Início » Vida » Saúde » Esquizofrenia: vivendo dentro e fora da realidade
Saúde mental

Esquizofrenia: vivendo dentro e fora da realidade

A doença é comum e acomete cerca de 1% da população mundial. Confira a matéria exclusiva de Emanuelle Bezerra

Esquizofrenia: vivendo dentro e fora da realidade
O paciente começa a se isolar no mundo que constrói com seus delírios e alucinações e fica inacessível ao mundo exterior (Foto: Wikimedia)

“Nunca soube diferenciar muito bem o que eu vivia de verdade e o que eu inventava”. Diva O. teve que conviver com esta vida dividida entre o real e o imaginário até o casamento, quando seu marido percebeu algumas características incomuns e a levou ao psicólogo. Ela logo foi encaminhada a um psiquiatra que finalmente a diagnosticou como portadora de esquizofrenia. A doença, que acomete cerca de 1% da população mundial, não é tão facilmente identificada. Diva passou toda a juventude apresentando os indícios, mas sua família nunca desconfiou que a menina que queria morar em um submarino acreditava mesmo que fazia parte da “Força Secreta de Inteligência do Brasil”.

A perda de contato com a realidade é um dos principais sintomas para o diagnóstico, traçado a partir do histórico do paciente. Não há causas exatas e nem ao menos um exame laboratorial específico. O que se sabe é que a esquizofrenia é uma doença relativamente comum e que seus portadores podem experimentar mudanças na sua forma de pensar e sentir. Com isso, suas relações afetivas e sua capacidade de viver em sociedade podem ser prejudicadas.

Para muitos pesquisadores a esquizofrenia é resultado de uma combinação de fatores genéticos e ambientais. O Dr. Miguel Jorge, professor associado do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP, acredita que a hereditariedade é um fator importante, mas que o ambiente deve ser de igual forma observado. Ele exemplifica com gêmeos univitelinos, que caso um deles apresente a doença, a probabilidade de o outro também apresentar é de 60 a 70%. “Como eles têm exatamente a mesma carga genética, se a esquizofrenia fosse determinada apenas por fatores genéticos, esta probabilidade deveria ser de 100%. Isto demonstra que fatores psicossociais também contribuem para a determinação da esquizofrenia”.

Diva foi a primeira em sua família a apresentar o transtorno, mas para sua surpresa seus três filhos, todos homens, com idades de 22, 19 e 18 anos, também desenvolveram a doença na adolescência. Apesar de já ter sido tranquilizada inúmeras vezes pelos médicos e terapeutas que acompanham a família, ela se culpa pela condição dos meninos. “Em mim a doença apareceu mais tarde. Eu já tinha meus 27 anos. Já meus filhos desde muito novos foram diagnosticados. Eu sei que é por conta de alguém como eu tê-los educado”. Quanto à idade para o surgimento da doença ela está enganada, pois segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria a esquizofrenia se manifesta mais tarde nas mulheres, entre os 20 e 30 anos, e nos homens o aparecimento ocorre no início da adolescência, por volta dos 15 anos.

Wagner Gattaz, psiquiatra e professor do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo, acredita que a esquizofrenia é uma doença própria da condição humana. Ele baseia-se no fato do transtorno se manifestar universalmente, em todas as etnias, culturas e classes. Em entrevista ao portal do médico Drauzio Varella, ele diz que nem tudo pode ser explicado pela genética, mas usa o mesmo exemplo do Dr. Miguel Jorge, o caso dos gêmeos, para dar maior destaque à hereditariedade. Os dois médicos concordam, entretanto, que os fatores ambientais são muito mais profundos do que, por exemplo, a criação dada à pessoa, como pensa Diva. Eles variam das condições obstétricas, período do ano em que a pessoa nasce — há um número maior de portadores da doença nascidos nos meses mais frios –, a dieta e até mesmo o uso de drogas na adolescência. Dr. Gattaz completa dizendo que a doença é realmente muito comum. Em cada 100 mil habitantes, surgem de 30 a 50 novos casos por ano. Atualmente, 5% da população mundial têm esquizofrenia. No Brasil, segundo o psiquiatra, há 800 mil habitantes portadores da doença.

Confusão de pensamentos

Existem vários níveis de manifestação da esquizofrenia. Na fase inicial, os transtornos do pensamento, os delírios e as alucinações são os sintomas mais comuns. Os delírios são gerados a partir de um julgamento errado a respeito da realidade. Mesmo que haja provas contrárias à crença do indivíduo, ele fica tão convicto que não aceita a argumentação lógica. Além disso, o portador tem a sensação de que os seus pensamentos estão sendo influenciados, controlados ou até mesmo transmitidos para fora da cabeça. Há ainda os que acreditam ter poderes especiais ou funções excessivamente importantes para o mundo.

Em outro momento podem ocorrer alucinações, que são percepções falsas, mas que para o doente são extremamente reais. As mais comuns são as auditivas, que fazem o paciente pensar que está ouvindo barulhos, músicas e vozes. Elas podem ser claras ou apenas sussurradas. Muitos pacientes relatam ouvir ordens e comentários a respeito das outras pessoas. Um portador de esquizofrenia pode também ver objetos e até mesmo pessoas, com as quais passa a interagir. Em um momento mais avançado há alucinações olfativas e gustativas, que em geral ocorrem juntas, quando o indivíduo sente cheiros e gostos ruins. Também há alucinações táteis, que são sensações de toque, picadas, insetos rastejando sobre a pele e choques elétricos.

Outro sintoma da esquizofrenia são os distúrbios formais do pensamento. A pessoa tem dificuldade de fazer conexão entre um tópico e outro, na falta de palavras para se expressar ela cria novas, repete sílabas e passa a emitir sons ao invés de dizer o vocábulo completo. Além disso, ela pode sofrer bloqueios de pensamentos e assim deixar a fala desorganizada ou fragmentada. A comunicação verbal pode se tornar impossível para os pacientes. Nesta primeira fase já é possível identificar o tipo de esquizofrenia que o indivíduo apresenta. Entre os mais comuns estão a paranóide, catatônica, simples e depressiva, ainda que não se faça mais nenhuma categorização da doença.

De acordo com o Dr. Miguel Jorge, o delírio paranóide e as alucinações são os mais prejudiciais, pois eles comprometem a vida cotidiana do paciente. O delírio paranóide geralmente acontece na fase aguda da doença e pode desaparecer na fase crônica, dando espaço para outros tipos de manifestação. O professor explica ainda que a esquizofrenia é um quadro essencialmente psicótico e assim pode não existir diferença alguma entre os sintomas característicos da fase aguda da doença e os de outras psicoses. O comprometimento da afetividade – o chamado “embotamento afetivo”, que se dá neste primeiro momento, pode ser um diferencial para outros quadros de natureza psicótica, tornando o diagnóstico mais claro.

Vida social prejudicada

A esquizofrenia pode causar a deterioração do comportamento social. O paciente começa a se isolar no mundo que constrói com seus delírios e alucinações e fica inacessível ao mundo exterior. Ele começa a ter menos iniciativa e pode ainda transgredir regras sociais, como despir-se em público. Podem ser surpreendidos falando sozinhos, gesticulando e tendo expressões faciais impróprias. Há aqueles que passam a ser descuidados com sua higiene pessoal ou a se vestir de forma inapropriada. Diva conta que seu filho mais velho, Marcelo, não tirava o uniforme da escola de futebol que frequentou até os 16 anos, quando começou a apresentar os sintomas. Até que na comemoração de seu décimo sétimo aniversário ele apareceu no playground com a roupa completa, meia até o joelho e chuteiras, mas a festa não era temática. O rapaz não ficou para cortar o bolo, não suportou as risadas dos convidados e passou a noite trancado no quarto. Esta foi a primeira vez que Diva viu o filho isolar-se, e desde então a comunicação com Marcelo foi ficando cada vez mais prejudicada.

Dos seus três filhos, ele é o que tem menos controle sobre a doença. Durante algum tempo Marcelo rejeitou os medicamentos e tornou-se bastante agressivo com a família. Hoje, com mais domínio sobre suas emoções, o rapaz já aceita ser medicado e faz terapias alternativas ao tratamento com remédios. Ele está na fase crônica da doença e, como demorou a ser tratado corretamente, tem uma recuperação mais lenta que a dos irmãos. Ele ainda apresenta o chamado estupor catatônico, que é a situação na qual o paciente fica imóvel por um período longo de tempo e perde os controles motores. “Da última vez estávamos em uma loja de departamento olhando os celulares novos. Nem iríamos comprar nenhum. Estávamos só olhando os novos modelos. Mas enquanto a vendedora explicava para ele como usava o aparelho que estava em sua mão, Marcelo perdeu o controle do braço que ficou estendido imóvel e deixou o celular cair. A vendedora, muito gentil não reclamou de o celular ter caído no chão, mas assim que voltou ao estado normal ele quis comprar o aparelho, que estava arranhado atrás”.

Transtornos motores como o de Marcelo também são sintomas comuns nesta fase da doença. O indivíduo pode ficar paralisado, como o filho de Diva, ou ter uma atividade motora sem objetivo e incontrolável, que é o excitamento catatônico. Também é comum que o paciente apresente maneirismos, que são atividades normais, mas exercidas fora de contexto. A estranheza que causam nas pessoas ao apresentar estes sintomas também colabora para o isolamento social, pois o paciente se sente desconfortável com a reação dos que estão ao seu redor. O passo seguinte a isso é a diminuição na resposta afetiva. Muitos se sentem “vazios de emoção” e por não conseguirem transmitir o que estão sentindo ou o entendimento que têm a respeito do mundo, tornam-se indiferentes ou apáticos.

A melhor maneira de tratar

Não é possível tratar um portador de esquizofrenia sem medicação, ainda que as doses possam ser paulatinamente diminuídas. No entanto, existem dispositivos que podem ser agregados ao tratamento que possibilitarão a reintegração mais rápida do paciente na sociedade. O Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro (CPRJ) é um dos pioneiros em agrupar dispositivos ao tratamento de transtornos mentais. Os pacientes conseguem ter lá dentro uma vida produtiva e bem normal.

Um exemplo é a oficina de culinária, onde há toda uma dinâmica médica por trás do ato de cozinhar. Existe ainda no hospital oficina de artes, biblioteca, na qual os monitores são os próprios pacientes, além de uma lavanderia. Por meio destas oficinas é possível gerar renda para os pacientes, uma vez que o que eles produzem pode ser vendido na cantina e no bazar do hospital.

O psicólogo Sidney Dantas, que também é musicoterapeuta do CPRJ, conta que esses dispositivos no tratamento, seriam inimagináveis nas décadas passadas, antes da Reforma Psiquiátrica, que teve início em 1970. “A partir desta data o que acontecia nos ‘porões’ dos sanatórios começou a vir à tona. Era uma falta de humanidade da própria classe médica, tratamentos violentos, que quando foram expostos, obrigaram as autoridades reformar o sistema”, conta. Quando ele chegou ao CPRJ ele foi para integrar o quadro de psicólogos, mas logo foi indicado para começar o tratamento com a música. “A aproximação com a arte, com a música é natural. O sujeito vem porque gosta de música, gosta de tocar, de cantar e isso já permite o tratamento. É claro que este dispositivo terapêutico não substitui os outros”.

O tratamento do portador de esquizofrenia em sua maioria era baseado no isolamento. A rotina não permitia que ele tivesse uma vida normal. Com a arte, vista inicialmente como um complemento, isso mudou. Segundo Dantas, o isolamento não permitia a melhora no quadro clínico, existiam atividades, mas eram impostas pelo Hospital. As oficinas de arte não funcionam assim, a iniciativa é do paciente. O psicólogo afirma que este dispositivo atende a uma necessidade real. “Desta maneira o paciente pode se expressar, interagir com o mundo, se sentir útil e aceito. Há algo que ele sabe fazer bem. Então escolhe as atividades com as quais tem mais afinidade e descobre e mostra seus talentos”.

A partir destas oficinas nasceu dentro do CPRJ o grupo Harmonia Enlouquece, que conta com a participação de médicos, funcionários e principalmente dos pacientes. O grupo é um espaço aberto, que funciona como terapia desde 2001. Nestes oito anos, 40 pessoas já passaram pelo grupo que visa, antes de tudo, a saúde mental dos participantes.

A estrela do grupo, como apontam os outros integrantes, é Hamilton Assunção, músico e compositor. Ele recebeu o diagnóstico da doença há 25 anos e diz que só conseguiu melhorar de suas crises após integrar o grupo. O compositor se sentia muito privado do convívio social. E descobriu com a música que tudo é uma questão de querer se tratar. “A sociedade não tem respeito pela fragmentação do indivíduo. Sofri muito com as piadas de maluco. Sofri por querer interagir com as pessoas ao meu redor e não saber como. Aqui eu interajo não só com os amigos mas com os especialistas que sabem como tratar o doente. É uma melhora e tanto. Aqui existe um amor, uma identificação de ser humano. Eles dizem que se curam a interagir com a gente. Antes de vir me tratar aqui eu brigava à toa e era descontrolado, hoje sou muito mais tranqüilo”.

Hamilton conta que tudo o que escreve tem um “porquê” e “um para quem”. São recados para a sociedade. Ele é procurado por pesquisadores e produtores para compor músicas sobre os problemas sociais, como a luta contra o estigma da esquizofrenia. Uma de suas músicas, a Sufoco da Vida, estará na novela das oito e sua voz será dublada por um dos atores. Ele já está trabalhando no tema da próxima novela do horário nobre, retratará os problemas enfrentados por portadores de HIV.

O diretor do CPRJ Francisco Sayão, conhecido como Kiko, também integra o Harmonia Enlouquece e conta que o quadro de funcionários do Hospital já contou com uma bailarina e uma atriz. Profissionais que não estão diretamente relacionados à medicina mas que são de vital importância para o tratamento. “Quando a Secretaria de Saúde passou ‘um pente fino’ para tirar dos cargos administrativos pessoas que estavam irregulares também houve a necessidade de dispensar estas profissionais, o que foi muito prejudicial. Existe esta dificuldade, pois há a necessidade destes profissionais nos hospitais, mas não há a categoria profissional. O Serviço é muito beneficente. Então eu vejo a necessidade de se resgatar este profissional. Tem de haver uma maneira de suprir este espaço”. Kiko conta que os pacientes chegaram a fazer um abaixo-assinado para um trazê-los de volta, “eles sentem muita falta”.

O Harmonia Enlouquece pode ser encontrado todas as quartas e sextas, no auditório do CPRJ, com exceção dos dias de show. Os ensaios são abertos.

Luta contra o estigma

Referir-se a pessoas com este e outros transtornos mentais como loucos, esquizofrênicos, lesos ou malucos é rotular e estigmatizar um indivíduo que é portador de uma doença, que pode ser controlada. Para os médicos, estes adjetivos trazem sofrimento e desqualificam o paciente. Estas rotulações geralmente acontecem pela desinformação e o preconceito e geram a exclusão social. O Dr. Miguel Jorge é consultor do programa brasileiro do Open the Doors que no Brasil é chamado de S.O.eSq. Ele conta que a rejeição, a incompreensão e a negligência exercem um efeito negativo na pessoa, acarretando ou aumentando o auto-estigma, ou seja, o próprio paciente desenvolve uma imagem negativa de si mesmo. Na maioria dos casos isso é provocado porque as pessoas próximas aos pacientes não entendem a doença.

Alguns ainda têm idéias erradas a respeito das pessoas com esquizofrenia. Muitos pensam que elas têm “dupla personalidade” e que são perigosos por apresentarem um comportamento agressivo na fase aguda da doença. “As pessoas não sabem o que falam. Meus filhos nem podiam mais andar com os primos, porque suas tias tinham medo de que eles pudessem bater ou fazer mal para os outros. Mas o mal maior era o que elas provocavam neles”, desabafa Diva.

O “Schizophrenia: Open the Doors” é desenvolvido em 20 países em todo o mundo desde 1996. Quando o programa chegou ao Brasil, em 2001, ele também deu origem à Associação de Familiares, Amigos e Portadores de Esquizofrenia, o ABRE. A associação e o S.O.eSq. desenvolvem atividades para os pacientes, para as pessoas próximas a eles, profissionais de saúde e de imprensa com a finalidade de que este quadro negativo seja revertido.

Jorge conta que ao longo dos últimos anos o programa tem ajudado a diminuir o estigma relacionado a alguns transtornos mentais, como a depressão e o pânico, mas ainda não se notou melhora efetiva em relação à esquizofrenia. Ele acredita, no entanto, que a sociedade está mais aberta a receber informações sobre as doenças mentais e cita como um ponto positivo a TV brasileira abordar o tema, como acontece na atual novela das oito. Ele aconselha ainda a todos os familiares e amigos de portadores de esquizofrenia a se associarem ao ABRE, aprender mais sobre a doença e participar de ações que combatem o estigma.

Esquizofrenia e inteligência

Em 1994 o Prêmio Nobel de Economia foi dado ao matemático e economista John Forbes Nash. Ele viveu dividido entre a sua genialidade e a esquizofrenia, que o levou ao internamento inúmeras vezes. A história de Nash tornou-se mundialmente conhecida por ter sido contada no filme “Uma mente brilhante” e ajudou a difundir mais conhecimento sobre a doença e quebrar alguns paradigmas. Desde então, a inteligência e a esquizofrenia passaram a ser associadas no imaginário coletivo. Em 2007, um estudo feito por pesquisadores americanos mostrou que as duas podem sim estar ligadas por um gene que aumenta a habilidade do cérebro de pensar.

A pesquisa feita pelo Instituto Nacional para Saúde Mental dos Estados Unidos (NIMH, na sigla em inglês) sugere que o desenvolvimento além do normal de capacidades intelectuais pode fazer com que determinadas pessoas corram o risco de desenvolver a doença. O trabalho revela que alguns dos fatores genéticos ligados a capacidades cognitivas podem apresentar problemas tornando alguns indivíduos propícios a desenvolverem transtornos mentais. Uma variação comum do gene DARPP-32, que faz com o processo de transmissão de informação seja mais eficiente, também foi ligada às funções cerebrais constatadas em portadores de esquizofrenia, em uma avaliação com 257 famílias com históricos da doença.

Na ocasião da publicação do estudo o coordenador da pesquisa disse que há a possibilidade de um “efeito colateral” com este ganho. Há outros genes e condições de vida que não favoreçam que o cérebro administre o processamento muito veloz de informações, por isso, o efeito pode se tornar um problema e “congestionar” o cérebro, o que poderia provocar os transtornos mentais.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

184 Opiniões

  1. Flávia disse:

    Olá eu namorei com um esquizofrenico, e tive os melhores dias de minha vida ao lado dele, mas terminou comigo pois não conseguiu ter um namoro sério, ele acha que não pode me fazer feliz 😍.
    E eu estou deixando ele no mundinho dele, mesmo sofrendo querendo estar ao lado dele.

  2. Angeliina Soares da Silva disse:

    Meu filho e esquizofrenico tem 50 anos, ha 12 anos ele nao tem crise, toma remdio prescrito pelo psquiatra, mas, estou percebendo que ele esta cada vez mais esquecido,parece nao me ouvir quando falo algo embora aparenta tranquilidade, raramente ele questiona nao gosto muito deste comportamento fico perdida

  3. marciel disse:

    Sou esquizofrênico já fugi de casa duas vezes e algumas vezes já andei,pra lá e pra cá dentro de casa,mais agora estou bem de certa forma,nunca tive estresse e percebi que, posso mudar minha realidade do jeito que quiser,esquizofrenicos que tem estresse, tanto emocional,como corporal,nao tem como se controlar bem,o jeito certo de se controlar é tomar, uma medicação compatível ao seu caso, mais preste atenção interação com os seus, familiares e amigos é muito importante,talvez ter esquizofrenia seja como ganhar na loteria,so que poucos sabem utilizar bem o prêmio,porque o jogo se chamar universo,e tudo que nos faz existir.

  4. James V. disse:

    Se todos os que tem isolamento social, ou pensam de forma difetente do senso comum da maioria,, ou creem numa realidade espiritual forem esquizofrenicos… realmente não sobrará ninguem de fora dos medicamentos psiquiátricos. Todo mundo vai ser internado, os espiritas, os evangélicos e os padres catolicos que fazem exorcismo, então sao todos esquizofrenicos…tem muita gente aceitando doenca e medicação sem ser doente… se andar fora do senso comum e crer numa realidade espiritual for esquizofrenia entao estou tambem esquizofrenico…igual a 90 % dos brasileiros qie ainda nao perceberam que isso é so mais uma definição criada para tudo aquilo que a elite medica nao consegue explicar materialmente…acorda gente voces tao sendo manipulados…seus parentes não são loucos… voces estao condenando-os a um estigma terrivel… so porque desobedecem a sua vontade ou aos comportamentos ditados pelo sistema e pelas elites mundiais como normais. Se for assim todos os homens que escreveram a biblia seriam loucos, todos os que imaginaram e inventaram coisas que ainda nao existiam em seus tempos seriam loucos…onde edtariamos hoje se nao fossem essas pessoas? Na idade da pedra com certeza…se todos eles fossem dopados por esquizofrenia nem mesmo voces que se dixem normais teriam nada do que tem hoje. Acordem. Nao caiam nessa conversa mole das autoridades psiquiatricas não. Ha dois seculos atras foram os medicos sanitaristas qie botatam ma cabeca de todos na europa que tomar banho excessivo fazia mal a saude- por causa dos miasmas e vapores que subiam da terra… o estigma ridiculo permanece ate hoje por la…muitos europeus nao tomam banho e nem sabem porque foram educados aagir assim… foi uma elite medica que lancou a moda e depois bateu de ombros quando a hipotese foi refutada…e quantos estao tomando remedio pra esquizofrenia sem drr esquizofrenico hoje? Muitos… muitos mesmo…a cara de pau desses medicos me impressiona…

  5. joelma disse:

    Tenho um filho que foi diagnosticado com Esquizofrenia…e começamos a ler sobre o assunto..precisamos nos interar da melhor maneira de cuidar dele para que ele fique confortavel..sei amor vence tudo

  6. miguel angelo carvalho disse:

    tambem sou esquizofrênico paranoide! e hoje aceito a doença de forma tranquila, pois em um mundo em que todos são iguais e manipulados eu me sinto especial por ser diferente. abraços a todos.

  7. ray disse:

    oolá
    sou esquisofrenica desde menina,hj tenho 34 anos de idade.atualmente me recuso a medicaçoes e vivo da melhor forma k me agrada.hj o k me incomoda é o preconceito e quero mudar a realidade dessa doença.todos k portam algo é investigado nos esquisos portamos algo.k algo e este?dificil ne.espero conseguir mudar tal realidade.montarei um exercito esquiso.me ajudem.

  8. Pauo disse:

    Sou esquizofrenico ja fui internado 2 vezes em um hospital psiquiatro , muito ruim minha mente pensava muito rapido não tinha controle dos pensamentos fiz um teste de qi tirei nota maxima hoje tou controlado busco ha Deus e tomo remedios certinhos.

  9. Leda disse:

    Meu namorado tem um irmão que é esquizofrênico e psicopata,não gosta do irmão,tem manias de perseguição com ele,fica vigiando,ouvindo ele falar no celular,ele já tem 44 anos,já se trata faz tempo,mas está cada vez pior.
    quero saber se ele trás risco no convívio com a familia,pois a mãe dele já tem 79 anos,já não aguenta mais suas crises.
    O que ela deve fazer??

  10. Dili disse:

    Muito interessante o conteúdo. Mas minha reclamação são essas dores. Quando enfrentei uma crise de dores nas costas, o médico me indicou desse colchão ortopédico. Alguém aqui conhece? Disseram que melhora até insonia.

  11. carmem disse:

    tenho um irmão com escrizofenia,que so começo o tratamento 4 anos depois, e hoje faz 3 3 anos que ele faz tratamento com medicação,mais não sai de casa, vive com se estivesse se escondendo de alguma coisa. em casa cozinha todos os dias, e fuma como se não houvesse o amanhã. ja não sabemos mais o que fazer para ajuda-lo.

  12. cristiane disse:

    nos ajude por favor a arrumar internação para meu irmao ,,ele é esquizofrênico ,e mora com minha mae uma senhora de 67 anos,,,,,ele vive falando sozinho,,chama minha mae de demonio,,,quero saber onde interna-lo somente para acalma-lo,,pois ele nao quer tomar remédio sozinho.

  13. Lucia Regina cruz dos santos disse:

    Meu filho tem esquizofrenia desde pequeno com 8 meses começou a ter comvolusâo e tomou diazepan ate os 14 ano e sempre foi muito agressivo e custei para entender o que ele tinha nâo tinha os recursos de agora teve varias vezes hospitalizado em clinica hoje esta numa clinica nâo tenho mais como cuidar dele pois estou com uma doença muito grave ele sò respeita as emfermeras mais e muito esperto sabe tudo esta agora com 33 ano gostaria de ter um bom tratamento para ele num lugar especial para esta doença porque aqui nâo tem

  14. Lucano disse:

    Gostei muito desta reportagem, é bem auto explicativa creio que ajuda as pessoas que assim como eu que possuem familiares com estes sintomas, possam identificar a esquizofrenia como uma doença comum.
    Possuo dois irmãos homens com essa doença e agora a irmã caçula vem apresentando esses sintomas de perturbação, como dizer coisas fora da realidade, alucinações, não cuida da higiene. É difícil aceitar o porque disso acontecer com seus familiares mas, é a pura realidade e temos que encarar isso de frente, quanto mais fugirmos deste problema, mais ele vem atrás de nós. A melhor alternativa é inicialmente acertar a dosagem dos remédios, e integra-los na sociedade, ou pelo menos tentar. É triste a realidade mas é real, temos que pedir ajuda pra quem puder médicos, familiares, amigos, sozinho não é possível dar conta disso tudo, e ainda mais temos que viver nossa vida e cuidar da nossa saúde mental pra não adoecer também. boa sorte a nós …

  15. terezinha bueno disse:

    e muito ler tudo sobre a doença tenho uma filha com esquizofrenia desde os 15 anos e muito difícil aceitar a doença ela e um terror eu já nem ligo mais já acostumei eu e meu filho de 13 anos cuidamos dela com muito carinho .

  16. SILVIO CELSO disse:

    O Estudo é, de fato, muito útil como informação a todos que desejam colaborar para um mundo melhor, sem isolamento do indivíduo, e alijando a idéia de que não temos nada a ver com os problemas dos semelhantes. Seria ideal que o poder público tomasse consciência de sua responsabilidade, pois alguns pacientes desse gênero inclusive podem ingressar nos quadros do serviço público e gerar problemas que devem ser tratados adequadamente.

  17. Maria Cristina Carvalho disse:

    meu filho Gustavo tem 22 anos,foi diagnosticado isquizofrenia,tentei vários tratamentos já internei.Mas não continua o tratamento porque bebe.Não sei o q fazer para ajudar o meu filho sofro demais de ver o sofrimento dele.Por favor peço q me ajude me oriente qual o melhor caminho.Aguardo uma resposta.Desde já obrigada!!

  18. paula disse:

    meu marido ja foi enternado com transtorno picicotico, e terrivel, um dia ele acorda um amor ,e depois em questoes de segundo se torna um monstro, ja estou no meu limite e pretendo ir embora com minhas duas filhas. tenho medo que numa dessas crise ele venha me agredir. ele toma somente um remedio pois o medico foi tirando em espaço muito curto os outros medicamentos.agora quem precisa de psicologo sou eu pq me sinto totalmente desiquilibrada com a situaçao .. se puderem me ajudar.

  19. Cristiane Maria de Jesus disse:

    Bom dia ! Achei ótima a matéria , pois viver com um esquizofrênico não é fácil pois requer muito amor , paciência e aceitar e entender que essa pessoa depende de vc , também. Tem que ler buscar informaçao , pois sozinho não consegue ajuda-lo , meu filho começou com 13 anos hj tem 15 anos leva a vida normal , pois quando as crises vem ela fica e parece que nunca vai embora , parece um mostro adormecido que sempre vai chegar .
    Enfim se eu posso ajudar é dizendo que primeiro quando temos pessoas com essa doença , temos que aceita e ama lha como ela fosse mais do que especial , pois Deus confiou deixa lha em sua vida por que sabe que vc especial quanto o portador da doença .

  20. LUANA disse:

    Tenho um Amigo que está Louquinho , não fla nada com nada , e fico com muita dó e querendo ajudar ele , mais nao sei de que maneira , o que posso fazer para ajudar , já faz 5 anos que ele tem esquisofrenia , e esta perdendo sua vida , pois tem 24 anos apenas . toma os remedios que os medicos passam , mais nao melhora nada , parece que piora mais . mee ajudeemmmm

  21. Nirava gulabo beth disse:

    muito interessante. Fiquei condoída de saber como sae sentem com as piadas e falta de sensibilidade social. As piadas de loucos são as mais divertidas pq todo mundo esconde o louco q carrega em Si. A sociedade me parece muito mais doente que os loucos que revelam talento sensibilidade e sabedoria. Namaste!

  22. fabricio teixeira da silva disse:

    estou muito triste pq tenho um filho com esquizofrenia mais o pc nao me fala nada

  23. lidianhi bonfim disse:

    Gostei muito da materia, meu filho de 15 anos esta apresentando sitomas da doença, o psiquiatra dle ainda nao fechou o dignostico tendo em vista que esta muito cedo para tal, estou muit triste e desesperada gostaria de mais informaçoes bre o assunto e de como vou poder ajudadr meu filho.

  24. pedro henrique garces disse:

    adorei a matéria temos que parar de preconceito e olhar a vida como ela é

  25. janaina angelica da silva disse:

    Eu tenho um caso na minha familia de esquizofrenia o ALEX , ESTA EM FRIBURGO SANTA LUCIA e a minha mae, nao sabe o que fazer estou querendo ajuda!

  26. virginia disse:

    gostei de saber sobre o exemplo da diva, sou portadora depressao bipolar , mimhafilha em2011 apresentou problema, falou que ouvia vozes evia e conversava com uma pessoa .leveia aopsiquiatra e este disse que provalvemente seria depressao profunda com transtornos psicoticos? hoje ;em2012 ,setembro, foi diagnosticada com esquisofrenia ; confesso que fiquei desalentada sera que aminha filha vai ter uma vida normal ? ou vai entrar em demencia? estou sofrendo muito por ela!

  27. Samira disse:

    Eu realmente sou muito grata a todas essas instituições que lutam em favor de pessoas com dificuldades mentais. Minha Tia é esquizofrênica e eu espero pode leva-la logo a um desses “centros de reabilitações”. Amei mesmo a matéria, parabéns!

  28. Gabriel disse:

    Pelo amor de Deus, alguém me ajude!!! Meu pai foi diagnosticado recentemente e não aceita tratamento. Tentamos de tudo, mas ele não quer ajuda. O que fazer???

  29. Mônica Corália disse:

    MUITO BOA E VERDADEIRA ESSA MATÉRIA.
    GOSTARIA DE SABER ONDE BUSCAR SEMPRE AS ATUALIZAÇÕES DESSA ÁREA , POIS
    TENHO UMA FILHA QUE É UM AMOR DE PESSOA E É PORTADORA DA ESCRISOFENIA.
    FOI DETECTADO QUANDO EAL TINHA 13 ANOS, HJ TÁ COM VINTE. AINDA TENHO MUITO A APRENDER
    PARA AJUDÁ-LA.

    FICO NO AGUARDO E AGRADEÇO!

  30. Cardoso disse:

    Convivo com a esquisofrenia dez do começo da adolescencia. ja vivi diversas fazes.
    A poior coisa é quando vc perde o controle do cérebro. fica refem de si mesmo. Num canto dentro de você tem uma luz acesa, o resto não é mais do seu controle. Mas mesmo em quase estado vegetativo consegui um novo e caro tratamento que me tirou do fundo do que seria pior que o poço. Hoje vivo a vida de forma as vezes melhor que muita gente saldavel .Por acaso achei essa noticia.

  31. Viviane disse:

    Ótima reportagem. Minha mãe é esquizofrênica paranoide, e os sintomas foram ficando mais evidentes a cerca de 14 anos. Ela tem uma vida normal, sai sozinha, organiza suas contas, se veste super bem e conversa de forma articulada. Porém a doença é perceptível para quem convive com ela dia a dia. Ela se sente perseguida por todos, e segundo ela é devido a inveja que as pessoas têm de sua inteligência. No mundo dela os vizinhos extraviam suas correspondências, colocaram câmeras para filmá-la, na rua tem sempre alguém segundo ela, sente que emitem raios que dão choque para tortura-la, assim como sempre pergunta se não estamos sentindo o cheiro de um gás. O caso de minha doce mãe é muito parecido com a do Dr. Nash do filme “Uma mente brilhante”, recordo-me que certa vez encontrei um caderno de capa vermelha escrito ‘confidencial’ neste caderno haviam diversas descrições de planos horripilantes para matá-la, coisas oriundas dos delírios auditivos que ela eventualmente tem. Acho que no fundo ela sabe que algo está errado com ela, pois após sua aposentadoria, ela disse: não posso ficar em casa parada, isso não vai ser bom para mim, ai ela começou a fazer cursos de bijuteria, participar de grupos musicais, ler mais e o tempo livre sempre está fazendo palavras cruzadas, mas apesar disso tudo e após uma internação ela não aceita que a esquizofrenia e também reage de forma agressiva verbalmente quando ficamos contra suas suposições e relatos. Amo muito minha mãe e gostaria de encontrar um modo de ajudá-la sem deixá-la ofendida ou fazê-la sofrer. Definitivamente esquizofrênicos são pessoas especiais, que precisam de nosso carinho, paciência e respeito.

  32. Lucy disse:

    Agradeço todas as publicações sobre este tema, pois tenho uma sobrinha muito amada com este problema, e tudo o que pudermos conhecer sobre a doença nos ajuda a lidar melhor com ela. Precisamos dar muito amor a essas pessoas, não discriminá-las e aceitá-las como são. Torço pela medicina e outras ciências avançarem cada vez mais nos tratamentos e haver interesse por parte de órgãos competentes.

  33. narlene disse:

    Fui excluida da vida de alguem . Era chamada de louca por ter contado que já tive depressão.

  34. narlene disse:

    Gostei muito do que li, só lamento pela sociedade que não pensa.Simplismente exclui com a maior naturalidade . Gracas a Deus existe pessoas que nem voce que apoia divulgando que todos são capazes.

  35. LAERTE disse:

    PARA
    MARIA CRISTINA (São Paulo)
    Na minha opinião haldol não é um remédio muito moderno, acredito que você poderia conversar com seu psiquiatra para dar um remédio mais moderno ou pegar opinião com outro psiquiatra para melhor informação.Apenas como exemplo sito seroquel, mas é só um exemplo pois somente um psiquiatra é que pode decidir sobre a melhor medicação,existem alguns medicamentos de última geração. Verifique pesquisas que aconselham a tomar Óleo de Peixe, que não tem contra indicação, somente se a pessoa for alérgica a pescados, mas sem parar a medicação que é o mais importante de tudo. Pode também pedir opinião ao psiquiatra sobre o óleo de peixe.

    LAERTE

  36. william izaguirre disse:

    hola solo quiro saber el horario de su programa

  37. maria cristina disse:

    por favor me ajude faz 3 mes que eu descobri que meu filho de 20 anos e esquizofrenico agora esta tomando haldol mais eu vou ter que volta a trabalha n sei o que eu vou fazer pois o unico caps da minha cidade disse que nao pode fica com ele sem que alguem da familia permaneça junto com ele gente eu nao sei o que fazer pois vou ter que confia e Deus e deixa meu filho sozinho ele n e agressivo mais de vez enquanto fala em tira sua vida nao posso paga ninguem p fica com ele Cristina da Praia Grande OBRIGADO

  38. RONIVON disse:

    oi pelo que pude entender a doença nao tem cura mas pode ser controlada eu tenho uma irman que tem este problema ela faz tratamento sempre. as veses ala esta bem mas em alguns momentos ela tem surtos nao diz coisa com coisa e um sofrimento grande tanto para ela quanto para muinha mae que quida ela perdeu todos os amigos e isto e muito dificio para quem tem a doença se sente so chora muito fala q as pessoas zomba dela quando na verdade nao esiste nada disto e fruto da imaginaçao valeu pelo que li neste texto aprendir algo mais

  39. hiago disse:

    Escrizofenia fora da realidade da vidsa

  40. sanna lisarb da silva disse:

    sou esquizofrenica e gostei muito deste texto explica muito bem com tratar de um portador de esquizofrenia.Parabens.

  41. Emanuelle disse:

    Achei muito interresante esse texto, pois me informei melhor sobre a doença. Meu pai esta com ela,ele mora sozinho e eu queria ajuda-lo de alguma forma.Não o vejo diariamente,ele toma remedios direitinho, porem vive uma vida isolada, ele não gosta de sair.Fico muito preocupada e gostaria de pode ajudar a se recuperar logo.

  42. Mauro disse:

    Se a pessoa não crê que tem problema mental, acha que os outros é que são loucos ao redor dela, e sempre se recusou a ir a um psiquiatra (mas já aceitou ser internada em clínica de reabilitação de drogas, pois consumia algum tipo de droga), também não é possível dar medicamento para a pessoa sem que ela saiba, não é? Afinal, sem passar por um médico, como fazer para resolver esse problema? A pessoa pratica atos que atrapalham a vida dos familiares, como fazer excesso de barulho à noite em horários inadequados, e fingir que não foi ela que fez (quando todos sabem que a pessoa comprou determinado material que foi o que foi usado para causar o barulho), e já ameaçou de morte outras pessoas da família. Comprou uma arma. Sente perseguições e mania de achar que há crianças e hackers a perseguindo em tudo o que ela faz. O que fazer para ajudar essa pessoa a se livrar desses problemas e a parar de causar problemas para outros?

  43. luciana disse:

    tenho uma irma e minha sobrinha com essa doensa e elas nao fazen tratamento nemhum;vive as duas morando nuhma casa sozinha e tenho medo q aconteca alguma coisa com elas

  44. Ivete Maria Brandao disse:

    Gostaria de saber se existe algum exame que destinga depressao de esquizofrenia

  45. daniel disse:

    tenho esquizofrenia tenho muitos problemas pra lidar com isso nao sei nem oq dizer q DEUS nos abençoe e se encontre a cura de uma coisa q nao se conheçe a causa

  46. Ana Paula Costa disse:

    eu to muito mal,e na minha casa,não tem ninguem pra me ajudar.tem uns 13 anos que o psiquiatra disse que tenho transtorno bipolar e depressão.tomei muitos remédios.engordei.sempre tive visões.as vezes não sei nem onde estou.não durmo à noite.e a noita passada,fiquei sem conseguir parar de conversar com meu amigo que só eu via.estou confusa.já tive sindrome do panico e t.o.c.me sinto muito sozinha.nao to conseguindo sair de casa,tenho muito medo de ver pessoas.me tranco no quarto e me furo com agulhas.isso parece me relaxar.choro demais.tenho um filho de 14 anos,e no dia 30 de março desse ano,fiz uma cirurgia de histerectomia.tenho muita vontade de morrer e ja tentei várias vezes fazer isso.eu so tenho uma amiga que fui proibida pela minha mãe de ter contato com ela.eu gostaria que a pessoa que lesse isso,me ajudasse,pq não tenho mais ninguem.religião ja fui em todas.por favor,me ajudem.nem em computador sei mexer direito.eu tenho 34 anos.

  47. TEREZINHA disse:

    MEU IRMÃO JA TEVE UMAS 4 CRISES POR RECUSAVA TOMAR O REMEDIO, AGORA ESTAMOS OPTANDO PARA INJEÇÃO, QUAL A REAÇÃO, GOSTARIA DE SABER MAIS SOBRE A DOENÇA, MEU IRMÃO É MUITO INTELIGENTE, JA FEZ TRE PROSGRADUAÇÃO,É CONTADOR DE UMA EMPRESA BEM CONCEITUOSA, MAS ELE ESTA SEMPRE FUGINDO DA FAMILIA, SERA MEDO DE FALARMOS DO POBLEMA. PARECE Q. ESTAR SEMPRE NA DEFENSIVA.

  48. MARIA disse:

    MAIS K UMA OPNIAO QUERIA UMA AJUDA!TENHO MEU FILHO CON ESCRISOFENIA AGRESSIVA E PERIGOSA NAO CONSIGO UN AUXILIO PLUBLICO PRA INTERNALO,PENSO CADA DIA K ELE SE VAI,PK ELE CON SEU TRANSTORNO BEBE Y SE DROGA Y PODE FAZER ALGO COM AS PESSOAS E ELAS COM ELE,TENHO ELE EN CASA E ME AMEAÇA EN MATAR CADA DIA,E SOU MAE ESTOU DESESPERADA,PEÇO MISERICORDIA ADEUS E A HUMANIDADE K ME AJUDE PELO AMOR DE DEUS,E SE ALGUEM K VE ESTA OPINIAO K ME PODE DAR ALGUN AUXILIO AGRADEÇO DA ALMA.

  49. Silvana G. disse:

    O meu nome é Silvana, sou casada,mas a mãe do meu marido é esquizofrenica.com sinceridade,tenho muito medo que os meus futuros filhos,herdam as mesma doenÇa.o meu marido tem um irmão,ele tem 26 anos,têm comportamentos de desinteresse total, agora sinto-me com mais pânico, toda minha vida eu sofri, estamos a ver tudo para engravidar nao quero este destino para os meus filhos.vejo a mãe do meu marido é uma pessoa incontrolavel, egoista, está habituada ser protegida não pensou muito no filho mais novo,o meu marido foi educado apenas com o pai.respeito as familias que sofram com isto, mas eles enquanto doentes nao nutrem nenhuma compaixâo, sentimento.um exemplo a mãe dele perdeu a mãe e nem foi ao funeral, nao pensa que as pessoas sofrem só ela que sofre porquê? que pessoas com esta doença são frias aos sentimentos???tenho medo,muito medo.aconselhem-me ,gosto muito do meu marido ,mas tenho medo que pode vir para a minha familia..

