Início » Vida » Saúde » Dia Mundial da Incontinência Urinária
Saúde

Dia Mundial da Incontinência Urinária

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O problema que afeta uma entre três pessoas acima dos 60 anos e causa, muitas vezes, constrangimento e afastamento do convívio social, tem uma data marcada no calendário. No dia 14 de março é o Dia Mundial da Incontinência Urinária, data para reforçar a importância do tratamento adequado e as consequências da doença.

A incontinência urinária, mais comum em pessoas idosas, consiste em perda involuntária de urina. Nessa faixa etária, as mulheres são duas vezes mais afetadas, atingindo cerca de 25% das mulheres após a menopausa.

“Mas, ao contrário da crença popular, a doença não é uma consequência normal da idade, embora os músculos do trato urinário possam perder algum tônus quando nós envelhecemos”, diz a endocrinologista do Bronstein Medicina Diagnóstica/ DASA, Yollanda Schrank.

A incontinência urinária pode ser transitória, como em consequência de infecção urinária, constipação intestinal, uso de certos medicamentos, obesidade, desordens psicológicas ou associada a deficiência de estrogênio. Nestes casos, pode haver reversão da incontinência após o tratamento da causa subjacente ou pode haver persistências dos sintomas e até mesmo piora progressiva, caracterizando incontinência persistente. Nas mulheres, também é comum que a incontinência aconteça após o parto ou após cirurgias ginecológicas.

“É importante ressaltar que na maioria dos pacientes, a incontinência persistente pode ser melhorada com o tratamento apropriado, seja medicamentoso, comportamental e através de exercícios para a musculatura pélvica e perineal”, diz a médica. Em casos extremos, está indicado o tratamento cirúrgico para reparar o mau funcionamento dos músculos ou tecidos do trato urinário.

Na presença de sintomas sugestivos de incontinência urinária um médico urologista deve ser consultado para fazer o diagnóstico da causa e individualizar o tratamento, que pode passar pelo emagrecimento, até a fisioterapia.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. luiz antonio vieira barbi disse:

    MUITA COMPLICAÇÃO!!!! ANTIGAMENTE SEMPRE SE RECOMENDAVA ANDAR A PÉ, DESDE A MAIS TERNA INFÂNCIA…NESTE ARTIGO SE DIZ EM REFOÇAR A MUSCULATURA PÉLVICA E PERINEAL…NADA MELHOR QUE ANDAR A PÉ.
    PORÉM, EM NOSSO MUNDO DESESPERADO, NENHUMA RECEITA EFICAZMENTE SIMPLES É VALIDA…SEMPRE SE OPTA PELA CONFUSÃO, QUE, SEMPRE TERMINA EM ALGUM CONSUMO DE ALGUMA COISA, NO CASO, FRALDAS GERIÁTRICAS…
    QUE EU NÃO SEJA CENSURADO.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *