração e, consequentemente, embolias, principalmente para o cérebro, o chamado Acidente Vascular Cerebral (AVC).

O caso de Teresa era grave. “A cirurgia era inevitável, pois já com 65 anos percebi que havia chegado ao limite máximo de relutância.” Teresa afirmou que as crises de arritmia eram esporádicas e não se apresentavam por causas definidas. “A taquicardia sempre foi minha parceira. No início os episódios eram totalmente imprevisíveis. Aconteciam quando estava sentada estudando, caminhando na rua, dirigindo, fazendo exercícios. Eles não dependiam de estresse.”

A paciente conta de um episódio em que, após fazer exercício com seu personal trainer, a taquicardia apareceu inexplicavelmente e apenas cedeu com injeção. “Fui para casa e, como de costume, deitei-me, mas ela não passou. Meu filho médico mandou que eu fosse diretamente para o hospital do coração. Ao passar por monitoramento, foram acusados 230 bpm.”

No Brasil, a doença é a quinta maior causa de internação no Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com o SUS, o mal faz anualmente 160 mil vítimas no Brasil. Nos Estados Unidos, a cada ano, 5 milhões de pessoas são atingidas pela fibrilação atrial e 350 mil morrem vítimas da doença. Atualmente, 10% da população norte-americana, acima de 80 anos, têm o mal. Na Europa, ocorrem 500 mil mortes por ano devido à doença. Uma em cada quatro pessoas pode desenvolver a fibrilação atrial a partir dos 40 anos de idade. “Acima dos 40 anos, o mal súbito mata mais do que câncer de mama, de próstata, Aids, assassinatos e acidentes de trânsito juntos.”

Muitas pessoas, no entanto, acabam considerando os sintomas da doença apenas sensações momentâneas. As batidas mais fortes podem surgir em uma conversa com amigos, ou mesmo dormindo. Disparos no coração, falta de ar, dor no peito, tonturas e até mesmo desmaios. Em muitos casos, o indivíduo confunde os efeitos com a Síndrome do Pânico. As batidas podem ser bem rápidas, mas comumente são desproporcionais ao grau de ansiedade ou esforço. Além disso, a sensação que causa é diferente de uma aceleração normal do coração.

Dr. Eduardo Saad analisa que, devido ao fato de a doença ser confundida com outros males, não só os pacientes mas também os próprios médicos minimizam a existência de arritmias.

Quase na totalidade dos casos, a arritmia cardíaca começa em um descompasso elétrico que tira o coração de seu ritmo normal — a chamada fibrilação ventricular. De acordo com Saad, é necessário um atendimento rápido. “A vítima perde 10% de chance de sobreviver a cada minuto sem ajuda.”

Teresa disse que, desde muito nova, via sua mãe, que morreu com 96 anos, deitando-se e pedindo um copo de água com açúcar para minimizar seus batimentos cardíacos, que, “de tão fortes, eram percebidos através da roupa”. Ela afirma que a arritmia não atrapalhou o seu desenvolvimento. “Fui criança, adolescente e adulta com atividades múltiplas, desdobrando-me entre estudos e atividades físicas. Fui nadadora, fiz ballet, dança de salão, participava de competições.” Ela conta, no entanto, que havia um certo constrangimento, por exemplo, ao terminar uma competição de natação e ter que deitar na borda da piscina para esperar normalizar a frequência cardíaca.

Como resolver?

A boa notícia é que a fibrilação atrial tem cura. Se as medicações existentes são capazes de controlar o problema em até 50%, o procedimento conhecido como ablação expande o controle para entre 85% e 90%. O Dr. Saad conta que o tratamento consiste na utilização de fios — cateteres — colocados dentro do coração para corrigir ritmos anormais, o que elimina os sintomas.

Na ablação, a lesão provocada no tecido cardíaco por meio da cauterização não deve ser excessiva, uma vez que pode furar o coração ou mesmo provocar formação de coágulos. A técnica do eco intracardíaco, uma microcâmera dentro do coração, é um caminho utilizado pelos médicos para minimizar riscos. O mais complexo deste tipo de tratamento é a chamada ablação de FA, que exige um maior número de cauterizações.

O especialista defende a importância de deixar disponíveis desfibriladores em locais de grande movimento. Esses aparelhos fazem um eletrocardiograma imediato e, se necessário, disparam um choque calculado para recuperar o ritmo cardíaco. Eles podem ser manipulados por leigos e, em alguns casos, aumentam em até 70% as chances de sobrevivência.

No caso de Teresa Gonçalves, foi feita uma ablação. “Esta cirurgia em condições habituais leva cerca de 1 hora; a minha durou quatro horas. Havia quase a indicação para colocação de marca passo. Hoje, depois de quase 12 meses, não mais tive episódios de taquicardia e não faço uso de medicamentos”.

O marcapasso é um aparelho que gera impulsos elétricos aplicados diretamente no coração e que estimulam o batimento cardíaco. O implante é indicado quando as bradicardias são sintomáticas e perigosas. Cada vez mais marcapassos são implantados em todo o mundo.

O tratamento para a arritmia vai depender do tipo específico da doença. Em alguns casos, o uso de medicação é suficiente para prevenir a ocorrência de novos episódios arrítmicos.

Então, como saber se alguém tem arritmia cardíaca?

As pessoas devem procurar um cardiologista para detectar os fatores de risco — como hipertensão, diabetes, obesidade, história familiar de morte súbita — e fazer exames preventivos. O primeiro passo é um eletrocardiograma.

Atualmente, as pessoas, após conhecerem os sintomas da doença, devem esperar que eles ocorram novamente e fazer um registro com eletrocardiograma durante a “crise”. É preciso um pouco de sorte de ter os sintomas e conseguir registrar o eletro. Há a disponibilidade do uso de um monitor que grava o eletrocardiograma por sete a 15 dias, esperando que a “crise” venha nesse período. A ação pode ser feita em um serviço de emergência de forma imediata, e o paciente ser examinado enquanto a aceleração está presente.

Existe também o teste provocativo. Se os sintomas justificam, essa avaliação deve ser detalhada. Nesse caso, há uma avaliação específica da parte elétrica do coração através de um cateter que pode dar a resposta definitiva – o chamado Estudo Eletrofisiológico.

“Caso se comprove sua existência, a arritmia pode ser tratada definitivamente por cauterização no local afetado, processo denominado de ablação por cateter. A grande maioria dos casos de arritmias pode ser curada com esse método, sem a necessidade do uso de remédios. Tudo isso por um pequeno furo com agulha em uma veia da virilha, sem pontos ou cortes”, conclui o cardiologista especialista em arritmias.

Quais os maiores alvos da doença?

Apesar de a fibrilação atrial poder ocorrer em qualquer indivíduo, de qualquer idade — há casos de arritmias primárias — as pessoas mais propensas são as que já tiveram um problema cardiovascular, como enfarte, isquemia, insuficiência cardíaca e lesões das válvulas. De acordo com o Dr. Saad, pessoas mais idosas e mulheres jovens são alvos mais comuns.

Os alvos podem estar até mesmo nas academias, quando frequentadores não apresentam os exames médicos necessários antes de começarem os exercícios de musculação.

Conheça o site do Dr. Eduardo Saad.

De volta ao topo comentários: (100)

Sua Opinião

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Estado

Cidade

  1. Eva disse:

    Peço a todos que suspeitam de sintomas, ou saibam que tem o problema que se CUIDEM. POR FAVOR, SE CUIDEM. Vamos diminuir esse numero alarmante de mortes por problemas cardíacos.
    Enterramos ontem meu irmão de 38 anos, morreu de ataque cardíaco dentro da casa dele, e ele não sabia que tinha problemas, pois nunca havia sentido sintoma algum.

  2. telma meneses disse:

    DR.SAAD OLA ,MINHA MAE TEM 73 ANOS E ESTA COM BATIMENTOS E DISPARO NO CORAÇAO, SO QUE JA FEZ VIRIOS EXAME E O MEDICO DISSE QUE NAO DA NADA MAIS ELA COTINUA SENTIDO , OQUE DEVEMOS FAZER ?OBRIGADA.

  3. cleion disse:

    Dr. Saad ola, sou cleiton. eu gostaria de saber por que meu coraçao palpita as vezes quando estou parado ou sentado no sofa ja fui ao medico ele me falou que eu nao tenho nada. por que acontece isso comigo? da uma respot para mim muito obrigado dr

  4. gilson disse:

    eu estou passando por isso, toda vez que termino de almoçar deito um pouco e o coraçao começa a acelerar as vezez tenho que deitar de bruços e variar posiçoes para melhorar. o que faço, e apos eu beber no final de semana fico com o coraçao parece que vai parar. alguem pode me ajudar.. tenho 36 anos.. peso 96 kl

  5. maria lucia de santana disse:

    dr Eduardo bom dia ontem fui a minha medica para uma consuta pre operatória e ao ver meu eletrocardiograma ele detequito arritmia cardíaca gostaria de saber quaiso ricos eu iria fazer uma laparoscopia que foi cancelada ate o cardiologista me avaliar

  6. Ronildo disse:

    Dr. Saad, boa noite…..por favor nos auxiliei….temos uma filha de 22 anos que sofre com este problema de arritmia cardíaca, inclusive toma medicamentos para corrigir o problema. Ocorre que toda vez que passa mal corremos com ela até o Pronto Socorro, lá toma medicamento intravenoso e imediatamente volta ao normal…..o grande problema e que acreditamos que se agrava, é que ao início da taquicardia ela fica muito nervosa, assim nos parece ser pior a recuperação. Já tentamos conversar com ela, pra que se acalme, pra que pense positivamente, mas ela não consegue se controlar…pra ter uma idéia, quando está no Pronto Socorro, basta olhar para o aparelho que está medindo os batimentos cardíacos pra aumentar ainda mais.
    Gostaríamos muito de saber em que situações são indicados a ABLAÇÃO…..todos os exames dela dão ok., já fez eletro, já ficou com aparelho pra monitorar, já fez teste de esforço físico e nada…..
    Não temos condições de pagar um tratamento particular especializado, dependemos do SUS e lá já viu, é muito complicado.
    Por favor, se puder nos oriente….

  7. Si maria disse:

    Doutor aguardo resposta no meu i-mail faz tres dias que tive uma crise de arritmia,tive tontura,palidez,falta de ar e minh pressao ficou18x9,e no outro dia fiquei com dor toraxia,como se eu tivesse levado um murro,vou ao meduco segunda feira,acha que devi ir mas cedo? Tenho historia familiar,perdir 3 tios,avis,primo,prima todos de morte subitas,preciso de sua resposta Doutor,obrigado.

  8. ANTONIO CARLOS DESOUSA disse:

    EU TENHO ARRITIMIA PALPITAÇOES VIBRILAÇAO EU TOMO MEDIOCAMENTO MAS DE VEZ ENQUANTO ME DAR ISSO EU TOMO O CONCOR 10MG PROPRATONOL . HAMAPRIL DILTIAZEM ATENOLOL ISSO FOCIONAL DOUTOR SAAD QUE DEVE FAZER ISSO PODE MATA ME RESPONDA POR IMAIL EU JA PASSEI POR VARIOS CARDIOLOGISTA ELES SO PASSAM MEDICAMENTO E MANDA PARA CASA TUDO PARTICULAR QUE NO SUS NAO TEM NA MINHA CIDADE NEM PREFEITO .

  9. MARCUS ARNAULD disse:

    Olá…
    Faz mais ou menos um ano que eu tenho sintomas como o senhor relatou a cima : dor no peito, palpitações, mal estar, aceleração do coração, suor nas mãos, parece que vou morrer com um ataque cardiaco. Já procurei diversas vezes a emergencia de varios hospitais quando estava tendo estes ataques, ja fiz holter 24h, eletro, exame de sangue, de esforço, mas nunca marcou nada. Meu cardio disse que não tenho nada no coração e mandou eu procurar um psiquiatra. O psiquiatra diagnosticou que tenho sindrome do panico e me deu citalopran pra tomar. Estou usando o medicamento a dois meses mas continuo tendo crises fortes. Estou com medo de ter arritmia e os médicos não conseguirem diagnosticar. Hoje mesmo , estava sentado conversando quendo meu coração disparou e parecia que ia morrer. ai tomei agua, respirei fundo e foi passando. Por favor, me diga o eu devo fazer, pois não quero morrer com arritmia. Eu tenho 31 anos. sou fumante a bastante tempo e tenho costume de beber nos finais de semana. Aguardo uma resposta sua. Obrigado!!

  10. Geraldo Lage disse:

    Dr. Saad…

    Tenho 40 anos e desde os 16 tinha Taquicardia Ventricular que controlei com amiodarona. Aos 38 anos comecei a ter problemas de tireoide e optei pela ablação. Fiz o primeiro procedimento em janeiro de 2013 mas tive de repetir em março com o uso da punção transceptal pois a arritmia estava também no musculo papilar. O procedimento foi um sucesso segundo os médicos. Passados uns oito meses comecei a perceber que sentia um pouco de falta de ar principalmente ao deitar do lado esquerdo. às vezes quando acordo à noite parece que sinto um tremor no coração, coisa bem pequena (bem diferente do que sentia antes com a TV). Daí, levanto da cama um pouco e quando deito sinto que desapareceu por completo a sensação… Fui ao médico e ele receitou ramipril 2,5 mg mais concor 1,25 mg dia e a falta de ar melhorou muito, tanto que levo uma vida normal. Gostaria de saber se deitar do lado esquerdo de alguma forma pode interferir nos batimentos e causar algum outro tipo de arritmia? O que pode ser essa falta de ar que sentia pois o médico não me deu muita explicação não. Obrigado… Aguardo resposta.

  11. Sara Fernandez disse:

    olá tenho 51 anos , e tenho prolápso na valvúla mitral,a uns 2 anos comecei ter episódios de arritmia, com os batimentos descompassados (fora do rítimo), as crises duram em torno de 2 minutos ,só que a saúde aqui na minha cidade é precária ,os médicos daqui ainda mandam tomar coca-cola pq dizem ser gases..rsrs…tem que rir pra não chorar..me oriente por favor Doutor ..grata.

  12. rosecleide disse:

    sinto aceleração cardíaca sem esforço físico e depois fica região toda dolorida por vários dias, estou com medo.

  13. magra amorim disse:

    Doutor,a algumas semanas sinto meu coração acelerar,sinto como se fosse um choque e uma sensação horrível parece que vou ate morrer,já fiz um ecocardiograma,electrocardiograma, teste de esforço e não deu nada,agora vou fazer um Holter 24horas,já não sei o que isso,isso só acontece quando to deitada,o que pode ser.obrigado

  14. Severina maria do nascimento disse:

    Tenho arritmia e tomo medicamentos,gostei muito em saber tudo,pois realmente so descibrir quando fiz o exame na crise.

  15. amarildo da silva disse:

    caro doutor desde de que me consultei com um cardiologista devido a alguns problemas com a pressão passei a sentir alguns batimentos no peito fora do normal. eu nunca avia sentido isto. sera que pode ser por causa da medicação no começo ele me passou dois losartana de 50 e um idrocotiazida de 25 no começo comecei a passar mal e então retirei um losartana e passei a tomar só um minha pressão normalizou mais agora tenho este batimernto mais rapido dura uns 2 segundos e não é toda hora mais estou preocupado. meu pai morreu de chagas.

  16. regina célia malta de freitas disse:

    FUI AO MEDICO COM FALTA DE AR DEU ARRITIMIA FUI MEDICADA MAS NÃO ME DERAM NEM UMA MEDICAÇÃO PARA TOMAR EM CASA OQUE EU FASSO SE ELA VOLTAR

  17. tatiana santos disse:

    e que ja fiz varios exames tipo testi ogometrico holte acocadiograma com dolppe e os medico falarao que derao uma pequena aritimia e passarao propronol 40 tomo metadi duas vezis al dia mas e os medico falarao que nao tenho com que me preucupa pois eu estol apena s com sidrome do panico e pasarao um remedio pra depreçao mas tei o horas que sinto como tivençei dando ums biliscao em meu peito isso e normal doutor me ajundi pois ja foi e mas de 10 cardiologista e todos fala que nao tenho com quer me preucupa mas eu tenho muito medo de morre pois tenho um filho de 15anos que ja pasaou por uma trauma muito gradi a 3anos atra condo perdi m meu marido e nao tenho niguei por mim nei por meu filho alia so deus me ajudi pois nao tenho presao alta e nao fumo e nei bebe eu estol numa aria de risco com essis sitoma

  18. Kleber Maia disse:

    Estou com arritimia faz 3 anos quando foi detectada por exames cirurgicos procurei um cardiologista e fui medicado porem ele nao viu malignidade no meu caso, pois realmente fiquei sem os sitomas por estes anos so que ela voltou agora de forma bem mais forte o coracao batento completamente fora do compasso muito desagradevel parece que ele vai sair pela boca, ja fiz varios exames ecocardiograma deu normal, o holter deu alterado todas as tres vezes que fiz estou com ercometrico narcado e outro holter quería saber quando vai chegar a uma conclusao final meu coracao bate lento fica palpitando, e sinto ate falta de aquardo resposta atenciosamente.

  19. cleuza gomes de souza disse:

    Ao deitar do lado esquerdo sinto como se estivesse pressionando o coração e ele pulsa forte nas axilas.Sinto muita dor nas pernas e cansaço ao subir escadas.´Não consigo correr ,é como se tivesse com cãibra nas batatas das pernas.As vezes sinto o coração bater como se tivesse fora da pele

  20. marcelo bernardinelli disse:

    ola!
    sou marcelo tenho 28 anos, e quando ando de patins, meu coração parece bater 300 por minuto,
    começa a dar falta de ar, dor no peito, o que pode ser?

  21. ENILSON disse:

    ha 15 dias SINTO DiSPAROS NO CORAÇÃO, UMA SENSAÇÃO QUE PARECE QUE VOU MORRER SOBE UMA COISA ESQUISITA NA GARGANTA QUE ME SUFOCA E CHEGA ATE TOSSE. O QUE PODE SER?

  22. Geni Gomes disse:

    Bom dia!
    Me chamo Geny, tenho 40 anos e a poucos anos descobri que sofro de insuficiencia da válvula mitral, canso com qualquer esforço e de vez em quando meu coração dar umas disparadas que ate penso que vai parar, qualquer stress q tenho ele fica com batimentos fortes, tdo isso tem a ver com o meu problema? posso ter alguma piora?

  23. Odete Fernandes disse:

    Boa noite:
    Me chamo Odete e tenho 52 anos, Dr, já fis eletro, cintilografia coloquei Holter, em fim e segundo os médicos não deu nada, mas continuo sentindo muito disparo no coração, as vezes demora para dar, e quando vem passa rápido, só que quando foi agora dia 06/07 sábado eu estava tranquila e de repente me deu um forte disparo no coração e junto senti um pouco de dor no meio do peito,e ficou mais o menos um minuto e meio batendo muito forte, confesso que fiquei bem assustada deitei um pouco e esperei passar, e assim foi feito, de la para cá ainda vem alguns disparos porem fracos, o que o senhor me aconselha. muito obrigada.
    Att: Odete

  24. cristina disse:

    Drº coloquei uma prótese para fechamento de CIA e desde então sinto palpitações ( batimentos irregulares e sensação de que sairá pela boca ) e as vezes tonturas. Tais sintomas estão me atrapalhando a exercer minhas atividades cotidianas. Meu médico não me informou acerca desses sintomas e disse que não costumam acontecer. É possível resolver estes problemas? Que especialidade de médico procurar? obrigada, aguardo- por favor- orientações.

  25. ROSA ALVES SILVA disse:

    BOA NOITE!!!
    OI DOUTOR SAAD, ME CHAMO ROSA, A NOVE MESES DESCOBRI QUE TENHO ARRITMIA, ME SINTO MUITO MAL, QUE ACHO QUE VOU ATÉ MORRER, JÁ TOMEI MUITOS MEDICA MENTOS COMO: SELAZOK, ATENALOL, ANCORAN, CETALOL, MAS QUANDO TOMO SINTO MAIS PALPITAÇÕES. DOUTOR EU TOMO LOSARTANA POTÁSSICA COM HIDRÓXIDODEAZIDA PARA PRESSÃO ALTA, MAS PERCEBO QUE O MESMO NÃO ESTÁ ME FAZENDO BEM, SINTO MUITA PALPITAÇÃO, FAÇO ACOMPANHAMENTO MÉDICO, E O DOUTOR SOLICITOU QUE EU FAÇA UMA ABLAÇÃO, GOSTARIA DE SABER QUAIS OS RISCOS E SE É IMPORTANTE FAZER COM O ESPECIALISTA, POIS A CIDADE AONDE MORO A MEDICINA NÃO É TÃO BOA, POR ESSE MOTIVO TENHO MEDO. TENHO 42 ANOS, MAIS QUERO VIVER MAIS. DOUTOR PELO AMOR DE DEUS ME RESPONDA. EU COMECEI A SENTI, APÓS TER FEITO UMA CIRUGIA DE RETIRADA DO ÚTERO. OBRIGADA E AGUARDO PEDINDO À DEUS QUE VOCÊ ME RESPONDA.

  26. JESSICA ALVES disse:

    BOM DIA.
    OI DOUTOR EDUARDO SAAD, EU ME CHAMO JESSICA E GOSTARIA QUE VOCÊ ME TIRASSE UMA DÚVIDA, A DÚVIDA É A SEGUINTE: MINHA TIA TENHE ARRITMIA, E DESDE QUE ELA DESCOBRIU QUE TINHA ARRITMIA, ELA FAZ O ACOMPANHAMENTO MÉDICO, TOMA MEDICAÇÃO,SÓ QUE ELA SE SENTE PIOR E AGORA O MÉDICO DISSE QUE É NECESSÁRIO ELA FAZER UMA ABLAÇÃO. E EU GOSTARIA DE SABER QUAIS SÃO OS RISCOS E SE É IMPORTANTE ELA FAZER A ABLAÇÃO COM UM ESPECIALISTA?

  27. wagner disse:

    ha 15 dias SINTO DiSPAROS NO CORAÇÃO, UMA SENSAÇÃO QUE PARECE QUE VOU MORRER SOBE UMA COISA ESQUISITA NA GARGANTA QUE ME SUFOCA E CHEGA ATE TOSSE. O QUE PODE SER?

  28. aparecida disse:

    Tenho taquicardia, ja diagnostica por medicos, como devo fazer para melhorar minha vida, pois elas sao fortes demais

  29. debora disse:

    boa noite doutor fui diagnosticada a uns anos com a simdrome do pânico , dez de lá tomo medicamentos calmantes clonazepam de 2mg para poder me acalmar , já fiz eletrocardiograma e ecocardiograma que não acusou nada assim disse a minha cardiologista mais o meu exame veio escrito refluço mitral leve e ela disse que isso é normal ! e eu sinto o meu coração dar uns pulinhos mais rapido da umas 3 batidas rapidas e volta ao normal. isso é comciderado normal? por que ela me passou o exame de esforço que faz na esteira e eu ainda vou fazez esse exame.

  30. geovana barbosa disse:

    Tenho arritmia,e quero saber tudo a respeito.Este texto é muito esclarecedor.Dessa forma fico mais tranquila quando estiver em “crises”.Obrigada!!!

  31. francisco de assis disse:

    sinto que de vem enquanto meu batimento cardiaco altera ai tomo um ocadil e me acalmo. estou muito estressado ultimamente e sinto isso 3 ou mais veses por mes o ocadil tem contra indicaçao. obrigado

  32. Alan Cardoso disse:

    Parabéns pela matéria!
    Tenho 19 anos e descobri que tenho arritmia no dia 16.05.2013, após descer uma escada e o coração “disparar”. Após, fui atendido no hospital que realizou os eletrocardiogramas.
    Marquei uma consulta em um médico especializado, que provavelmente irá indicar a cauterização. Dia 28.05 será a consulta. Enquanto isso, aguardo repousando em casa.

  33. LUIZ disse:

    olha eu fico feliz por voces mostrar o que e sobre as doenças isto ja tem me ajudado muito e ate mesmo outras pessoas obrigado de coraçao luiz

  34. Paulo Aguirre disse:

    Boa noite!!

    Hoje exatamente faz um ano que coloquei uma válvula no coração e consequentemente um marcapasso,não era o caso,sim a válvula,mas tive arritmia pós cirúrgico,e estava muito bem,hj depois de um ano,sinto meu coração disparar(as vezes)dá uns pulos que sinto na roupa,se estou nervoso,ou aprensivo,tomo marevan e atenolol 25,gostaria de saber se isso é normal ou alguma consequência,já que sou muito agitado e não paro nunca.

    Agradeço a atenção e ajuda.

    Aguardo algum retorno por e-mail.

    Obrigado!

    Att

    Paulo Aguirre

  35. braion disse:

    TEM DUAS SEMANAS DIRETA QUE SINTO DESPAROS NO CORAÇÃO, UMA SENSAÇÃO QUE PARECE QUE VOU MORRER SOBE UMA COISA ESQUISITA NA GARGANTA QUE ME SUFOCA E CHEGA DA ATE TOSSE. O QUE PODE SER eu sinto a mesma coisa agora ja fiz 3 eletrocardiograma e nao deu nem um problema

    meu coraçao bate uma ou duas vezes mais forte umas 5 ou 6 vezes por dia agora !
    o que pode ser ?

    agradeço desde já !

  36. samara silva braga disse:

    TEM DUAS SEMANAS DIRETA QUE SINTO DESPAROS NO CORAÇÃO, UMA SENSAÇÃO QUE PARECE QUE VOU MORRER SOBE UMA COISA ESQUISITA NA GARGANTA QUE ME SUFOCA E CHEGA DA ATE TOSSE. O QUE PODE SER?

  37. Roberto Cruz disse:

    Bom dia Doutor!
    Eu atualmente tomo o medicamento SELOZOK, 25mg + Anlodipino 10mg, arritimia + pressão alta, gostaria de saber se o remédio de arritimia eu vou ter que tomar por toda vida.

  38. Marcos Vinicius disse:

    Tenho 14 anos, sinto muita falta de ar,muita dor no peito e as vezes algumas palpitações, tenho mais palpitações quando pratico um esporte, a ultima vez que pratiquei fiquei com muita dor no peito e forte batimentos cardíacos, fico com medo de ir á escola, porque sempre que vou sinto mal estar e parece que eu vou desmaiar, tenho muita vergonha de desmaiar na frente de todo mundo, estou perdendo matéria na escola e isso está me afetando muito, um dia desmaiei na casa de um amigo e fiquei constrangido, no outro dia minha mãe procurou um neurologista, fiz eletroencéfalograma , mas não acusou nada, eu sei que meu problema está no coração, agora vou fazer ECG e raio X do tórax, tenho esse problema já faz quase 5 meses, as vezes melhora e as vezes piora, mas nesses ultimos dias está muito ruim, como eu uso o SUS e demora muito não sei se espero fazer os exames, ou passo com um clínico mesmo, talvez se eu estiver muito ruim na emergência de um hospital público, pois não tenho convênio, agora se eu passar em um clínico ele vai adiantar pra alguma coisa, ou vai mandar esperar os exames? não quero mais esperar, estou muito mal, e se eu esperar, as coisas podem piorar? tenho medo. O que fazer?

  39. ÉLIS disse:

    Pessoal , Tenho 13 anos , começei fazer academia áh duas semanas , e aparesceu veias nos meus seios , estou preucupada , Isso é normal??

  40. EDSON ALVES disse:

    Fui diagnosticado com sídrome do pânico em 2007, tomo medicamento contra
    o pânico e para controlar a pressão arterial, eo médico me disse na época que
    o remédio da pressão tb seria para a arritmia (Atenolol), mas de vez em quando levo
    um tremendo susto quando meu coração dispara e volta ao normal, minhas pernas
    chegam a doer, e não tenho muita confiança me atrapalhando até a dormir direito.

  41. Patricia disse:

    Tenho palpitacoes que sao irregulares! De repente, um ou dois batimentos saem fora do bumbo! Tipo um susto! Tem vezes que sao mais de 2 vezes, me causando mal estar, tontura e um certo panico! E sao totalmente aleatorios, as vezes 2x por dia, as vezes 1 vez por mes…
    Estou usando o aparelho para pegar o batimento fora do bumbo, mas logico, que ele nao quer bater fora agora… rs
    Meu problema, eh que moro fora do Brasil, ai fica meio comprometida a comunicacao com o medico, com os procedimentos e etc. Essa materia me esclareceu um pouco mais sobre o assunto, uma vez que soh encontro materias repetidas internet afora…

  42. fransueli lopes disse:

    sinto palpitaçoes ,fincadas no peito e ñ consigo dormir do lado esquerdo pois eu cinto meu coraçao batendo bem açelerado e vai diminuindo dando a impreçao que ja vai parar de bater . fico com medo parece q ja vou morrer e parece q tem uma pera em cima do meu peito. isso pode levar a morte

  43. Vera Lucia Fagundes Fernandes Soares disse:

    Eu uso marca passo tenho braquicardia e agora estou tendo taquicardia o coração acelera e me sinto mal e pelo controle no marca passo acusa que qdo isso acontece os batimentos vão de 80 a 110 + ou -, eu tomava atenolol + começou a baixar a pressão e o médico mudou para Ancaron+ eu sinto muita tremedeira por causa do remédio.
    Eu sempre pensei que o marca passo ajustava os batimentos tantona braqui como na taquicardia…isso não é possivel?

  44. Lucas Monteiro disse:

    Tenho palpitações e rara as vezes tenho crise de taquicardia,normalmente com durações de no máximo 3 a 5 min,mas a ultima vez durou mais de 20 min,fiquei com medo e fui ao médico.Não sei se devo me preocupar demais com isso,esse medo de acontecer de novo só piora minha situação,me faz ficar nervoso e ansioso.Fiz exame com Houtter mas ainda não saiu o resultado,só queria saber se isso é motivo pra se preocupar tanto.Quando tenho uma crise de taquicardia não sinto nada fora do comum,não sinto falta de ar,dores,tontura,nada além do coração batendo a milhão,mesmo assim fico com medo,pode ser perigoso essas crises?

  45. Elaine Teroso disse:

    tenho palpitaçoes, tonturas,falta de ar …as vezes vem a tontura e em seguida o coraçao acelera…já tive até desmaios.Sinto isso desde os 15 anos de idade ..sempre vai e volta as crises, já fiz uns exames e o médico disse q nao deu nada,que deve ser estresse e q na minha idade (27 anos)é dificil ter problema de coraçao,mesmo sabendo q meu pai tinha.
    Agora fico com medo,nao sei se procuro outro médico ou se nao é preciso…o q eu faço???

  46. Angel disse:

    Atenção aos que gostam de termogênicos, para potencializar efeitos de exercício físico e emagrecimento. Muitos deles contêm cafeína em quantidades imensas e podem provocar arritimia cardíaca. Na verdade, está escrito em letras mínimas. Eu estava tomando um desses suplementos e fui à uma festa. Após a uma dança, meu coração começou a acelerar e fiquei com mal-estar. Ao ir a um médico, ele me falou que o termogênico poderia estar provocando.este efeito colateral

  47. juliana disse:

    quero saber se tenho palpitações tenho umas batidas diferente no coração mas faz mai ou menos dois mês q comecei a ter ansiedade gostaria d saber c pode ser da ansiedade pois nunca tive isso antes c alguem puder me ajudar obrigado

  48. Bira disse:

    Excelente matéria

  49. rita disse:

    estou tendo frequentemente palpitaçoes e falta de ar vou na emergencia do cardiologia faço eletro e nada aparece fico ate constrangida a medica me examina e fala que pode ser estresse ou ate mesmo depressão amanhã vou botar o holter para saber melhor agora so quero ver se enquanto eu tiver com o holter não vai dar nada ai sim .

  50. Manuela disse:

    Difícil, mesmo me interessando pelo assunto conseguir ler uma matéria de porte grande com vontade até o fim. Parabenizo o trabalho de pesquisa e reportagem.