  50. Marta disse:

    Eu achei bem interessante e muito bem explicado.Realmente a sociedade não encherga com bons olhos,até que aconteça com vc.
    Temos que refletir a respeito e não rotular ninguém.
    Obrigada.

  51. Mírian disse:

    Meu marido está apresentando sintomas de esquizofrenia fica achando que estou traindo e ainda inventa histórias absurda e o pior é que ele acredita em tudo que fala. Fala que escuta muito de um ouvido que 50 metros de distancia ele consegue ouvir,eu nao aguento mais ser acusada de traição tenho medo ate de ele me matar, e apesar de tudo isso ele não aceita que está doente e nao quer se tratar, tenho mais medo pois ele é policial reformado e anda armado.Por favor me ajude o que eu posso fazer e como posso lidar com essa situação?

  52. Raka disse:

    Li os relatos de Suely (20 abril 2010), Marine (23 julho 2010) e Vanessa(31 agosto 2010). VIVA a Reforma Psiquiatrica, q deixou as pessoas a merce destes doentes mentais(q tem todos os direitos) em contra partida ofereceu os CAPS, que na realidade só pode ser útil para casoso mais amenos. Quem vai atender o doente mental em surto e/ou agressivo que se nega ao tratamento? Tenho um filho de 22a, (Retardo Mental) 180m e 130kg que ja tentou me estrupar, o CAPS queria coloca-lo numa terapia em grupo, como se fosse apenas mais um depressivo. Estamos completamente desamparados, na realidade o governo lavou as mãos.

  53. Marilia disse:

    É realmente muito difícil conviver com um portador de esquizofrenia. Nunca havia percebido que minha mãe tinha a doença até ela começar a insistir que meu pai envenenava toda a comida e água da casa para nos matar. Ela sempre tinha apresentado uma certa mania de perseguição….implicava com tudo e todos atrapalhou muito a nossa vida e acabou por quase nos levar à falência (ela não deixava meu pai trabalhar, pertubava-o quando chegava em casa, achava que tinha gente no escritorio dele após o expediente..era um inferno….)>Hoje ela é tratada com risperidona e melhorou bastante….mas o que posso dizer é que somente Jesus tem a mantido assim em condições normais…para quem tem disposição vale a pena buscar a cura através de Jesus…buscar uma igreja ajuda muito quem convive com alguém doente….foi através da minha fé e das minhas orações que minha mãe tem estado praticamente normal..como se nunca estivessa doente…vale a pena tentar…num momento de desespero Deus pode ser nossa última porta…mas é a porta de saída para tanta perturbação.

  54. tania renata v.botelho disse:

    meu filho é portador de esquizofrenia,,depois de muita luta e com ajuda de um exelente proficional ,esta sendo medicado e esta bem ,,,mas meu medo nao quer passar ,sofro muito com isso preciso falar com pessoas q possao me dizer como falar com ele ,sinto muito apoio da minha familia mas me sinto muito insegura .me ajudem por favor ,ele se chama rodolfo e vai fazer 16 anos grato fica com deus

  55. Bia disse:

    Minha irma é portadora de esquizofrenia e o medico nao quer que conte a ela ainda. Isso é certo? Ela acha que é medium, briga com todos da familia e da vizinhança. Ela acha que só ela está certa e que todos precisam mudar de atitude. Já estamos sendo desprezados pelos vizinhos… O que devemos fazer?Ela toma injeção mensal, nao aceita ir ao medico e nem ao psicologo, minha mae é que vai no lugar dela… Já estou desesperada… Preciso de ajuda e opinião…

  56. luiz carlos abdon disse:

    sou portador da doença Quais são as precausão que devo tomar para não agravar a doença?

  57. vanessa araujo sacco disse:

    Gente,quem não conhece essa doença,não queira conhecer.Tenho um irmão de 25 anos que há mais ou menos 10 anos sofre de esquizofrenia,mas não faz o tratamento pois meus pais são ” cegos” e não percebem e nem gostam que falem que ele tem essa doença.Vocês não tem idéia do que ele faz em casa.Agride meus pais,essa semana mesmo bateu no meu pai que tem 62 anos e eu com dó do meu pai fui em cima dele,lógico não tenho sangue de barata,pois ele não quer tomar os medicamentos,joga fora,quer quebrar tudo em casa,já tive que chamar a polícia 2 vezes,fora que estou com medo,pois ela ameaça matar todos em casa e ninguém acredita que ele tem coragem,só eu.Ele não tem higiene,ás vezes fica dias sem tomar banho e trocar de roupa,tem mania de jogar tudo fora,jogou colchão,cama,guarda roupa,as roupas,dvd,telefone.Fala sozinho o dia inteiro,dá risadas do nada,e fala todos os palavrões que se possa imaginar.Juro que quem não o conhece acha que ele está drogado ou possuìdo,de tanta maldade.Ele deseja á morte de todos e ainda obriga todo mundo á fazer as suas vontade,eu não faço.Eu não estou aguentando mais.Detalhe agota tenho que ficar trancada dentro do meu quarto e não posso mais falar,ele não quer escutar a minha voz e os meus pai me obrigam a fazer a vontade.Sei que é doente,mas do fundo do meu coração eu queria que ele tomasse um rumo sabe,pois não ajuda em casa,minha mãe ainda paga para ele uma faculdade de quase 1.000,00 de Psicologia.E eu tenho que ficar quieta,não posso falar e ainda tenho que pagar as contas de casa e ele me xinga o dia inteiro de vagabunda para baixo nem tenho coragem de colocar todos os nomes aqui,só não saio de casa,pois ainda não tenho condições,e o pior é que os meus pais colocam á culpa em cima de mim,como se eu fosse á culpada dele ser doente.Realmente é muito triste essa doença,no caso dele cada ano está piorando,já falei para os meus internarem,mas els não aceitam acha que é maldade minha,vê se pode!!!Só vão acreditar quando acontecer alguma desgraça em casa e ele acabar matando um,que está faltando pouco.Não vejo um bom futuro para ele,acho que o final será muito triste ou de suicídio ou virará mendigo,pois ontem dormiu na rua e não voltou para casa.

  58. Raimunda disse:

    Gostaria que o apoio nos CAPS fosse mais presente sem falhas com o lanche com o material didatico sem a falta dos profissionais da area da saude que o secretario de cada municipio visite e sinta o que acontece de fato com pacientes da dó saber que são maltratados sem poder se defender haja vista muitas vezes estão em crise é a familia ser acolhida de fato e verdade alguns Capas precisam de estrura para poder desenvolver o trabalho com dignidade.AMÉM? boa sorte a todos nossos irmãos com transtorno mental amo voces!

  59. Marine disse:

    Muito bom o artigo.Gostaria de relatar que tenho um irmão esquizofrênico,a doença começou a se manifestar quando ele tinha 19anos,mas só percebemos a gravidade da situação quando ele fez 23anos.As crises dele são muito fortes, ele já se internou várias vezes mas as alucinações sempre voltam.Em uma dessas crises ele quebrou toda a cozinha da minha mãe e foi pedir esmolas em uma praça.Depois desse episódio descobrimos que ele queria matar a mim e a minha mãe,e de fato ele tentou enforcar a minha mãe em uma madrugada.Em outra crise ele ficou esquelético por se recusar a comer porque acreditava que a comida e a água estavam envenenadas,neste mesmo período minha mãe o encontrou comendo fezes no vaso sanitário.Ele acredita que tem um chip implantado no dente dele e que através dele um gps controla todos os seus passos.Resumindo a história,hoje para ser sincera eu nem mesmo sei se ele está vivo ou não porque já fazem 4 anos que ele em uma de suas crises saiu andando sem rumo e a última notícia que tive e que ele estava vivendo em um albergue de uma cidade próxima.Não o procuramos porque infelizmente temos medo dele, do que ele possa fazer,pois ele apesar desta doença é muito frio e calculista e suas atitudes são sempre inesperadas.Hoje vivemos como quem não tem paz, se vemos alguém que o lembre nos assustamos muito,sem falar no preconceito e julgamentos até mesmo de nossos familiares.sentimos muitas saudades dele mas podemos vê-lo,porque ele criou um ódio terrível pela nossa mãe,e sempre que ela o procurava ele piorava e tinha crises terríveis.E motivo de muita revolta saber que esta doença devasta não só a vida de quem a tem como a família também.Eu não desejo esta situação a ninguém, e se eu pudesse fazer algo para ajudá-lo eu com certeza faria,porque apesar de tudo eu o amo muito e sei que ele não é assim por que quer.

  60. rosa maria bonamin disse:

    gostaria de compartilhar sobre essa doença tenho um sobrinho qye faz 4 anos que diagnosticou esquizofrenia até agora não tem nenhuma melhora fica sozinho assistindo televisão se pergunta alguma coisa sobre o que tá passando na tv, ele não sabe responder.
    será que tem alguma pessoa semelhante a esse caso que possa me ajudar.

  61. sheila cristina disse:

    pelo amor de deus me de interesso de casa de repouso em sp zona sul estou pesquisando sobre essa doença a dias meu noivo esta com esquizofrenia so percebemos isso antes de um mes da data do casamento estou sem chao me responda por favor!
    adorei a materia escrita por Emanuelle

  62. gisele disse:

    oi tenho 20 anos,andam me chamando de tarzo no serviço,de uns meses para ca andei notando em mim,q eu penso q as pessoas tao me vigiando,falando mau de mim,dei para ter medo das pessoas e ate mesmo falar baixo.tenho uma filha de 2anos q ñ tenho paciencia,e parei para ler no computador e achei mto coisa,mas ñ consigo entender.preciso da ajuda de alguem.e tenho mta vergonha de minha familia..me ajudem por favor…

  63. FERNANDO ESPINDOLA disse:

    Suely, digitando a palavra caps no google, escolha o estado e sairá todos os endereços.
    Procure tambem uma terapia alternativa além da medicamentosa. Por exemplo o MAP – movimento de amor ao próximo em jacarepagua no RJ, na estrada do pau ferro , 235 pode ajudar e muito, é uma entidade filantrópica, o atendimento é gratuito.

  64. suely de jesus santos do nascimento disse:

    Ontem foi mais uma noite de terror,minha irmã de 50 anos,manequim 38 e 43 kg e menos que 1.58 de alt.tem um filho autista e esquizofrenico com 24 anos e quase 1.75 de altura,ela luta o dia todo pra sobreviver com ele,fazendo doces e salgados e vendendo perto de sua casa,só que como de diversas vezes, do nada ele surtou ,qdo ela preparava as coisas p o dia seguinte trabalhar,ele quebrou praticamente a casa toda,virou geladeira,maq.de lavar,frizer,quebrou todos os copos e pratos,garrafas que encontrou pela frente,andou sobre os cacos no escuro,cortou-se( em outras ocasioes teve até que levar pontos)qdo isso acontece ela liga pra mim desesperada,implorando ajuda,mas infelizmente eu me sinto impotente não sei o que fazer,não temos recurços para pagar uma clinica para que ele se interne para um tratamento,gostaria que me informassem aonte eu poderia encontrar um tratamento sério p ele gratuito por conta,quem puder gostaria de saber o e4ndereço do CAPS no rio de janeiro,minha irmã mora no bairro de Quintino, agradeço e envio o meu e-mail para quem quizer trocar informações sobre essa situação tão triste,www.suelynascimentorj@yahoo.com.br,Deus abençõe a todos…obrigado…

  65. Marcia Caetano disse:

    Realmente opinar aqui é muito diferente de portar esse transtorno ou conviver com os portadores deste ou de outro transtorno mental. Fiquei chocada com o relato da esposa Anita cujo marido parece ser portador de um transtorno mental e ela não tem diagnostico e acredita ter que conviver com ele. Anita por favor, procure ajuda. Visite um assistente social da prefeitura, peça discrição, se for o caso, procure um psiquiatra, procure se informar e livre se dessa situação. Homens deste feitio acabam violentos e podem cometer atos terríveis, alem de que seus filhos estão sendo criados num clima de terror constante. Por favor, fique indignada e procure ajuda enquanto é tempo.
    – Nicole não acredite que o portador de transtorno mental quer conscientemente levar todos para o buraco. Ele esta sim num abismo muito grande e não consegue encontrar a saída. Eu, entretanto garanto a todos, a entrega a Deus, o encontro com Jesus é a saída. Isso pode parecer lugar comum, mas experimentem. Busquem essa libertação para o seu ente querido e para você também, pois o convívio com a pessoa doente é também uma prisão. Não existe um remidinho sem gosto para ser colocado na bebida. A verdade é que a medicação a cada dia se mostra mais ineficiente.
    Jesus é o caminho!

  66. alvaro pimentel dias disse:

    Muito bom este texto,traz de maneira simples tema de grande complexidade.O que facilita a compreensão da papulação em geral. A esquizofrenia é um adoecer grave, mas,a falta de tratamento adequado com ações interdisciplinares,e a ausencia de profissionais capacitados,cuja clínica é a práxis do indivíduo,faz com que a manutenção de sua inserção social se prejudique.

  67. Fernando L. Silva disse:

    Olá pessoal da redação, parabéns pela abordagem desse tema de evidenciada relevância.
    Gostaria de sugerir uma melhor sistematização deste tópico, pois pode se notar que varias pessoas fazem perguntas e as mesmas ficam perdidas no meio das opiniões e relatos.
    Talvez a criação de áreas para perguntas e respostas e também um buscador por palavra.

    Abraço

  68. raquel guimaraes disse:

    Fiquei maravilhada com a intregação profissionais x pacientes, nesta banda ! Tenho procurado muitas informações sobre arte como terapia na esquizofrenia,para fazer minha monografia do Curso de Artes Visuais, e achei vcs.Acho muito importante esta postura que têm usado. Acredito que a arte em muito alivia, como acalenta a inquietude da alma,especialmente naquelas pessoas com transtornos da psique.Quero me aprofundar bastante neste assunto, fazer pesquisa de campo , ter contato com pessoas q fazem este lindo trabalho.
    Parabéns a todos da banda.Continuem firmes.
    Voces merecem toda a nossa admiração.

  69. TEREZINHA FERREIRA DE MACEDO disse:

    Meu marido é desgner gráfico e lida com muitas informações, desde que me casei com ele noto algumas coisas no comportamento dele que acho que não seja normal: como por exemplo ele não é capaz de discutir um assunto em que ele possa estar errado ou alguém discordar dele e se a pessoa que estiver conversando com ele insistir em sua própria opinião ele fica violento a ponto de qualquer coisa assim o outro insista….antes quando ele bebia ainda era pior….já procurei pesquisar com a família dele mas devido à ignorância deles não admitem que ele tenha nada….ele de repente ás vezes muda o comportamento….não acredito que isso seja normal…acho que ele se identifica mais com esquisofrênico….talvez esteja errada pois ainda não o vi se isolar de ninguém e nem ter visões….gostaria que me ajudassem a esclarecer….

  70. sueli gomes disse:

    faço tratamento p esquizofrenia e mesmo com medicamentos tenho sintomas minha vida cada dia esta mais dificil gostaria de conversar com quem tem ou convive com alguem que tem meu nome e sueli meu msn sulima2007@hotmail.com desde ja agradeço

  71. NAZA disse:

    A intenção foi boa mas o seu intuito de desestgmatizar acaba por atrapalhar. Cada caso é um caso e essas generalizações superficiais são um desastre. O pouco conhecimento é muito pior do que a ignorância. Pinçar alguns pacientes e conversar meia hora com um especialista é muito pouco. o expectro desta doença é tão grande que chega a ser irresponsavel trata-la deste jeito, como se fosse uma matéria sobre um boteco.

  72. Lígia disse:

    Srs.
    É muito triste ter uma pessoa querida e familiar com essa maldita doença (esquizofrenia). A pessoa sofre e seus familiares também. Tenho uma irmã de 41 anos assim, esquizofrenia aguda e ainda mais é surda-muda. Faz tratamento no Caps, toma 13 comprimidos por dia (5 de manhã, 3 meio dia e 5 a noite). Tais remédios alguns nós compramos e outros é da famácia do estado. Tem hora que nos tira do sério, quando surta é um Deus nos acuda. Quando ela surta agride todos, grita muito, quebra tudo, quer as coisas na hora e quer comprar tudo que ve pela frente, diz que vai nos matar (temos que guardar facas, tesouras). Já teve internada alguns dias no Hosp. Pedro II, aqui no RJ. Teve alta pois ninguém quer ela por ser surda-muda. Nós não sabemos o que fazer,o seu médico diz que a medicação já está na dosagem máxima, não tem mais o que fazer, não tem mais efeito e se der mais fica pior.Quando ela está no normal é um doce de pessoa, alegre, carinhosa, gosta de dançar. Minha irmã é digna de pena por causa dessa maldita doença. Socorro!!!!!!!

  73. denise athanazio brum disse:

    é minha gente,tenho uma amiga com esse problema;não tem jeito,tem que ter muito apoio da família,tratamento medicameentoso contínuo,psicterápico(preferencialmente de grupo),terapia ocupacional,a família deve estimula-lo a confiar no próprio taco,não desconfiar da pessoa sempre isso,faz muito mal ao paciente.deve abolir bebidas acoolica,cafeína ou qualquer outro vicio.procurar está sempre em ambiente tranqui-lo,evitar expor-se muito ao sol,sempre se protegendo,e pricipalmente,cuidar da aparência e nunca izolar-se.o que o esquizofrenico,deve saber,é que o cérebro adoece,como qualquer parte do corpo,e que ele não é melhor nem pior que ninguém.demora um pouco a apreder,mas aprende.se for muito limitado…se não der para uma coisa tente outra,pois nen nós considerados normais,somos bons em tudo.
    vário desses famoso “eram loucos”,como grandes pintores de época.
    na verdade,o verdadeiro preconceituoso,é o paciente,que demora aceitar a sua doênça,e teima,em não usar continuamente,o medicamento.
    essa pessoa que conheço,tem vários diplomas,não é de curso superior,mas é profissionalizante.
    PROCURE,DAR UM CRÉDITO DE CONFIANÇA,QUE COM CERTEZA,ELE(A),SENTIRAR-SE MUITO MELHOR.
    O QUE PUDE OBSERVAR,QUANDO A ACOMPANHEI ALGUMAS VEZES AO MÉDICO,QUE DIFERENTE DOS PSICOPATAS(LI A RESPEITO),O ESQUIZOFRENICOS,SÃO PESSOA NO FUNDO BOAS DE CORAÇÃO,MAS MEUS QUERIDO,SINTO EM DIZER O TRATAMENTO É PARA SEMPRE.

  74. gabriela disse:

    Somente com muito amor e dedicaçao podemos proporcionar uma qualidade de vida ao esquizofrenico…. as pessoas tem preconceitos e tambem admito q tem momentos que da vontade de fugir e largar td… pois me sinto impotente em certos momentos… SO DEUS…

  75. gabriela disse:

    ola tenho um irmao esquizofrenico diagnosticado ha 10 anos, no começo ele aceitava o medicamento e o tratamento era mais facil, mas de uns tres anos p ca tem sido muito dificil ele diz nao querer mais o remedio nao aceita terapia se isola totalmente ja nao sei mais o q fazer…. tenho medo q faça algo contra ele mesmo ou a alguem aqui .

  76. Geiza Amelia Machado de Azevedo disse:

    Olá ,meu nome e Geiza e moro em Sp ,conheci um rapaz atraves de sua mae q me pediu p/visita-lo pois somos vizinhos e nuncos nos falamos isso a 1 ano ,ela me disse q ele tinha depressao e fui vê-lo e me apaixonei por ele a primeira vista ,entao nao nos separamos mais ,entre muitas dificuldades de relacionamento descobri q na realidade era Esquizofrenia ,fiquei chocada e c/receio ,comecei a pesquisar ,filmes q embalava o assunto ,tive momentos de dilemas ,entre deixá-lo ,mas ele ja faz parte da minha vida ,digo a ele q somos siameses ,q se ele sente dor no dedao eu tambem sinto ,ontem ele foi em casa ,pois tinha pedido um tempo ,p/organizar minha cabeça pois sua doença as vezes nos separa ,nossa vida e como de Tarso e Tônia ,e conversamos bastante e ele me deu uma aliança de compromisso?ele tem vontade de ter um filho comigo ,mas a maternidade nunca foi um ideal meu depois q passei dos 30a ,e tb por medo de nosso bêbe ter a herança assim como Jhon Nash e seu filho ,amo o Will tanto q nao penso em ficar longe dele ,mesmo q nunca possamos ficar juntos?!meu coração so tem lugar para ele!E uma historia muito bonita ,mas confio plenamente em Jeová ,pois nao possivel q nos conhecemos a toa ,a algum motivo.Q todos voçês possam compartilhar comigo esta batalha.Obrigada

  77. maria jose disse:

    tenho toc as vezes estou bem outras nao. GOSTARIA DE SABER SE UM DIA VOU FICAR BOA DE VEZ

  78. Faby disse:

    Poesia : @ Todos

    A intensa procura.

    Procuro-te no escuro.
    Procuro-te entre os absurdos.
    Mascaras se traduzem a buscas constantes pela felicidade, pela paz
    A intensidade o faz…
    Vivendo entre dois mundos
    Onde a fragilidade o submerge a todo instante
    Choca, alarma, assombra lhe faz esquivo.
    Em um instante lhe faz trepidar, lhe vem à lucidez arrogante.
    Fugaz como o vento de verão.
    Maltratando – te a alma
    Entre fleches de menino e adolescente.
    Arrasa seu ego, o meu ego, e lhe faz em flagelo.
    Euforia, nostalgia, momentos de melancolia.
    Em uma vida vazia.
    Pergunto-me o porque?
    O que lhe falta, o que nos falta?
    Vida?
    Sonhos?
    Humildade?
    Coragem!
    Só fica uma saudade de você de quem você era…
    Realidade perversa…
    Fremir!!!
    Tudo o contém, mais nada o convém.
    Vaga, e se encontra em delírios.
    Vivendo entre absurdos e susuros.
    Palavra não sabe dizer, palavras não parecem compreender
    Frases e palavras o consomem…
    Em ambíguas repetições.
    Talvez seus sonhos se foram, em uma busca impiedosa pela a razão.
    Talvez! Talvez! Por que e porquês?
    Dores que destroem alma, ao ver o conhecido se transformar em um desconhecido!
    Solução? Remédio que eu queria ter com exatidão.
    Esquizofrenias afetam uma grande parte da multidão.
    Palavras, frases, poesias
    Pessoas que vivem uma eterna fantasia.
    Que o mundo o transforma a todo instante, em fantasmas, tragédias vivas
    E apenas o que posso dizer que dói…
    Tentar resgatá-lo, juntar os pedaços, amá-lo
    Ver-te sumir e ver como o mundo te ver!!!
    Apenas posso agradecer
    Por ainda ter vc!!!

    Faby simbologia do meu querido esquisofrenico.
    Beijus a todos…

  79. Faby disse:

    @Aristides -Deus só da o que podemos suportar…Tenho um irmão esquisofrenico e é muito dificio a convivencia com ele mais o amo cada vez mais.
    E lembrando: todos nos temos problemas, os meus ou os seus não são menores ou maiores do que de ninguem, devemos lembrar, todos temos problemas dificies e que tudo tem um sentido. E a humildade e o amor deve peseverar entre todos nos, e cudar dos nossos esquisofrenicos e nos cuidar. Eles são pessoas que precisam estremamente da familia e aprendi que revolta não leva a nada… é meu lema agora é nada como um dia apos o outro…

  80. Fernando L. Silva disse:

    Observa-se que existem vários graus de manifestação da enfermidade. Parece nos que em alguns casos o portador não tem debilitadas suas capacidades mentais, mas pelo contrário exacerbadas. São de raciocínio rápido, espertas, tramam e arquitetam embustes surpreendentes. Isso leva muitas vezes a nós familiares a nos esquecermos de que são doentes e nos revoltamos com suas atitudes, como se eles fizessem por maldade.
    Respeitosamente as diferentes convicções religiosas, gostaria de acrescentar, que muitas vezes existe um componente de influenciação espiritual. E que nos casos mais difíceis a busca por um hospital psiquiátrico de base Espírita, ou por um Centro Espírita “Kardecista”, nos casos mais leves, pode ser de grande valia, para que inclusive o agente da influenciação seja beneficiado e ambos possam continuar suas existências em paz. Não querendo dizer com isso que a parte fisiológica e quimica do cérebro deva ser esquecida. Ou seja: os medicamentos devem ser administrados conforme a prescrição médica.
    Abraço a todos

  81. anita disse:

    meu marido medico ja chegou a fazer 72hrs de plantao tivemos eu e meus filhos que sair de casa por conta da sua agressividade verbal fisica seu humor ossila gostaria que me ajudassem pois a 11 anos vivo a sua merce alem de ser um homem muito ineligente e mt trabalhador mas com a familia e extremamente grosso as crianças vivem com medo dele preçiso saber se existe algum remedio que coloca na bebida para acalmalo que nao possiu gosto nem altera o sabor do cha suco cafe por favor me ajudem

  82. Nicole disse:

    Isso que o Aristides falou é verdade. Leigos palpitam, psiquiatras diagnosticam e medicam, mas só quem convive com um esquizofrênico no dia a dia é sabe das coisas.
    O esquizofrênico suga toda a energia das pessoas que o rodeiam e quer levá-las todas para o buraco, junto com ele.

  83. Aristides disse:

    Pra quem convive em casa é uma coisa pra quem opina é outra

  84. CARLOS disse:

    Olá pessoal. Gostaria q vcs me ajudassem. Desde os meus 14 ou 15 anos (estou com 33 anos), sinto que ñ sou normal. Explico: Meu humor varia com uma intensidade muito frequente; tem dias q me sinto indestrutível, sinto q “sou capaz de guerrear sozinho contra o mundo” e sair vencedor, sinto q tenho as melhores idéias ja surgidas e q dariam jeito nos problemas mundiais, sinto q posso ser tudo q gostaria de ter sido na vida, no entanto, há dias em q ñ tenho ânimo nem pra levantar da cama (o amanhecer é mais um dia de tortura), tenho medo de tudo e de todos, penso q há alguem tramando alguma coisa contra mim, ñ tenho coragem de sair à rua e tenho receio de ir à faculdade também, entao me afogo no trabalho, parece q há toneladas de peso sobre mim. Tambem me irrito com muita facilidade, falo desordenadamente e meus raciocínios parecem nao ter nexo, eskeço das coisas com grande facilidade, quando nao estou “encastelado”, absorto nas minhas idéias, meditando e kerendo estar longe de tudo e de todos, sem kerer ver ninguem.
    Obrigado desde já por quaisquer orientações ou indicação de literaturas q possam me ajudar. Um abraço a todos!!!

    P. S.: Tenho um irmão por parte de pai q tem TOC, e, na familia, tanto do lado da minha mãe quanto do meu pai, percebo q há pessoas com “indícios” de alterações psicológicas.

  85. andreza disse:

    minha mãe esta neste momento tendo surtos um atraz do outro e eu não sei o que fazer ela rejeita os remedios so fala coisas fora da realidade ela esta com 49 anos e nunca aceitou nenhu tipo de tratamento sera que tem alguma coisa que eu possa fazer ela ja tomou remedoi durante 6 meses so que agora ela fala que esta curada e fica indo na igreja de revelação e fala que tem poder o que eu posso fazer me ajude

  86. Tania disse:

    Tenho um filho de 26 anos que sofre de esquizofrenia desde os 18 anos, e estou aqui para pedir ajuda, já que através desse site descobri o que tanto procuro para um tratamento digno para ele. Devido a falência do serviço público da saúde na zona oeste, ele faz acompanhamento (trimestral)apenas com psiquiatra no CMS Waldir Franco em Bangú. Antes da doença meu filho fazia parte de um grupo de pagode no qual ele tocava tantan, e já se apresentava em aberturas ou término de show de grupos famosos. Hoje vendo meu filho totalmente ocioso por eu não ter condições financeira parar dar a ele alguma atividade que ajude a melhorar a sua qualidade de vida, me faz sofrer muito. Peço, por favor, ao Centro psiquiátrico do RJ vaga para o tratamento ambulatorial, especialmente ao psicólogo Sidney Dantas ajuda com musicoterapia para ele. Desde de já, deixo aqui o meu agradecimento. Obrigada, Tania

  87. marilda disse:

    gostaria de trocar experiencias com pessoas que tenham alguem na familia com eaquizofrenia minha filha tem 26 anos tem esquizofrenia faz pouco tempo que descobri quem quizer conversar comigo estou deixando meu msn marilda.candia@hotmail.com

  88. jose william crispim alves disse:

    Sou esquizofrenico,passei por varias internações em hospitais psiquiatras, onde sofri maus tratos, preconceitos nao so nos hospitais, mas tambem por parentes e amigos. De fato nesse periodo nao me sentia bem. Ate que encontrei o CAPS Geral da Regional IV (Fortaleza), aqui fui tratato como paciente e como gente, atraves da arte-terapia, medicacao e tratamento psicologico.Isso ja ha mais de tres anos, a isso devo o resulatado de como estou hoje, convivendo normal em sociedade, me sentindo de fato um novo homem.

  89. Carlson Ripol Gomes disse:

    Tenho esquizofrenia e já não agento mais às vezes tenho vontade de suicidar-me.
    POR FAVOR AJUDEM-ME!!!!
    Calson

  90. girassol disse:

    Olá !! Gostei muito do que escreveu…

    Para mais informação… visitem http://pensarmental.blogspot.com/

  91. Raimunda disse:

    Boa noite!Quero informar as pessoas que estão sentindo dificuldade para conviver com seus familiares,estão perdidas procurem um CAPS na sua cidade(CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL)estão substituindo o hospital DIA foi assim na minha cidade VILAÇA se voce precisar entre em contato pelo meu Email pedagogaray@hotmail.com boa sorte,aguardo seu contato,um abraço.

  92. Raimunda disse:

    Boa noite!Agradeço essas informações, Portaria 336/02/2002 todos os CAPS necessitam de profissionais das artes também em um modo geral ajuda bastante através da terapia a controlar a doença(ESQUIZOFRENIA)tenho na familia portador e a luta é grande para fazer entender a necessidade da medicação!”A LUTA ANTIMANICOMIAL 18/05/2010 PRECISA SER BASTANTE DIVULGADA NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PARA NÃO HAVER MAIS MANICOMIOS E OS CAPS DE BOA QUALIDADE PREPARADOS PARA ACOLHER O PACIENTE CASO HAJA NECESSIDADE DE INTERNAR COMPREENDEU? ESSA LUTA É DO MUNDO INTEIRO”,DESDE JÁ AGRADEÇO BOA SORTE QUE DEUS ILUMINE AS MENTES.

  93. ana lúcia patrício de araújo disse:

    eu tenho um primo com essa doença, como posso ajuda-lo! eu estou muito triste com isso.. obrigada!

  94. Jadison de Lima Silva disse:

    Quero parabenizar por este site, que é tão importante para nos exclarecer duvidas e ouvir relatodos verídicos da mesma. Quero afirmar também que conheço pessoas que tiveram essa doênça, mais consequiram se tratar, só pq elas tinham dinheiro, pois infelismente a rede pública é muito précaria para esse tipo de doênça.

  95. vilaça disse:

    Gostaria de comunicar com outras pessoas que convivem com um familiar esquizofrênico,abraço

  96. Elizabeth disse:

    olá! Tenho 27 anos e uma irmã com 31.Nossa mãe tem esquizofrenia há 30 anos, e só há um ano descobrimos a doença, desde então alguns médicos falavam que era depressão.Ela tinha várias crises, era muito triste ver nossa mãe daquele jeito.Convivemos com ela desse assim, por toda nossa infância e adolescência.Mas graças a Deus, encontramos a médica certa e nossa mãe está sendo tratada, e não teve mais crises.Agora iremos cuidar da nossa mãe por toda nossa vida e com muito prazer, pois é uma mãe maravilhosa e muito amada!

  97. Maristela disse:

    Olá… Parabéns pela matéria, excelente!
    Meu esposo é esquizofrênico, foi diagnosticado a mais de três anos e até acontecer o diagnóstico, sofremos muito e ainda passamos por muitas dificuldades, mas uma coisa que é de extrema imprtância, a família deve estar por dentro do assunto, estudar muito, e ter muita paciencia, pois apesar do problema, meu esposo professor universitário e desenvolve muito bem o trabalho, é muito inteligente e desenvolve projetos fantásticos, mas tem que manter o tratamento e e ser muito incentivado. Quanto a vida social, é a primeira que afeta, mas com jeito a gente vai se readaptando a novo estilo de vida, nunca mais será a mesma coisa. Outra coisa que dificulta muito é o foto de que a maioria das pessoas, por ingorancia, ou por falta de conhecer sobre o problema, chamam essas pessoas de loucos, que estão possuidos e muitas outras aberrações, que deixam o portador ainda mais depressivo. Por isso eu acredito que um dos principais tabus a ser vencido e a inclusão do portador e a liberdade de falar sobre a doença sem se motivo de chacota.
    À todos aqueles que convivem com um esquizofrenico dou o meu conselho, acompenhem eles na consultas, incentivem, dão carinho, atenção e em momento de crise, jamais os deixem sozinhos.
    Abraço e força a todos

  98. Neida Benício disse:

    Aqui achei muitas inforações,não sei se esta doença enquadra em deficiencia meu filho é portador da doença á 27 anos a 5 anos atráz ele aceitou o tratamento foi enternado hoje está sobre controle mas para mim foi muito difícil entrei em depreção sou ipertência, tenho 3 pessoas da família com o problema, agora meu neto com 27 anos está com cintomas ouvindo vózes não dorme ancioso demais, obigada

  99. Maria Aparecida Caçador disse:

    Meu marido tem a doença, ha um mes vivo sem saber o que fazer como agir. Acredita que estou traindo, não posso sair de casa, me acusa o tempo todo. Tem omentos que acho que vou enlouquercer. O que faço, me ajude por favor…

  100. judite nobrega disse:

    aesquizofrenia tem tratamento mas não tem cura sou muito triste por causa desta doença pois ja pssei muito vexame por mue filho ser portador e eu m~ae sou portadora de bipolar depresiva não sei dar minha opnião as vses sinto muitasdificuldades e muitdificil pra uma mãe como eu

  101. Elis Regina disse:

    Parabens pela publicação deste artigo, que expõe de forma didática e objetiva contribuindo ainda mais com a nossa luta de tratarmos os portadores de esquizofrenia com humanidade.

  102. EDENILTON MAIA disse:

    A esquizofrenia trata-se de uma doença mental crônica, onde o portador vive no mundo real e imaginário; o tratamento é medicamentoso prescrito por um psiquiatra e terapia ocupacional; o resulta depende de vários fatores…Quanto mais cedo o diagnótico melhor.Quem quizer trocar idéias me add.:edeniltonmaia@hotmail.com

  103. ana flavia disse:

    minha mãe é portadora dessaa doença,custamos muito para detectar pois na epoca nos os filhos eramos crianças.e meu pai que era espirita dizia que ela estava encorporada com algum espirito,daí seu tratamento só foi possivel dez anos apos a doença instalada.Ela e nos sofremos horrores pois ela sai pra rua como mendiga,e achava que estava na ultima moda,raspava todo o cabelo,as vezes se machucava,arrancava toda a sombrancelhas,e vivia no mundo dela.Onde nos não entravamos.Hoje os sintomas estão controlados, com medicamentos,mas mesmo assim ela não consegue mostrar se feliz,difilcilmente sorri,não se alegra com nada.Gostaria que ela voltasse ao normal de tudo.

  104. Eduardo disse:

    Sou psicólogo, creio que o ideal é um acompanhamento tanto para os familiares quanto para o proprio doente.Hoje existem diversas medicações que ajudam a estabilizar os transtornos.

    ë importante saber se os transtornos desenvolvidos sao realmente provenientes da esquizofrenia ou de alguma outra patologia, a diversas que podem acabar levando a um diagnostico errado como por exemplo a abstinencia em drogas.

    Abs,
    Eduardo Lopes

  105. Lena disse:

    Ola Meu namorado tem essa doença..
    gostaria de saber mais sobre essa doença!

  106. nelma disse:

    @Mironey, oi meu nome e nelma tenho muitas duvidas meu filho e portador dessa terrivel doença as vesses tenho duvidas se e a doença ou rebeldia pra chamar a atençao fala que e maluco vira a mesa quebra as coisas mas na rua nao deixa niguem perseber nada dis que vai se matar se eu for dormir nao me deixa viver minha vida amo muito meu filho mas me sinto muito cobrada por ele dis que vai me deixar maluca igual a ele me achude meu imeio e neguinha_37@hotmail.com

  107. Valdira Torres disse:

    Olá, gostaria de saber mais sobre o transtorno
    borderline…pois tenho duvidas quanto a este transtorno e o Bipolar…já me trato com psiquiatra desde 2001…já passei por varias psicólogas…..atualmente faço psicoterapia…

    desde já agradeço

    Valdira

  108. eliane disse:

    tenho um filho esquizofrênico e preciso trocar idéias sobre o asunto, pois sofro muito.cuido dele muito bem e procuro não sofrer, mas é muito difícil.fico olhando meu outro filho e fico com muito medo que ele venha a dar ajgum sinal que lembre a esquizofrenia.

  109. claudia.helena volpini de camargo disse:

    gostaria de saber sobre o medicamento haldol pessoas que tomam preciso de depoimentos para entender melhor
    obrigado

  110. cleo disse:

    Tô procurando informações sobre essa.. sei la como chamar , pois acho que minha mãe sofre disso.è dificílimo lidar com os comportamentos !!

  111. Alessandra Lacerda disse:

    Minha mãe é esquizofrênica.
    Acredito que o pior da doença não é conviver e sim, não buscar informações de como lidar com essa condição da pessoa.
    Penso que se os familiares estão dispostos a entender e aceitar a doença dessa pessoa, já é meio caminho andado para que ela tenha uma vida digna. Afinal, assim como ninguém escolhe ficar cardíaco, ninguém escolhe ser esquizofrênico.
    A falta de informação é verdadeira doença do mundo.

  112. maria disse:

    Tenho um amigo esquizofrenico.No começo foi dificil,mas nao foi impossivel.Ele agora é meu melhor amigo.nao é tão diferente das outras pessoas mas temos que ter cuidados.

  113. VALDECI disse:

    SOU FUNCIONARIO DO CAPS-TM AQUI NA PARAIBA.AS VEZES NOS CHEGAM CASOS DE ESQUIZOFRENIA,TENHO UM POUCO DE RECEIO POIS NÃO SABEMOS QUAL SERÁ SUA PRÓXIMA REAÇAO PARA CONOSCO. QUERIA SABER SE TEM ALGUMA RECEITA SABER LIDAR COM ESSE TIPO DE TRANSTORNO MENTAL. SOU UM DOS MONITORES DO CAPS.OBRIGADO

  114. Claudia Batista disse:

    Não oculte o seu esquizofrenico, apresente nosso mundo a ele, talvez ele se interesse……E teremos a oportunidade de conhecer também este mundo misterioso.
    O desconhecido estimula o medo.

  115. Claudia Batista disse:

    Me chamo Claudia sou psicologa e durante três anos trabalhei em CAPS atendendo crianças e adolescentes portadores de Esquizofrenia, é realmente uma clientela especial, alguns trazem comorbidades(outras psicopatologias)agravando ainda mais a doença. Na forma de se comunicar com estas pessoas o que fará a diferença é exatamente não DIFERENCIAR, ou seja, procurar inclui-los no nosso mundo, visto que na sua maioria são produtivas, embora seu comportamento acelere momentaneamente, quando estão em acompanhamento profissional, são capazes de conviver socialmente e desempenhar tarefas rotineiras com sucesso.

  116. Verinha disse:

    @Edu, ola Edu me ajuda nessa tenho um irmão assim e estou quase enloquecendo pois as vezes a gente da familia mesmo não endente a doença e ñ sabe como lidar com eles se vc puder me dar algumas dicas fico grata a vc vera

  117. Verinha disse:

    Ola pessoal sera que eu tenho possibilidade de ter a doença do meu irmão, ja q não encontra de onde ela vem o mais provavel é q ela seja herreditaria apesar de nós sermos irmão por parte de mãe eu ainda teria chance pq sou um pouca estressada pois minha vida é um pouco agitada trabalho tenho 3 filhas de 9,3 e 1 ano e ainda uma irmã por parte de pai com retardo mental moderado com 55 anos e cuido do meu irmão esquizofrenico co 33 anos as vezes parece q ñ vou aguentar tenho medo de ficar louca pois sou nova tenho 26 anos e tudo isso na cabeça ñ é facil me ajude vc q é mais experiente no assunto que Deus abençoe todos vcs

  118. vera morais disse:

    Sou irmã de um portador é realmente cansativo e triste as vezes tenho vontade de sumir e largar tudo , fico pensando será q ele vai se casar ou vai ficando pior cada vez mais

  119. Rosane disse:

    Doi e doi muito !!! Meu filho Eduardo tem sindorme de down, ele tem 24 anos, e aos vinte e um anos ele tornou-se esquizofrenico…. foi muito dificil o diagnostico, pois ele tinha uma deficiencia… levei-o a varios medicos, já não aguentava mais…. dai desisti dos medicos. Ajoelhei-me e fui direto falar com Deus… meu filho esta tendo uma nova oportunidade, pois Deus nos ouviu. E se ele ficar do jeito que se encontra hoje, sou a mae mais feliz e mais agradecida desse mundo. Obrigada meu Deus.

  120. ana disse:

    @Rita, Muito bem Rita é isso mesmo que se faz . eu sou esquizofrenica , faço tratamento a 5 anos mas ja sofri muito com a minha familia pois eles não me entendem , minha mãe ainda vai mas tenho um irmão mais velho que judiou muito de mim quando eu estava em crises , me batia muito , me oprimia falando que iria constrir um quarto e me trancar pra sempre. eu sofri muito , muito mesmo. So precisamos de carinho de pessoas que nos compriendam e nos de amor .

  121. Edna disse:

    @AICRAM ROCHA,
    Boa tarde. Tenho um irmão com 52 anos e dede os 22 faz tratamento para esquizofrenia. só agora com o conhecimento espirita esta conseguindo ficar melhor.O que para os médicos é esquizofrenia, pode ser mediunidade.Não digo para abandonar o tratamento pois tudo vem da misericordia de Deus, apenas que procure se informar sobre mediunidade. Sugiro o programa www. despertar espirita ou ouvir a radio rio de janeiro 1400 am. Boa sorte.

  122. Rita disse:

    Rita são Paulo
    Convivo com uma pessa muito amada e cuido dessa pessoa que é minha mãe, foi diagnosticada a + ou – uns 10 anos atrás, mas desde que eu tinha meus 7 anos de idade que convivo com esta doença que é terrivel pra quem tem ou pra quem convive com um portador. A pessoa portadora de esquizofrenia sai totalmente da realidade e a caa dia ou a cada 5 min. muda de comportamento, qdo levanto pela manhã só pelo olhar vejo se hj ela está melhor ou está mais agitada, a pessoa que cuida tem que ter muito amor paciência, saber que ela é diferente que tem que ser tratada de maneira adequada sem querer impor seus pensamntos pois ela é que tem razão não discuta somente ouça, pois as vezes ela não aceita e fica agressiva, não tem cuidados com a higiêne, e nós que cuidamos temos quer ter tato pra convence-la que é preciso tomar banho, é muito dificil mas apesar de tudo, eu daria tudo pra vê-la sorrir se alegrar, pois é uma vida vazia sem gosto e é uma vida de tribulação para o portador,eu como filha amo demais minha mãezinha e mesmo ela sendo assim a mais de 40 anos quero ela bem pertinho de mim ela pra mim é meu bebe minha criança que amo demais o que eu puder proporcionar a ela pra que ela venha ter conforto,mais alegria, mais paz eu o farei!!! é isso bjs…

  123. Kátia 7 lagoas disse:

    É uma pena a forma como a doença é tratada.
    Pois o sofrimento para todos é enorme. já convivi e continuo convivendo com várias pessoas com este tipo de disturbio.
    O problema deveria ser mais difundido, assim o sofrimento para todos seria menor.
    É uma questão de educação, cultura, humildade e sabedoria……..

  124. Eliane Rossi disse:

    Meu tio foi diagnosticado com squizofrenia tardia, depois os 50 anos,era ´um tio muito querido,seus surtos para nós foi uma surpresa,hoje aprendemos a conviver com a doença, mas dói muito saber que nosso tio querido, tão intelignte e bondoso que cercava todos o sobrinhos com amor, nunca mais será o msmo!

  125. HELDER SABADIN disse:

    Estou em tratamento a tres anos me vejo sempre perseguido. so durmo a base de remédios fortes e vejo que e heraditário mae e irmão mais novo mesmo problema sofro muito falta carinho com quem falar, e discriminação´só de me verem tomar os remédios; pior tenho filha 8 anos ja está indo á psicologa 20 cessões ALEM DISTO DORES E OUTROS SINTOMAS ANSIA VOMITOS ETC PAZ E BEM

  126. MAURICIO disse:

    ´´ conhecer tudo que se é permitido, sobre a doença modo de tratamento , medicação , tudo , tudo que se pode conhecer , e ter força nas recaidas e acreditar que um portador de transtorno bipolar como eu com sintomas psicoticos, quando em crise . `´É um ser humano FORTE, pois vencedor não é quem não cai , mas quem se levanta e segui a vida , tendo dentro de si uma batalha e outra fora , então sendo 2 veses vencedor um abraço…

  127. Palavra amiga disse:

    @Carlson Ripoll Gomes,
    Não, mas tem tratamento.
    Quando temos uma doença crônica como diabetes, hipertensão, esquizofrenia precisamos nos tratar sempre. Os que reconhecem que precisam de tratamento ficam muito melhor do que aqueles que não dão bola para êle. Nos tratando controlamos os sintomas. É importante seguirmos um tratamento. Só não é bom quando achamos que não precisamos mais de tratamento. Aí o hipertenso sobe a pressão, o diabético fica com o açucar no sangue descontrolado, o esquizofênico pode voltar a ter sintomas. Se trate sempre, e tudo ficará melhor. Te desejo toda a sorte.

  128. nelma disse:

    @sonia maria salles barreto, tenho um filho com o mesmo problema sofro muito com isso as veses quero conversar com alguem que passa por isso para desabafar vamos conversar mas me mande seu imail meu filho tem 21 anos eu tenho 38

  129. Carla disse:

    @HELENA,
    A medicação e o acompanhamento podem ser uma grande ajuda. Como diz Rita, aceitar que temos um problema já é o grande passo para uma vida melhor.

  130. Carlson Ripoll Gomes disse:

    Tenho esquizofrenia. Tenho 55 anos. Tenho cura ?

  131. Alessandra disse:

    @Fabrícia,
    Querida, toda esquizofrenia é uma psicose, que tem como caraterítica marcante a presença de delírios e alucinações. Imagino como é difícil lidar com o preconceito, mas converse com o médico de seu irmão sobre o que é psicose e ficará mais tranquila.
    Um abraço, e boa sorte!

  132. HELENA disse:

    ANDEI LENDO ALGUMAS COISAS E COMO FAÇO TRATAMENTO PSIQUIATRICO HÁ 6 ANOS NÃO ENTENDO PQ OS MÉDICOS N CONSEGUEM UM DIAGNÓSTICO PRO MEU CASO. MINHA FAMÍLIA QUASE TODA SOFRE DE DEPRESSÃO E MEU IRMÃO É BIPOLAR. TENHO OS MESMOS SINTOMAS Q ELE E LENDO SOBRE A DOENÇA CONSTATEI Q TENHO 10 SINTOMAS DOS Q FORAM CITADOS NO SITE. QUERIA AJUDA, N QUERO PIRAR… 🙁

  133. Mariluce Duarte disse:

    Sou assistente social e estou trabalhando com esta clientela há pouco mais de uma ano. Trabalhava com cianças e adolescentes em situação de risco pessoal e social. Recentemente encontrei uma adolescente com a qual realizei diversas tentativas de reinserção familiar, sem sucesso.Neste encontro ela me perguntou se ainda estava no mesmo trabalho e eu, buscando uma forma que ela compreendesse, disse que estava trabalhando com ” malucos” no que ela disse: Ah! igual a gente. E eu perguntei porque vocês são malucos? e ela respondeu: a gente não tem juízo.Fiquei confusa com a resposta, porém a visão desta adolescente expressa o que pensa a população em geral, que por não conhecer termina estigmatizando o portador de transtorno mental, provocando o preconceito e a exclusão. O que podemos fazer? penso que socializar informações de que é possivel levar uma vida controlada.Neste propósito a novela caminho das Indias, de certo contribuírá bastante para mudanças na forma de pensar o Transtorno mental.

  134. neide disse:

    esquizofrenia ainda e uma doenca que faz parte da descriminacao entre a sociedade mais tratada tem o seu retorno positivo dizem que todos vivemos em momentos de delirio quando assim fechamos os olhos para a realidade temos que procurar ajudar os nossos amigos que um dia ja foi assim normal sem presenca de delirio ou sentimento de desprezo para o mun do e a sociedade

  135. Einstern Job disse:

    Einstern Job

    Tudo bom?
    Eu queria fazer uma pergunta:
    – Existe cura para a esquizofrenia?

    Obrigado
    Cidade do Natal/RN

  136. sonia maria salles barreto disse:

    por favor me ajude tenho uma filha que tem a doença escrizofenia ela tem 28 anos com muita vontade de viver a vida mais nao consegue acho que ela nao esta tendo o tratamento adequado, preciso de ajuda!!!!!!!!!

  137. silvia disse:

    MINHA FAMILIA PRECISA DE AJUDA MEU IRMAO ESTA MUITO DOENTE E INFELIZMENTE ELE NAO ENTENDE Q ESTA DOENTE E SE RECUSA A TOMAR SEUS MEDICAMNETOS SILVIA

  138. sonia disse:

    @tania, oi tambem tenho um marido que é esquizofrenico mais ou menos 3 anos,mas axo que ainda na o consigo encarrar muito bem a situaçao nem o que fazer,á dias que anda muito bem como á dias que nao faz nada ,mem fala ,o seu comportamento mudou muito até com a filha.se me puder dar alguns conselhos

  139. marilia disse:

    por favor preciso de ajuda ,tenho uma irmã que tem esquizofrenia e precisa de ajuda.
    Ela não aceita que tem a doença os filhos abandou e vive sozinha quero saber como faço para tratar dela. por favor me ajude.onde é o centro de psiquiatria. obrigado marilia

  140. Carolina disse:

    Oi, sempre que posso faço buscas pra saber se realmente é possível, ainda nesse século, a quebra do paradigma sobre a esquizofrenia. Digo isso porque sou esquizofrenica e tive meu primeiro surto aos 16 anos, gravida do meu primeiro filho. A história é comprida, porém não diferente de outros portadores de esquizofrenia. Perdi minha adolescencia, não só pela gravidez precoce, mas principalmente pela discriminação que vivi e continuo vivendo onde moro. As pessoas ainda me apontam e quando não até me perguntam, idiotizados, e aquele probleminha, você tá melhor? Sorrio… Mas me entristeço, pois me lembro quanto já sofri por causa da divulgação da minha doença.
    Pois é, ao contrário do que muitos pensam, tenho muito medo de surtar novamente e não ter mais o direito à “Casa de Repouso”. Por que digo isso? Imaginem vocês, se apenas por saberem que estive internada por estar “louca” meus vizinhos até hoje, exatamente 17 anos depois,ainda me olham estranho, o que aconteceria se me vissem despida ou com um comportamento “antissocial”. Nossa, se não mais existir uma Casa de Repouso, certamente vou mergulhar no meu quarto pra nunca mais sair.
    Mais esta também não é minha maior preocupação. Conforme li e percebo quando visito alguns CAPS, é que, até pela necessidade de uma Terapia Ocupacional, as atividades que nos são dirigidas, não desmerecendo-as, são de baixa complexidade. Me preocupo em saber como fica nossa capacidade profissional. Termino a faculdade esse ano e simplesmente não comento o assunto sobre minha doença com ninguém, por medo de não poder exercê-la. Isso é possível? Como andam os trâmites jurídicos em relação ao Portador de Esquizofrênia? Temos direito de prestar concursos públicos?
    Me desculpem se fui massiva, mas acredito que este é o melhor espaço para colocar minhas indagações.
    Desde já agradeço. Um beijão no coração de cada um.

  141. LUÍS CLÁUDIO DAMASCENO FEITOSA disse:

    Q LOUCURA MARAVILHOSA!!!!Sou Aux.de Enfermagem do CAPS-II(Piripiri-PI),estou cursando Serviço Social(último período) e Enfermagem (1ºperíodo), certamente vcs fortaleceram a minha paixão pela Saúde Mental.

  142. laila disse:

    amei demais, irei fazer psicologia, mais não irei me especializar em psiquiatria não, porém amei a materia, acho que vocês resumiram tudo para todos. amei as histórias e como vocês querem passar esse assunto que tanto apavora os outros, de uma forma tão clara, isso é muito bom. Parabéns mesmo pela matéria…

  143. marlene disse:

    Parabens pela matéria, esclareceu varias duvidas que eu tinha.Como sugestão gostaria muito de ler também sobre efeitos colaterais que as medicações para essa doença provocam.

  144. marlene disse:

    @marta, oi marta eu também tenho um irmão que é esquisofrenico, e existe sim tratamento, não cura mas controla bastante. Procura algum centro de tratamento para saude mental em sua cidade que é totalmente gratis e tem o apoio de psiquiatras, psicólogos e asistentes sociais.
    Se precisar de mais apoio, pode contar comigo.

  145. luciana disse:

    É UM RELATO MUITO IMPORTANTE,PRA AS PESSAOS INDENTIFICAREM ESSE PROBLEMA O QUANTO MAIS CEDO!MUITO IMPRESSIONANTE!!

  146. aida maria walker palma disse:

    tenho uma filha com esquizofrenia.Ela tem há 8 anos.além da esquizofrenia,ela tem tambem,diabetes.Faz uso de insulinas,Regular e nph. Usa o medicamento clozapina de 100mg ,4 x ao dia . Existe algum tratamento alternativo para essa doença,por exemplo,terapia ocupacional,etc…Ela só dorme,não faz nenhuma atividade …gosta de ficar na internet ,ver o yotube,pegadinhas,filmes,e o orkut.Diz que gostaria de ter sua vida de volta,ter uma vida normal como as demais pessoas.Existe aquí em Fortaleza algum grupo de pessoas cuidadoras de esquizofrenia ,noqual eu e minha família possamos participar para melhor entender a doença e ajuda-la a viver com uma qualidade de vida melhor? agradeço sua ajuda desde já.

  147. Eydila disse:

    Meu ir,ão tem esquizofrenia, gostaria de saber se em Maceió existe alguma associação de pais e amigos?

  148. tania disse:

    @leticia, meu marido tem esquizofrenia e segundo os psiquiatras que já o atenderam esta doença tem controle e não cura. Segundo as informações que recebi cerca de 1/3 dos pacientes vivem uma vida inclusive produtiva, tendo condições de trabalhar, o importante é a adesao ao tratamento, um ambiente tranquilo e terapias alternativas.

  149. AICRAM ROCHA disse:

    POR QUANTO TEMPO DURA O TRATAMENTO DE ESQUIZOFRENIA CRONICA,JÁ TEM 2 ANOS E ESTA TOMANDO SEROQUEL800MG,NEOZINE100,RIVOTRIL4MGPOR DIA NÃO TEM MAIS CONTATO COM AS PESSOA NÃO GOSTA DE VER NINGUEM ENGORDOU 14 KILOS COM O MEDICAMENTO,TEM DIA QUE FICA INQUETA E IRRITADA SEMPRE FICA DENTRO DO QUATRO SOZINHA NÃO FAZ NADA DENTRO DE CASA SO QUE FICAR SÓ ESTA MUITO DIFICIL DE VER ESTA SITUAÇÃO AS VEZES ESTA BEM, BASTA PASSA ALGUMAS HORA PARA FICA ISOLADA POR FAVOR ME DE UM AJUDA COM ESTA SITUAÇÃO ELA VAI NO PSIQUIATRA MAIS ACHO QUE CADA DIA QUE PASSA ELA ESTA MAIS DISTANTE DE TUDO E TODOS EM UM MUNDO COMPLETAMENTE DIFERENTE PARECE QUE NÃO EXISTE NADA DE IMPORTANTE EM SUA VIDA ESTA MUITO DISTANTE DE TODOS

  150. Luiz Eavandro disse:

    @marta, Tem tratamento sim, você deve procuar o ambulatório de psiquiatria da policlínica mais póxima de sua casa, as vezes é necessário encaminhamento que o clínico do posto de saúde pode fornecer. O tratamento será definido pelo médico psiquiatra após avaliação do paciente e correto diagnóstico. Caso seu irmão esteja muito rebelde, agitado, não cooperativo voce pode levar a uma emergência psiquiatrica para avaliação imediata.
    Espero ter ajudado

  151. leticia disse:

    gostaria de saber se tem curaa? se a pessoa tem que ser medicado para o resto da vida?

  152. marta disse:

    @ana paula, me ajude,meu irmão sofre disso,eu acho,mais a familia nem desconfia,mais com a novela eu to chegando a essa conclusão.um abraço

  153. marta disse:

    @Antonio, seu problema émais ou menos igual ao de meu iemão,aquionde moro a situaçao medica é precaria,esofremos com a situação..

  154. marta disse:

    oi,meu email é martasantos_21@hotmail.com,meu nome é marta e tenho um irmão que acho ta com essa doença,por favor,se alguem tem algum tipo de tratamento pelo sus ou coisa parecida ,nos ajude,obrigada.

  155. Matheus Cajaíba disse:

    Eu acredito que não se deve dar palpites naquilo que não se sabe. Essas agressões podem ou não ter relação com a doença. Seria necessária uma investigação para um diagnóstico preciso. De onde você pode dizer que acredita que “tais agressões n estão ligadas diretamente ao transtorno”? Puro chute. Como pode afirmar que as agressões possam estar ligadas à “indole dele, ou seja as características da personalidade dele”? Você pode dizer até que ponto a doença pode ter afetado a “personalidade” do indivíduo? Não? Então, está brincando de achologia. Seria fundamental um psicodiagnóstico completo, o mais detalhado possível, para poder ajudar essa senhora, sua família e seu esposo (ou ex-esposo). O melhor é não dizer nada, porque o achismo não adianta nada nesses casos. Um bom psicológo não fica dando pitacos ou opiniões irresponsáveis.

  156. Daniela disse:

    Gostei muito da matéria porque vai servir para ajudar à pessoas não esclarecidas,a conhecer melhor sobre o assunto e aprender a não descriminar pessoas q apresentem essa doença…

  157. MARTA disse:

    OI, MEU NOME É MARTA, GOSTEI MUITO A RESPEITO DA MATÉRIA ESQUIZOFRENIA GOSTARIA DE AJUDAR UMA VIZINHA QUE TEM ESTE PROBLEMA

  158. Rita disse:

    @FABIANA DE OLIVEIRA,
    Trabalho na área e o que percebo no meu dia a dia é que a vontade de se tratar, de buscar ajuda, é fundamental. Muitas pessoas acabam sendo internadas várias vezes por não acreditarem que precisam de tratamento e medicação. Isso acontece porque o que sentem é muito real. Não sei onde vc mora mas acredito que deva existir os Centros de Atenção Psicossossial (CAPS), que são lugares muito legais para o tratamento psiquiátrico. Procure um CAPS próximo a sua residência e os profissionais vão orientar vc.

  159. Mironey disse:

    Adorei a matéria, trabalho como técnica de enfermagem em um CAPSIII, e acredito que aos poucos podemos fazer diferente, agir diferente no tratamento de portadores de sofrimento mental, o modelo anterior é desumano.

  160. iara disse:

    Gostei demais da matéria. Tenho certeza que esta leitura vai contribuir muito na minha vida profissional. Gostaria de receber sempre informações como estas. Muito obrigada e parabens pela atuação do Hospital.
    ABraços.
    Iara

  161. Carlos André Silva de Araújo disse:

    Quanto mais cedo o diagnóstico, maior será a chance de melhora imediata do paciente, o grande problema está na falta de informação, pois muitas pessoas acham que os sintomas têm relação com uso de drogas ou àlcool, ou em alguns casos, somente “para chamar a atenção”. Nosso sistema de saúde também é falho, dispondo de poucos profissionais.

  162. Edu disse:

    Juliana, como podemos estreitar contato? Gostaria muito de conversar com você. Um abraço.

  163. Edu disse:

    @Lidia, que maravilha imagino que deva ser um trabalho maravilhoso. Estudo psicologia e me interesso demais pela área de saúde mental. Hoje mesmo estive na Santa Casa, com uma colega que está fazendo monitoria por lá, gostei muito e só aumenta minha adoração pela área. Digo também que meu trabalho de conclusão de curso é sobre os cuidadores de esquizofrênicos, e já, após contato no CAPS largo 13, consegui uma entrevista com a irmã de uma esquizofrênica, essas entrevistas fazem parte do meu trabalho, se você tiver condições de me ajudar em algum sentido. Um abraço.

  164. Juliana disse:

    @Edu,
    olá…tb sou estudante de psicologia e meu interesse em especialização é saúde mental…
    se tiver interesse em trocar ideias

  165. Juliana disse:

    @andrea,

    acerdito que tais agressões n estão ligadas diretamente ao transtorno de seu esposo, mas sim como disse a indole dele, ou seja as características da personalidade dele.
    Então é complicado dizer que ele agredia por causa do transtorno mental.

  166. FABIANA DE OLIVEIRA disse:

    GOSTEI MUITO DA MATERIA ENCONTREI RESPOSTA
    PARA ALGUNS SINTOMAS QUE EU ESTAVA TENDO.
    FALO PRATICAMENTE O TEMPO TODA SOZINHA COMO SE
    TIVESSE ALGUEM FALADO COMIGO.
    ENVAGINO E CRIO SITUAÇÔES AO MEU REDOR QUE NÂO
    EXISTE PENSO COISA BOAS E TAMBEM MUITO RUIS
    SE ALGUEM PUDER ME ENDICAR UM BOM TRATAMENTO EU
    ESTOU DE ACORDO QUERO ME CURAR É MUITO RUI VIVER
    COMO SE O MUNDO TODO ESTA CONTRA VOCÊ, E SABER QUE TUDO E FRUTO DA MINHA IMAGINAÇÂO.

  167. Lidia disse:

    Interesses
    Trabalho no CAPS II
    vVEM aí a LUTA ANTIMANICOMIAL DIA 18 DE MAIO

  168. su disse:

    tenho um irmão que ja desenvolveu a doença faz uns seis anos,só que minha mãe não da o tratamento adequado para ele.queria muito ajudar mais não sei como,o caso da novela caminhos da india com o tarso e praticamente o dele.eles afastam todos que possam ajuda-lo.
    gostaria muito de ajuda-lo,pois sofro muito de estar longe.como posso ajuda-lo?

  169. Edu disse:

    @Faby, a esquizofrenia é uma psicose.
    Encontrei isso também em uma pesquisa: A perda do juízo de realidade em alguns pacientes com TOC pode fazer pensar em psicose. Discute-se se obsessões muito intensas e sem críticas não se constituem em verdadeiras idéias delirantes.
    Esquizofrenia: no início pode ocorrer sintomas obsessivos. O pensamento do esquizofrênico é bizarro. Os obsessivo-compulsivos mantém consciência (crítica) e o contato com a realidade. Em geral não são isolados socialmente. Podem ocorrer episódios transitórios de psicose no curso do TOC.

    PS: como está a situação de seu irmão? Eu faço faculdade de psicologia e meu trabalho de conclusão de curso é sobre cuidadores de esquizofrênicos. Se quiser podemos conversar.
    Um abraço.

  170. J.R.Franco disse:

    Gostei do artigo, muito bom, elucidativo e traz uma linguagem bel acessível. Eu li uma reportagem a pouco tempo que citava um dado alarmante: mais de 10% da população brasileira sofre de algum transtôrno psiquiátrico, a maioria sem diagnóstico médico. Então, vamos terminar levando a crédito a música do meu conterrâneo Caetano Veloso: “De perto ninguém é normal”. Ninguém mesmo.

  171. Antonio disse:

    Olá, sou Antonio tenho 36 anos e vivo sem um diagnostico médico, mas acredito ter algum grau da doença. Pois estou à mais de dois anos vivendo isolado do convivio social por conta própria.Tive uma infancia conturbada,já cumpri pena por transgressões,”N” fatores me fazem crer que sou.Vivo bem mas,tenho momentos de estrema depreção, angustia,e tristeza. Ja tive várias profições,aprendo fácil e hoje oque mais me perturba é o fato de não ter um trabalho.Minha estrutura é minha esposa(do lar)e meus dois filhos. Mas tenho dificuldades em ir em médicos,procurar ajuda.Gostaria muito de obter uma resposta!

  172. Zeneide disse:

    Essa doença levou o primo do meu marido a si suicidar com apenas 35 anos. Já o filho de uma amiga, se atirou do 9º andar graças a Deus ele não morreu, mas ficou com seqüelas. Ele tomava medicamento para esquizofrenia, mas no dia que tentou suicídio, ele disse que ouvia pessoas mandarem ele pular.Acho que além dos medicamentos o carinho da familia e a aceitação desses é imprescindível.

  173. Faby disse:

    Queria saber mais sobre a doença, pois meu irmão foi diagnosticado como esquisofrenico, há 6 meses, pois minha familia não admitia e há três anos atras começou a aparecer os sintomas, ai a em varios medios e diagnosticavam sempre como psicose ou esquisofrenia. O esquisofrenico pode sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo(toque)? Me ajudem por favor.

  174. Fabrícia disse:

    @ana paula, oi ana meu irmão foi diagnostica a pouco tempo como esquisofrenico, alguns medicos acham que é psicose, ja sofri muito por causa do preconceito, de uns três anos para cá ele tem tido aquase todos os sintomas do artigo, queria manter contato com vc.

  175. deuzilene paiva disse:

    nunca me interessei pelo assunto e nem sabia que essa doença existia mas ao me deparar com um amigo foi que descobri e me interessei pelo assunto pois preciso está por dentro do assunto pra saberr como lhe dar com ele é uma pessoa que gosto muito e estou tentando ajudá-lo ao maximo

  176. andrea disse:

    não é facil conviver com essa doença…fui casada durante 20 anos com um esquizofrenico….abalou a familia toda…faz 3 meses que estou separada….hoje meus filhos estão vivendo em paz….não depende só dos familiares o controle da esquizofrenia…acho que os parentes deveriam ter uma atenção maior e não só o doente….a medicação controla o surto, mas não muda a indole da pessoa….eu sofri muitas agressoes…..

  177. Joseane disse:

    @Ivaldete l silva,
    Como você está? Olha, o sofrimento é grande, mas hoje em dia existem medicamentos muito bons que podem ajudar seu filho. Procure um bom psiquiatra e um grupo de apoio. Geralmente os postos de saúde encaminham para os centros de cuidados mentais e apoio às famílias. É possível conviver bem com nosso queridos esquizofrênicos. Um grande abraço!

  178. Ivaldete l silva disse:

    Meu filho sofre de esquizofrenia me ensinem o que fazer como tratar e onde tratar estou assustada pois ele sofre muito.

  179. Maria Celia de Araujo disse:

    Adorei conhecer um pouco sobre esta doença.Como educadora espero ter um olhar psicopedagógico diante de tais situações.

  180. ana paula disse:

    Meu irmão sofre de esqusofrenia, ele tem 26 anos e a doença começou há uns 8 anos atrás. era muito dificil no começo, todos achavamos que ele estava doido ou com algum encosto.mas graças a deus ele está bem melhor, foi enternado e agora está fazendo o tratamento em casa tomando os remédios.

  181. rosinei disse:

    Tenho uma irmã que é esquizofrenica na epoca eu ainda pequena me lembro o quanto ela sofreu porque anté então só se falava que ela não estava regulando principalmente o marido dela dizia aquele ingnorante os meus pais coitados tão humildes não sabiam o que estava acontecendo com ela só sei que a ajudaram pois ela estava rejeitando seu filho recém nascido,meus pais que cuidara dele até os dois anos,até hoje toma remédios para controlar a doença isso já faz 17 anos e faz uns 2 anos um outro filho de uma outra irmã surto e também foi detectada a mesma doença meu sobrinho tem 22 anos é muito triste porque vc sofre por ver pessoas tão boas viver num mundo que sei lá porque e assim….

  182. IOLANDA R. SANTOS disse:

    Meu irmão sofre de esquizofrenia crônica. Nunca teve um tratamento dígno, pois na época o tratamento era internação com choques elétricos e choques de insulina. Meu irmão nunca pode ter uma vida dígna, a não ser a que nossa familia podia proporcionar como até hoje.Ele já tem 60 anos. Foi horrível enfrentar um estígma como esse, durante toda a minha vida. Eu fui totalmente contra ao que fizeram com meu irmão.

  183. Caroline disse:

    Comecei a ler esse site por recomendação de uma amiga. E tenho ficado muito satisfeita com as matérias. Essa então ficou muito boooooaaa parabéns!!!!!

  184. heloisa disse:

    Schizophrenia Open Doors é um grande avanço para o portador de esquizofrenia. Ocorre que o número de portas é pequeno. Lugares que ofereçam este ou outro tratamento estão cada vez mais escassos. Um paciente sem tratamento adequado sofre e afeta os seus familiares. Poucos são os serviços que incluem a família e a ajudam a lidar com o problema. O número de profissionais de saúde que tratam esquizofrênicos no Rio de Janeiro é insuficiente. Fecharam-se as portas para as instituições asilares e não abriram portas suficientes para o tratamento ambulatorial. As famílias estão sobrecarregadas e os pacientes estão sem muitas opções. A medicina está fora da realidade na avaliação do tamanho do problema.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *